Mão certeira, contra-ataque fatal e toco na última bola: trio é decisivo para o Fla

Bolas de três de Ronald Ramon conduzem o time que bateu Mogi em dois lances cirúrgicos nos segundos finais: uma arrancada de Mineiro e um toco de Marquinhos

O Flamengo tinha uma chance para se manter vivo no NBB 8 e seguir sonhando com seu quinto título da competição, o quarto consecutivo. E três personagens  comandaram a vitória por 93 a 91, resultado que levou a decisão da última vaga na final para o quinto jogo, na próxima terça – feira, às 21h, no Tijuca Tênis Clube. O primeiro herói foi Ronald Ramon. Embora não tenha participado diretamente dos dois lances que praticamente garantiram a vitória, o ala/armador foi o cara do jogo. Além dos 27 pontos anotados, o dominicano acertou todos os sete arremessos de três pontos que tentou. Uma marca comemorada, mas dividida por toda a equipe.

– Sabíamos que ia ser difícil e que precisávamos de determinação para fazer o que treinamos durante a semana.  Eles quase não perderam em casa na temporada, são muito fortes. Abrimos uma boa vantagem, mas sem conforto. Sabíamos que eles iam voltar ao jogo. Jogo há muitos anos, lógico que tem jogos bons e ruins, mas esse foi um de destaque. Temos que ter o mesmo foco, porque não acabou a série, falta mais um jogo.Temos que fazer a mesma coisa que fizemos aqui hoje, entrar focados – afirmou um dos destaques da tarde.

O segundo nome decisivo foi Rafael Mineiro. Autor dos dois pontos que recolocaram o Flamengo em vantagem a 13 segundos do estouro do cronômetro, o ala-pivô anotou outros seis no jogo, pegou dois rebotes e deu uma assistência. Ainda eufórico após a cesta decisiva, o camisa 12 rubro-negro foi sincero ao afirmar que na hora achou que deveria ter tomado outra decisão.

– Com certeza uma das mais importantes (cestas da carreira). Acho que o momento era até de segurar a bola, tinha 15 segundos pela frente e o último lance era nosso. Mas achei que estava muito em vantagem e de repente vi o Larry Taylor passar. Quando vi que ele passou, acho que fiquei muito livre para tentar fazer a cesta e ainda sofri a falta – explicou o jogador.

flamoginbb[1]Mineiro, no entanto, mostrou humildade ao apontar a jogada de outro personagem como a mais importante do confronto.

– Acho que o lance mais importante, aquele que definiu o jogo, foi a defesa do Marquinhos, que conseguiu dar o toco e ainda ficar com a bola. É uma vitória que dá um gostinho de recuperação. Mas não podemos dar esse vacilo de novo. Jogo em casa, depois de uma vitória dessa, no último minuto, com certeza dá uma força maior. Agora é jogar em casa, não precisa falar nada. É um jogo para ir à final, não precisa motivação maior do que isso.

Marquinhos, de fato, foi o dono da imagem que aliviou de vez os rubro-negros. Mesmo gripado e longe de suas condições, o camisa 11 do Flamengo contribuiu com 15 pontos, quatro rebotes, seis assistências e uma bola recuperada. Mas nada disso foi tão marcante como o toco em Larry Taylor a dois segundos do fim do jogo. Talvez o mais importante de toda sua carreira.

– Foi a recuperação da vida. Praticamente batido, sem perna nenhuma. A cesta do Mineiro também deu um gás a mais, não tinha como não acreditar naquela bola ali – destacou Marquinhos.

O camisa 11 lembrou detalhes do lance e o narrou na porta do vestiário rubro-negro.

– Vim certinho acompanhando o Larry de perto. Na hora de ele arremessar fui buscar lá no último andar, na ponta dos dedos mesmo. Foi uma vitória do começo ao fim, a gente começou muito determinado a defender e isso foi a chave do time.

Fonte: GE

Veja também