Lembra dele? Em Pernambuco, Iranildo fala do amor pelo Fla e o do pai, pelo Santa

Ex-meia, com 39 anos, declarou-se flamenguista de coração e lembrou da rápida passagem pelo Tricolor, em 2004: “Foi para realizar o sonho do meu pai”, revelou

No Flamengo, a passagem que mais marcou. Rubro-negro convicto e declarado, vestiu a 10 que um dia foi do ídolo, Zico. No Santa Cruz ficou quatro meses. A missão tinha um lado especial: realizar o sonho do pai. Iranildo, meia de muita habilidade na perna direita, passou rapidamente por Igarassu-PE, a cidade natal, esta semana. Na casa dos Ferreiras, o assunto em pauta, não poderia deixar de ser, só tinham o vermelho e preto e o tricolor. Todo o resto não importava.

Não foi no Fla nem no Santa Cruz que Iranildo conquistou o maior título da carreira. Ele estava no Botafogo, em 1995, quando sagrou-se campeão brasileiro. Um ano depois, aportou na Gávea para realizar um sonho.  Por lá, permaneceu de 1996 a 2003, conquistando três estaduais e uma Copa Mercosul.

No Flamengo, a passagem que mais marcou. Rubro-negro convicto e declarado, vestiu a 10 que um dia foi do ídolo, Zico. No Santa Cruz ficou quatro meses. A missão tinha um lado especial: realizar o sonho do pai. Iranildo, meia de muita habilidade na perna direita, passou rapidamente por Igarassu-PE, a cidade natal, esta semana. Na casa dos Ferreiras, o assunto em pauta, não poderia deixar de ser, só tinham o vermelho e preto e o tricolor. Todo o resto não importava.

Não foi no Fla nem no Santa Cruz que Iranildo conquistou o maior título da carreira. Ele estava no Botafogo, em 1995, quando sagrou-se campeão brasileiro. Um ano depois, aportou na Gávea para realizar um sonho.  Por lá, permaneceu de 1996 a 2003, conquistando três estaduais e uma Copa Mercosul.

– Quando chegou o convite do Santa Cruz em 2004, pensei: É a hora de vestir a camisa tricolor e realizar o sonho do meu pai. Foi muito rápido, apenas quatro meses, mas me marcou muito. Ter jogado em dois clubes de imensa torcida, como o Flamengo e o Santa, é de uma responsabilidade enorme.

No Santa Cruz, Iranildo teve atuação de destaque, mas ficou com o vice-campeonato estadual. Na decisão contra o Náutico, marcou o gol da vitória por 1 a 0, nos Aflitos. O Santa tinha tudo para levar o título, mas perdeu no Arruda, por 3 a 0 – aquela foi a última conquista do Timbu até os dias atuais.

– Tenho total participação na contratação de Iranildo. Meu filho chegou a ter uma oferta do Sport, mas disse a eles que quatro ou cinco mil reais a mais não iam fazer a diferença. Queria meu filho no Santa para realizar um sonho e assim foi feito. Sempre tem aquela vaidade em ter seu filho jogando no time do coração, né? – contou o pai, Ivanildo.

Iranildo, sobre Fla e Santa Cruz: "Me desculpa torcida tricolor, mas sou Flamengo" (Foto: Reprodução Globo Esporte)
Iranildo, sobre Fla e Santa Cruz: “Me desculpa torcida tricolor, mas sou Flamengo” (Foto: Reprodução Globo Esporte)

E domingo?

Flamengo e Santa Cruz se enfrentam domingo, às 17h, no Pacaembu. E Iranildo não escondeu qual será sua torcida.

– Me desculpe a torcida tricolor, mas sou Flamengo. Quero que o Santa Cruz saia dessa situação, mas sou flamenguista, não tem como esconder. Depois de domingo, volto a torcer pelo Santa. Hoje, vejo o Flamengo com mais chances de ser campeão do que o Santa escapar da Série B, mas no futebol tudo pode acontecer. Existe luz do fim do túnel.

Já Ivanildo Ferreira também não escondeu a torcida. Cada um tem uma preferência e não será dessa vez que vai ser diferente.

– Iranildo que torça para lá e eu torço para cá. Sou Santa Cruz e vou torcer é para o meu time.

Fonte: GE

Veja também

  • É cada um que desenterram…

  • Os anos passaram, mas o bicho continua feio… &;-D

    • Cheio de botox

  • Grande chuchu, tinha uma visão de jogo muito grande, se Romário fez mais de 200 gols com a camisa rubro-negra, muitos foram de passes do Iranildo.

  • Era muito bom de bola, mas era franzino e também as vezes a forte pressão abalava ele psicologicamente. Mas quando tava num bom dia era “o cara”. Romário mesmo tirava o chapéu para o “Chuchu”, como ele era chamado.

Comentários não são permitidos.