Arthur Muhlenberg: “Tudo o que era sólido se desmancha no ar”

O Maracanã teve um autêntico domingo vermelho e preto. Mais vermelho do que preto, em perfeita consonância com o bicentenário do bom velhinho defensor das massas proletárias, Karl Marx, que se celebrou no sábado. As arquibancadas abarrotadas de trabalhadores, por força de uma política de precificação abertamente socialista, viram encantadas o show de bola de Paquetá, Cuellar, Vinicius Jr e Everton Ribeiro pelas esquerdas. Só faltou a Raça e a Urubuzada cantarem a Internacional e o burguês Dourado fazer gol pra rolar piadinhas com a foice, mas nem foi preciso. O veiúdo 2×0 enfiado no tradicional freguês meridional na base da martelada vingaram o proletariado rubro-negro.

E até os poucos reacionários da Nação foram forçados a admitir que o Flamengo tem jogado bastante direitinho e justificado a inesperada e longeva (2 rodadas) liderança no Brasileiro. Há quem repute a significativa melhora do time ao talento que Pep Barbieri tem demonstrado em fazer tudo aquilo que o que o elenco que o escolheu deseja. Um estilo de comando pragmático que, até que dê alguma merda, não tem como ser contestado. Outros atribuem a boa fase aos métodos inortodoxos de incentivo da Fla-Aeroporto e outros ainda à volta do povão classe média ao Maraca. Como disse o vovô Marx, o caminho pro inferno está pavimentado de boas intenções. Os motivos não importam, sigamos a tradição capitalista de comentarismo e nos concentremos no resultado.

Ao contrário da defesa, onde mal fechamos a conta do chá, do meio pra frente o Flamengo mostrou que está bem servido de talentos. Com Arão neutralizado no banco e Everton Ribeiro despertando de seu longo sono letárgico a nossa meiúca, com Paquetá dando show, tem conseguido se impor nas ultimas partidas e isso não vinha acontecendo sob a batuta de Carpegiani. Menção especial ao colombiano Cuellar, que tem sido um ponto de equilíbrio na contenção. O futebol de desarmes e passes certos do sardento meio-campista anulou as gracinhas da gauchada sem-drenagem e tem lembrado o papel do chileno Maldonado naquele time de 2009.

O nosso ataque ainda foi mais ou menos, com baixa taxa de conclusão em relação a quantidade de jogadas ofensivas criadas. Mas a volta de Guerrero, se não acaba definitivamente com o caô, em tese aumenta as possibilidades de que as centenas de bolas centradas na zona do agrião resultem em gols. Geuvânio ainda não convenceu e Vinicius Jr, quando não está humilhando seus marcadores, não pode ser a bola de segurança do time. É injusto com ele. Precisamos de mais alternativas ofensivas. Mesmo com a dibração desenfreada de Paquetá e Vinicius Jr, que fizeram a eterna paquita D’Alessandro dar vários faniquitos enquanto era chapelada sem piedade, empolgando as massas ainda não estamos autorizados a oba-obizar plenamente porque o Inter mostrou que não estava na Segundona à toa. Mas com essa improvável invencibilidade de 7 jogos já dá pra fazer uma graça. Quem nunca? Bora, Mengão! Rumo ao Hepta!

É bem verdade que só temos enfrentado times oriundos, egressos ou fortemente identificados com as divisões subalternas do pujante futebol pátrio. Mas se formos puxar a capivara dos demais 19 competidores do Brasileiro sobram só uns 2 ou 3 sobre os quais não respingue a desonra pestilenta da Série B. Que culpa tem o Flamengo se os altos padrões de honradez vigentes na Gávea não são seguidos pelos coirmãos? Nêgo se rebaixa mesmo, e na maior parte das vezes com extremo merecimento.

Não dá é pro Flamengo ficar escolhendo adversário, tem que aproveitar o bom momento e doutrinar quem aparecer pela frente. Até porque no futebol as fases boas costumam ser curtas e de uma hora pra outra podemos voltar à pasmaceira habitual. Nessa tour-de-force em que os times são oprimidos e os jogadores explorados pra cumprir o calendário antes da Copa do Mundo, com jogos de 3 em 3 dias, o melhor que o faz Flamengo é acumular gordura e baixar as expectativas. Porque até a meia-noite de 31 de dezembro ainda será oficialmente ano de eleição.

