Fla vai rever preços na Ilha, mas ignora lei de meia-entrada que favorece sócios

A diretoria do Flamengo vai rever o preço dos ingressos praticados na Arena da Ilha. O valor mínimo de R$ 200 para o público em geral na partida contra o São Paulo, domingo, pegou mal. Mesmo que a grande maioria do público seja formada por sócios-torcedores, não há controle de documentação para direito a meia-entrada garantido por lei. Ainda assim nenhum torcedor comum, pelos borderôs, pagou a quantia mais alta contra Ponte Preta e Chapecoense.

A precificação do ingresso foi feita baseando-se no pacote para os três primeiros jogos. Depois deste terceiro jogo, a diretoria estuda nova lógica. Mesmo assim, não explica o motivo de não fazer valer a lei que determina o máximo de 40% de meia-entrada no evento. O borderô indica esmagadora maioria com o direito. O clube também não explica o controle dos descontos nos planos de sócio-torcedor.

Até agora são nove mil ingressos vendididos para o jogo de domingo. Com os decontos, um sócio-torcedor paga até R$ 50, dependendo do plano. O valor do ticket médio ainda assim não passa de R$ 60. Se os sócios-torcedores garantem os preços mais baixos, a torcida como um todo praticamente fica excluída. E não compra. Por isso, a diretoria estuda uma forma de beneficiar esse torcedor que não é sócio.

O próximo jogo na Arena da Ilha é contra o Grêmio, no outro domingo. Até lá, novos valores devem ser divulgados. Nas redes sociais, os rubro-negros reclamaram bastante, lembrando que o clube não é banco. As críticas foram feitas também por sócios-torcedores, achando o valor alto. Quem não tem direito a meia da meia, paga a metade por ser sócio, ou seja, o mínimo de R$ 100, no caso do jogo com o São Paulo. Mesmo assim é quase ninguém.

Nas primeiras partidas na Ilha, o estádio sequer encheu. Sinal de que o cálculo de preço não foi correto. Quem normalmente passa os valores a serem praticados é o diretor-geral Fred Luz, mas a assessoria do Flamengo informou que o diretor não falaria antes de se reunir com o Conselho Diretor na Gávea. Em dois jogos no estádio alugado, que custou quase R$ 15 milhões para reforma, o Flamengo já arrecadou mais de R$ 1,5 milhão e venceu as partidas.

Fonte: Extra

Veja também

  • O problema é a desonestidade e corrupção desse povo hipócrita de m3rd4 que usa a meia entrada sem, de fato, ter o direito. Tem que se fud3r mesmo.

  • Dá impressão que os não sócios, a maioria é menos Flamengo…eu entendo a estratégia Diretoria, mas tem que achar o meio termo. Até nisso falta equilíbrio…

  • A torcida tem que parar com esse mi mi mi…
    Vá ao cinema, teatro ou show…veja quanto custa a entrada…O torcedor quer um time com craques pagando 10 reais a entrada…impossível!
    O futebol deixou de ser pro povo há muito tempo…hj vc acompanha um ou dois jogos por mês, no estádio…o restante é em casa…
    Se o time não tá dando espetáculo, pare de ir. ..logo a diretoria muda.
    Eu, por exemplo, cansei de ir ao maraca…hj não vou nem que paguem…Não estou satisfeito com as “convicções” do treinador, logo, não gasto meu dinheiro com elas…
    Se um dia, forem escalados os melhores, eu volto…Não pago pra ver o estrume do Márcio Araújo jogar.
    Protestem de maneira “inteligente”…fiquem em casa e gaste este 60 reais com cerveja vendo o jogo com a dona Maria.
    Fora Zé Ricardo
    SRN

    • Concordo! Embora nos conceitos CORRETOS, o lugar de torcedor é no estádio, nem 0,1% da torcida do Flamengo (40 mil) cabe no estádio da ilha, que tem 20 mil de lotação. Logo, os outros torcedores do Brasil, devem comprar produtos licenciados, serem sócio-torcedores e também comprar PPV.
      Não é só com a bilheteria que o clube pode lucrar com a torcida. Se hj vc não vai, outro irmão de camisa pode ir no seu lugar. Vá a outro jogo.

      SRN

    • Assim, 90% da galera vai ficar excluída…e sai mais barata uma assinatura de TV e ver em casa com conforto…tem que ter o meio termo amigo. A maioria da torcida do Fla é de gente mais humilde mas não menos Flamengo. SRN.

  • muito caro, tem que rever mesmo.

  • A Lei de meia entrada é uma piada de mau gosto. Na prática ela não existe, ou alguém acha que os donos de empresas vão tomar prejuízo. O preço de um evento é precificado pela expectativa de público e o valor necessário para assegurar a cobertura dos custos e uma margem de lucro. Qualquer coisa fora disso é invenção. Por isso afirmo que meia-entrada é balela para qualquer evento. Por mim essa lei de meia-entrada deveria ser extinta, infelizmente não serve para nada na prática.

  • 120 reais pra sócio torcedor é sacanagem!

  • Está muito salgado mesmo, no Maraca o ingresso era caro devido o valor cobrado pela concessionária e agora? Sei que querem estimular a adesão ao sócio torcedor, mas assim? Mesmo quem é sócio acaba pegando mais caro que em partidas de pouco tempo atrás.
    Acredito que eles tenham pensado que por ser o estádio do Flamengo a torcida pagaria qualquer valor para estar presente na novidade, e por isso não temos jogos com a lotação máxima.
    SRN

    • Para um estadio de 20 MIl pessoas onde 18 Mil e o maximo de ingressos a serem vendidos e natural o preço ser salgado, o ingresso so tendera a diminuir se o flamengo tiver um estadio proprio para pelo menos 40 mil pessoas

      • Sim, mas não dá para ter o mesmo lucro nos dois casos, a Ilha foi uma solução para termos onde jogar já que ficou proibido jogar fora do estado. A Ilha não veio para dar lucros e sim evitar que tomemos prejuízo jogando no Maracanã.

  • Não é defendendo, mas no RJ essa lei de meia entrada é uma putaria sem fim. Todos que trabalham com eventos reclamam da meia entrada. O cara tá fora da escola/faculdade tem uns mil anos mas tem sua carteira falsificada. Depois quer fazer protestinho. E ainda bota a culpa no promotor do evento.

  • Ninguem mandou um parasita estatal fazer uma lei idiota de obrigrar uma empresa a por meia-entrada .Ainda tem as gratuidades (outro vagabundo imbecil fez essa lei) que diminuem o lucro do Flamengo .

  • Tem que rever mesmo. Tem muito torcedor do Flamengo criticando a própria torcida pela revolta quanto aos preços dos ingressos, mas parecem que não enxergam a qualidade do “espetáculo”. Cobrar até 360 reais pelo que o Flamengo tá jogando hoje em dia é falta de respeito com torcedor.

    Com esses preços, a torcida raiz, que é capaz de transformar a Ilha num caldeirão, fica restrita aos AeroFlas.

  • O primeiro passo pra vencer uma partida em casa, é ter estádio cheio com sua torcida Raiz com faixas bandeiras, e cantos aos 90 min.. essa é a imagem do clube esse é o patrimonio, não esquece disso Flamengo..

Comentários não são permitidos.