Muricy continua com moral nos bastidores e atual elenco vai ter que dar conta do recado

A pressão no Flamengo é sempre grande. Neste momento, com quatro jogos sem vitórias e também sem gols, esta aumentou consideravelmente. Externamente, a torcida pressiona por melhores resultados e pega no pé de alguns jogadores, como Gabriel e Wallace. Internamente, também se espera pela volta das vitórias, mas o discurso é de convicção no trabalho e também no elenco que foi montado.

O técnico Muricy Ramalho segue com moral no comando do time, apesar dos resultados recentes. O treinador, inclusive, tem total liberdade para seguir com o rodízio de jogadores e só escalar a equipe que julgar mais apropriada.

Mesmo com a seca de gols – já são 539 minutos sem marcar com a bola rolando –, o Flamengo não pretende ir em busca de reforços neste momento. O clube investiu alto na temporada e contratou nove jogadores. Por isso, se for considerada necessária, a busca por mais peças só será feita para a disputa do Brasileiro.

– Depois do jogo, é bobagem falar sobre isso (reforços). Vamos trabalhar com quem está aqui. Para o futuro, para o Brasileiro, vamos pensar nisso. Agora, é trabalhar com esse elenco – disse Muricy Ramalho, logo após a derrota para o Volta Redonda, por 1 a 0, sábado, no Raulino.

A declaração do treinador rubro-negro é ratificada pela diretoria. Por isso, o grupo atual terá de resolver os atuais problemas e obter melhores resultados o quanto antes.

O tema “desgaste” ainda é recorrente no Flamengo. Muricy, que já reclamou abertamente sobre isso, diz que o elenco não tem tempo para treinar. Por outro lado, os jogadores já deixaram o assunto para trás. Gabriel e César Martins, os últimos atletas a concederem entrevistas coletivas no clube, trataram o caso como página virada.

Sem o Maracanã, o Rubro-Negro deve mandar a maioria dos jogos em Volta Redonda nesta temporada. Apesar de não ser uma opção interessante em termos financeiros, é a alternativa mais viável para evitar cansaço e viagens de avião.

Fonte: Lancenet

Veja também

  • Este assunto de cansaço (se é que se justifica) tem que cair na conta dos dirigentes, pois já se sabia das olimpíadas hás 7 anos….deixaram pra ver isso no ano que o evento vai acontecer….falha ABSURDA de planejamento.

    E completo….falha de todos…times, CBF, Ferj, etc.

    E sigo apoiando o Muricy, ele é vencedor, trabalhador e entende do que faz…deixem o cara trabalhar, pessoal, por maior que seja a ansiedade.

  • A mesma fala ensaiada: ” O que importa é o Brasileiro”. Conversa pra boi dormir! Caso tropece no campeonato nacional, qual será a desculpa? Precisamos de uma equipe com bons jogadores e organizado taticamente. Dois zagueiros(um reserva e outro pra ser titular no lugar de Wallace), dois laterais(um pra ser titular na esquerda e outro reserva pra direita), dois meio campistas( ambos titulares juntamente com Mancuello e Cuellar), dois atacantes para barrar Cirino e Sheik. Precisamos de meio time e um esquema simples, sem invenções.

  • Acredito que a reformulação prometida e não cumprida na virada do ano já passou da hora de acontecer. Flamengo ainda não conseguiu definir 11 titulares que dirá fechar seu elenco pra temporada..

    Além disso, concordo com o texto no que diz respeito à falta de alguém com voz de comando para cobrar e motivar os jogadores quando necessário. a sensação que tenho é que os jogadores dão tudo que tem nos clubes pequenos e médios para conseguir um bom contrato no Flamengo (por exemplo) e ao chegar aqui não maiores ambições porque sabem que não tem futebol pra ir pra Europa e o máximo que podem conseguir na carreira é ficar no Flamengo mesmo.

  • precisamos de um zagueiro q preste um lateral esquerdo e um cara para ficar no lugar do marcio araujo e dispensar o mesmo, quando o cuellar nao joga so tem a mizeria do marcio araujo

  • pra mim ainda faltam mais duas contratações de peso e umas duas medianas: um zagueiro e um cara de lado com habilidade os top um lateral esquerdo e um cara para o meio.

    • Só isso?

      • vc o que acha?

Comentários não são permitidos.