Vale quanto pesa.

Já se sabe há algum tempo do quão problemático seria o ressurgimento oficial de Eurico Miranda no processo de tomada de decisões envolvendo o futebol carioca.
Aliado declarado do atual presidente da federação, o novo comandante vascaíno assume a rivalidade como retórica e não esconde o prazer de, por princípio, ter opinião contrária a de seus principiais rivais _ em especial o Flamengo.
Mas nessa discussão sobre o preço dos ingressos no Campeonato Estadual a abominável dupla não está de toda errada. Já estava mais do que na hora de promover a redução nos preços.
Nos últimos dois anos, a competição registrou média de 2.612 pagantes _ precisamente, 2.396 em 2013 e 2.828 em 2014.
Hilário, não é mesmo?
Ainda assim, vejam bem, porque a entidade promotora do espetáculo andou maquiando o borderô de alguns jogos, o que valeu o acréscimo de 432 pagantes na média.
Em resumo: está mais do que na cara de que os torcedores em todo Brasil (não apenas no Rio) já perceberam que os Estaduais são percebidos como uma extensão da pré-temporada.
Seus jogos são disputados no verão, rivalizando com praia e carnaval, com transmissão acompanhada em bares e restaurantes, e geralmente contra adversários desqualificados.
A diferença fica por conta dos jogos finais, e isso quando há uma final entre dois grandes clubes…
TENTATIVA.
Em 2013, ainda com o Maracanã entregue às obras da Copa, os ingressos para os clássicos disputados no Engenhão chegaram a custar R$ 60 _ absurdo inominável, que evidentemente afastou o público do estádio, tornando a competição ainda mais melancólica.
Em 2014, em respeito ao Projeto Sócio-Torcedor, a Federação abriu a possibilidade de os clubes arbitrarem os preços em comum acordo nos clássicos, jogos semifinais e finais.
Mas também não deu certo…
MERCADO.
Este projeto que garante aos clubes receita direta e regular em troca de benefícios e vantagens para o sócio, dentre as quais descontos nos jogos com o mando de campo, é caminho sem volta.
E acho que em pouco tempo os torcedores perceberão que a adesão poderá fazer a diferença.
Por ora, os números mostram que adeptos e não adeptos não se sentem atraídos por conta de “descontos” na compra de ingressos dos Estaduais.
O jeito é reduzir para todos, não apenas para a minoria.

Fonte: Blog do Gilmar Ferreira

Veja também