O que esperar do 2015 do Flamengo?

Se todo ano eu começo com ânimo? Sim. Nato do Rubro-Negro essa fé inenarrável no Manto. Mas dessa vez a razão me faz crer que a emoção está perto de alcançar níveis indeléveis. Os números… ah, os números! Sou da fuzarca do Fayol, do Taylor, do Weber. Gestão pra mim é uma palavrinha mágica.  E perpassa essa questão de imagem office, invadindo os campos tão fortemente que se camufla. É tão intimamente ligada aos bons resultados na nova tendência no mundo do soccer brasileiro, que as duas coisas tornam-se uma realidade homogênea. Tolo aquele que despreza o planejamento a curto, médio, longo prazo. Tolo aquele que se nega a ter uma visão holística sobre o Clube de Regatas Flamengo.  Creio que estamos na estrada de tijolinhos amarelos rumo a grandes glórias.
De R$ 273, passamos a casa dos R$ 303 milhões de reais em receita bruta, ao passo que o endividamento total foi significadamente reduzido. Reparem essa relação entre endividamento/faturamento:

Pois bem. Seguindo a política do Quero E Nego, Compro Se Puder, o Fla paulatinamente se tornou um destino desejado e desejável. O caloteiro virou bom pagador e que ironia, quem nos rejeitou um dia pelo medo de não receber (os meses na Gávea não tinham 30 dias), hoje não recebe no local que priorizou. Olha como são as coisas. Gracias, translação. Gracias, rotação. O mundo gira! O famigerado caloteiro carioca hoje atrai investimentos, está no mercado. Agora, se nele faz as melhores escolhas…  Há controvérsias quanto a isso. E sempre haverá. De qualquer forma, pensando friamente em cada uma das peças que chegaram, não sinto nenhum desconforto. Sinto apenas a necessidade de algumas poucas peças, sendo a principal delas o meia armador que tanto precisamos. Um camisa 10 digno, sabe?  Não que eu despreze a vinda de um camisa 9, mas uma criação qualificada, facilita pra qualquer um e é uma grande carência nossa. Um atacante, mesmo famigerado, vive de oportunidades. Se ninguém as criar, vai operar milagres toda quarta e domingo?  Se os reforços que a Nação espera realmente chegarem, ótimo. E se não chegarem, contamos com o bom senso do Pofexô. Utilizar bem as peças que tem é melhor arma do técnico que não trabalha com estrelismo no elenco.
De finanças passei para o futebol (seria difícil não utilizar esse esporte como exemplo central), uma vez o bom resultado de 2014, nos garantiu entrar em 2015 como o maior arrecadante entre os clubes de futebol, e assim ter opções mais interessantes nas janelas. E até o final do ano, o Fla deve ter um endividamento inferior a R$ 500 milhões, o que em conjunto com o alavancamento de receitas brutas, que estão projetadas para um crescimento de mais R$ 62 milhões, permite ao Rubro-Negro  sonhar com um time muito mais competitivo e cada vez mais melhoras na sede social.
De qualquer forma, não estamos piores do que em 2014, e a tendência é que tenhamos resultados muito mais dignos de Flamengo. O Carioqueta, campeonato que não admite críticas (lamentável), antes de começar, engatinha para nós. E nos demais campeonatos, podemos esperar sim, bons resultados. No brasileirão, duvido muito, que nos embolemos contra a “zona da confusão”. Podemos esperar sim, um grande ano, já que mal começou, e já promete as melhoras do próximo.
Flamengo, a saudade de ter nas quartas e domingos se torna insuportável em curto espaço de tempo!  Vem, vem pros gramados descompassar nossos corações! Vem, vem provar que o ano novo, será realmente feliz!
Ei galera…. se 4% de nossa torcida se associarem Nação Rubro-Negra,  quanto vocês imaginam que teríamos para investir no futebol com  as mensalidades de 1.600.000  associados? #FicaDica
Saudações Rubro-Negras,
@BrunaUchoaT

Fonte: Blog Ser Flamengo

Veja também