E, convém não esquecer, ainda tem a questão da Libertadores pendente. Enquanto não se confirma a obrigatória passagem para as 8as o torcedor do Flamengo seguirá como Getúlio, que confiava desconfiando. Consciente que uma metade do elenco é capaz de tudo enquanto a outra metade não é capaz de nada. Dizem que os materialista dialéticos não tem religião e que enforcarão o último padre com a corda vendida pelo ultimo capitalista, por via das dúvidas a minha fé pequeno-burguesa continuarei a depositar nos nossos moleques porque é certo que, num livre mercado ou numa economia estatizada, eles sempre se valorizarão. Saudações, camaradas.

Mengão Sempre

Reprodução: Arthur Muhlenberg | República paz e amor

Veja também

  • Esse é o AM que gostamos de ler, quando o time está vencendo e humilhando.

    Já somos os maiores capitalistas desde que EBM assumiu. Deixa pelo menos as arquibancadas pras massas. O Flamengo não é banco, queremos titulos!

  • Capitalistas pobres sem capital dando chilique em 3, 2, 1…

  • Perfeito!!! Mais um testo do nosso Bardo Rubro-Negro Parcial . É muito bacana ver o New Maracanã cheio, no entanto isso só alimenta o nosso inimigo no sonho de ter a Pátria Espiritual da torcida rubro-negra. Estamos alimentando a hidra que devora nossos sonhos, da renda de mais de um milhão e duzentos mil levamos para casa 13%. Nessa batalha a nação, como eu já esperava, joga contra o Flamengo.

  • Apesar do bom texto, não vi com bons olhos a intenção de associar o clube, ou grande parte de sua torcida, a uma ideologia que não é mais tão determinante no mundo atual, e que não deu os resultados esperados, tanto que se acabou em quase todos os países que a adotaram em algum momento. Até porque isso não é verdade, a torcida do Flamengo não é formada apenas por uma casta da sociedade, lá tem gente rica e pobre, tem burguesia e proletariado, tem preto, tem branco, amarelo… Claro que todos comemoramos a volta do povão aos estádios, mas temos tb a rica burguesia que comanda o clube reconhecendo que o Flamengo não pode ser composto apenas de burgueses. O futebol, longe de segregar, aproxima os diferentes. Na hora do gol, o rico abraça o pobre, o empresário abraça o empregado, etc. Porque só o pobre é trabalhador? O dono da empresa não trabalha tbm?
    Não sei. Achei o texto bom, mas a analogia muito infeliz. Mas é só a minha opinião.

    • A analogia não tem pertinência intrínseca, somente foi usada para fazer alusão ao bicentenário do Karl Marx que se completou exatamente no dia do jogo. E sobre a alusão Das massas e a revolução é somente para da brio ao texto.

    • Para esclarecimento, não tenho nenhum compromisso em ser politicamente correto, procuro, sim, respeitar a discussão quando ela é honesta. Você foi justamente ao ponto em questão: a analogia do Flamengo ao marxismo cultural. Não está aqui a se criticar o fato dele escrever bem e sintetizar os fatos e emoções em uma crônica, ou não. À sua época, o Dias Gomes, Jorge Amado, Vladimir, Graciliano Ramos, Raquel de Queiroz, Oswald de Andrade, Florestan Fernandes, João Saldanha, Oduvaldo Vianna Filho e tantos outros, como oficiais, escreviam brilhantemente bem e nem por isso deixaram de ser criticados enquanto cidadãos, por se utilizarem, principalmente, da máquina da imprensa e dos benefícios que gozavam por ocuparem papéis de destaque na cultura para disseminarem sem sutileza a ideologia comunista-marxista para capturar o pensamento crítico, assim como o Arthur o faz. Usar esse espaço, nitidamente de pluralidade de opiniões sobre o CLUBE DE REGATAS DO FLAMENGO nos esportes, sem licença alguma com a nada casuística e sim proposital comparação para cooptar incautos.

  • Fantástico…. Ótimo texto como sempre… SRN…

  • Arthur é sensacional… Faz analogias e metáforas em seus textos brilhantes, mas em momento algum, tenta induzir à algum direcionamento político. É rubro negro dos mais inteligentes e conhecedores da nossa colossal história… Deixem de ser ranzinzas e curtam as palavras desse grande flamenguista… Onde encontrares um Flamengo, encontrarás um amigo !!! SRN

    • Não se trata disso, embora o Arthur tenha total liberdade para expressar o seu pensamento, também é fato, que não há nada de inocente nas mensagens subliminares contidas no texto. É que não faz sentido fazer analogia do momento prazeroso e de felicidade, que o “Mais Querido” está, mais uma vez, a nos proporcionar, com as teorias marxistas.

