Ex-promessa na seleção do Paulistão, proposta por joia do Sport e “carma” botafoguense: veja o que bombou na segunda

Uma das principais dificuldades para as promessas dos grandes clubes brasileiros é o período de transição para os profissionais. Com concorrentes no time principal e, em alguns casos, impaciência da torcida, vários atletas acabam sendo descartados pelas equipes nesta fase da carreira, como é o caso de Rodolfo, ex-Flamengo, que agora é um dos destaques do Mirassol.

A antiga promessa rubro-negra ingressou no clube do interior paulista em 2017 e chegou a ser emprestado ao CRB. Na atual temporada, de volta ao Mirassol, ele tem sido um dos melhores do estadual. De acordo com seleção sub-25 divulgada pelo FootstatsRodolfo é o melhor meia da competição, atuando em clubes do interior.

CLIQUE AQUI E LEIA A MATÉRIA COMPLETA


Com a ascensão do futebol de base na Gávea, o Flamengo tem buscado captar talentos cada vez mais cedo, como nos casos de Vitor Gabriel e Ramon, atletas criados no Nova Iguaçu, contratados ainda na base. Agora, o alvo da vez é o atacante Juninho do Sport-Pe, é o que garante o portal Superesportes.

O Vasco era o mais cotado para levar o jogador, porém, após a investida do Mais Querido, a situação acabou sendo travada. O diretor de futebol do Sport, Leonardo Lopes, foi quem confirmou o fato: “Teve mais um time demonstrando interesse e fazendo proposta por Juninho, o Flamengo. Também para o sub-20. Agora está entre Vasco e Flamengo”.

CLIQUE AQUI E LEIA A MATÉRIA COMPLETA


No último domingo (18), o atacante Rildo protagonizou um dos lances mais feios da temporada no futebol brasileiro. O jogador vascaíno fez entrada duríssima sobre João Paulo, do Botafogo, que acabou tendo duas fraturas na perna direita. Carlos Augusto Montenegro, cardeal botafoguense que incitou a violência contra Vinicius Júnior – do Flamengo – se posicionou sobre o caso.

 Toda semana sai ofício que o juiz que eles ensinaram, instruíram, errou. O certo seria o Rildo ficar seis meses sem jogar, e o árbitro, seis meses sem apitar. Dizer que pode apitar de novo é um incentivo para quebrarem pernas de jogadores e tomar só amarelo. Estão estimulando a violência, é uma vergonha —, disse ele.

CLIQUE AQUI E LEIA A MATÉRIA COMPLETA

Veja também