Para jogar Libertadores masculina, clubes terão que montar time feminino

Nesta sexta-feira, a Conmebol (Confederação Sul-Americana de Futebol) aprovou seu novo regulamento de licenciamento de clubes, que passará a valer a partir de 2018. Uma das principais novidades é que os times que disputarão a Copa Libertadores e a Copa Sul-Americana só poderão participar dos torneios se tiverem também uma equipe feminina.

Essa nova regra passará a valer a partir de 2019, segundo o documento.

“O solicitante (a disputar a competição) deverá ter uma equipe feminina ou associar-se a um clube que possua a mesma. Ademais, deverá ter ao menos uma categoria juvenil feminina, ou associar-se a um clube que possua a mesma”, diz trecho do regulamento.

“Em ambos os casos, o solicitante deverá prover suporte técnico e todo o equipamento e infraestrutura (campo de jogo para disputa das partidas e de treino) necessários para o desenvolvimento de ambas as equipes em condições adequadas”, acrescenta.

622 efa59b73 acff 3d29 8faa 5d7a2dabd5a3

Os times femininos, aliás, não podem ser apenas “decorativos”, tendo que estar inscritos em competições organizadas pelas federações nacionais de cada país.

“Finalmente, exige-se que ambas as equipes participem de competições nacionais ou regionais autorizadas pela respectiva associação membra”, explica o documento.

A Conmebol organiza desde 2009 a Libertadores feminina, que é dominada por equipes brasileiras, vencedoras de seis das sete edições realizadas até agora.

622 f86096b8 e551 3304 b8d4 09a657246607

O maior campeão é o São José, com três títulos, seguido pelo Santos, com dois, e pela Ferroviária-SP, que levantou a taça em 2015. O único clube de outro país a faturar o troféu foi o Colo Colo, do Chile, campeão em 2012 em cima do Foz Cataratas-PR.

Vale lembrar que, também nesta semana, a Conmebol anunciou outras mudanças para a Libertadores masculina, que agora será mais longa, sendo realizada durante boa parte do ano, e que pode ser decidida em jogo único, disputado em um estádio neutro.

Fonte: Espn

Veja também

  • É um boa medida e pelo menos essa começa a valer só em 2019. Dá tempo dos clubes se organizarem. Deveriam seguir o mesmo critério para as outras mudanças, dar um prazo antes de colocarem em prática. A alteração nas datas/duração do campeonato afeta diretamente o calendário nacional, daqui e dos outros países. Não tem como anunciar essa mudança em outubro e já aplicar no próximo ano.

  • Com os times na pindaíba e deficitários, quem paga a conta?Até nos jogos masculino os estádios ficam vazios,nos femininos o público é quase zero.Felizmente o Fla tem parceria com a marinha.Mas os jogos que passou na TV tem público zero no estádio, vi pela TV isso.

  • Show de bola…ótima ideia da Conmebol, so assim as meninas tem valor…sem apoio algum elas sempre honraram a camisa da seleção e merecem todo nosso apoio nessa luta..chega de machismo nessa bodega

  • N esquenta n, o nosso time feminino é o atual campeão brasileiro. Vai ser moleza.

  • Futebol feminino é chato.

  • Ridículo isso, estão querendo misturar alhos com bugalhos…

Comentários não são permitidos.