      Ele sabe o que está a fazer. O universo de vida que compomos, enquanto indivíduos, é por demais complexo. Só o MENGÃO, para nos unir em torno dessa mesma paixão. Pode parecer maluca, mas é tentadora a ideia de manipular uma massa de 40 milhões de apaixonados por um CLUBE. E os marxistas e suas vertentes são malucos que não aprendem e ao mesmo tempo não se esquecem de nada. Nós estamos vendo o passo à passo do experimento dessa utopia com a vizinha, Venezuela.

      Vários autores, principalmente de esquerda, publicaram livros, teses e estudos a respeito desse fenômeno de identidade de massa no futebol associando-o ao marxismo.

      Prefiro o simples prazer pelo entretenimento de torcer pelo Flamengo.

  • Aos que criticam Marx, lembrem-se: é um pensador como qualquer outro e merece ser analisado sem mistificações. Se hoje há carga horária de trabalho limitada por lei e salário mínimo, é por conta da luta dos socialistas do século XIX. Bom lembrar que Marx morreu antes de qualquer revolução. Nada de culpá-lo pelas ações de terceiros.

  • Não leio mais nada desse verme desde que se aproveitou dos flamenguistas pra elogiar a Dilmanta. Nem me preocupo se apoia ela mas aqui não há espaço pra isso. Morrerá frustrado querendo ser Nelson Rodrigues, NUNCA SERÁ!!!
    A não ser que estude os textos do Rica Perrone, que nem flamenguista é mas demonstrou que sabe mais!!!

    • Não fará falta!

      • Não é minha pretensão 😉

        • Temos que aprender a conviver em paz e seremos tolerantes uns com os outros. Não é possível que a citação de um homem morto há mais de cem anos te cause tanta irritação ao ponto de abandonar algo.

          • Não me causa irritação, causa estranheza a idolatria a um personagem, é exatamente o que acho deste falecido, um personagem! Não

  • São Judas Tadeus ajude o Fla!

  • Karl marx de cv é rol@

  • Oi?

  • Parabéns Arthur! Texto muito inteligente!! A propósito: até hoje só fizemos comer o pão velho que o capetalista amassou, nesse país. Que tal uma Revolução Francesa aqui?

    • Da um pulo lá na Venezuela e ajuda o maduro a finalizar lá revolucion.

      • Pega um livro pra estudar, filho. Suas idéias estão meio confusas… Você tenta falar sobre algo que desconhece totalmente. Não pode dar boa coisa.

        • Ele conhece através do MBL

          • Adorável esquerda “intelectual”

        • Grande Marx, sujeito de sorte. Viveu sem trabalhar e às margens da burguesia, cresceu criticando do que se valia. Inteligente esse rapaz , vagabundo, mas inteligente!!

        • Vai defender essa ideologia maravilhosa lá em cuba, lá na Coreia do Norte na Venezuela na pqp! Quem defende essa bosta é cúmplice desses canalhas.

  • É, Arthur Muhlenberg, que infelicidade ver você se aproveitar do momento para fazer analogia, de forma subliminar, à Nação, que representa “O Mais Querido”, a esse lixo de idelogia e a esse pensador charlatão.

    Lamento, mas felizmente o FLAMENGO, com mais de 40 milhões de apaixonados, iguais a nós, é grande o bastante para caber e respeitar, também, torcedores que individualmente e alheio a escolha que fez por esse Clube, têm opiniões diferentes e optaram por essa ideologia nefasta, como a marxista, a qual, pelo viés, você compartilha.
    Mas, por favor, poupe-nos e não tente dividir o nosso FLAMENGO com essas idéias, todos nós vamos perder!
    Aqui não é o lugar para isso. As eleições político-partidárias vêm aí e você poderá adequadamente se manifestar.

  • Escreve muito bem arthur mulemberg! Fera demais!

  • É isso aí, vamos curtir a VIBE. Que venham Ponte, Chape e Emelec.

  • ??????

  • Sensacional comentário

  • O que desmanchei no ar foi o tomara que caia dessa danada !!

  • Verdade.

    Não importa se o adversário é de série b ou postulante a título, tem que jogar pra ganhar e passar o rodo em geral.

Comentários não são permitidos.