Rodrigo Mattos: “Cinco mudanças feitas por Barbieri que explicam a evolução do Flamengo”

Ao final da nona rodada, o Flamengo abriu quatro pontos na liderança do Brasileiro. É cedo para saber se o time vai se consolidar na ponta como indica o histórico do Brasileiro. Mas há jogos suficientes para constatar a evolução de um modo de jogar construído pelo técnico interino Maurício Barbieri. O jogo diante do Corinthians talvez tenha sido a melhor atuação coletiva rubro-negra neste ano.

Primeiro, lembremos que os primeiros jogos sob Barbieri não foram promissores. O time se classificou na Libertadores e Copa do Brasil, mas capengava. Faltava jogo coletivo, jogadores isolados uns dos outros, e mesmo uma composição defensiva mais ordenada.

Não por acaso a diretoria do Flamengo chegou a tentar Renato Gaúcho e Abel Braga. Passados alguns jogos, no entanto, o trabalho de Barbieri já mostrou sua cara, principalmente no Brasileiro. O sistema é o mesmo do antecessor Carpegiani com um volante, 4-1-4-1, mas a execução torna a equipe bem diferente. Vamos às principais mudanças.

Posicionamento dos meias

A partir do jogo com o Ceará, Barbieri ajustou a posição de seus meias, com um recuo de Paquetá para atuar de segundo volante e avanço de Diego. A bola passou a sair com mais velocidade nos pés do jovem meio-campista que também tem ido bem no combate. Diego, por sua vez, cresceu atuando mais próximo à área, onde é mais decisivo. Everton se consolida como armador pela direita. Nada disso é fixo, os jogadores rodam bastante, especialmente Paquetá que, como vem de trás, muitas vezes aparece mais livre.

Marcação à frente com pressão na perda de bola

Em casa, o Flamengo tem jogado com uma marcação adiantada. Isso até era praticado com Carpegiani, mas a diferença é que agora a pressão é exercida em bloco, dificultando as opções de passe adversárias. Quando perde a bola, o time também prioriza a retomada rápida no campo de ataque, como faz muito bem o Grêmio. O time de Renato ainda é bem superior neste quesito, e sofre menos com contra-ataques do que o rubro-negro. O time carioca tem melhorado aos poucos neste item.

Coordenação nas duas laterais

As parcerias nas laterais do Flamengo têm funcionado bem com Everton e Rodinei de um lado, e Vinicius Jr e Renê, do outro. A armação do time tenta encaixar um jogador de mais velocidade (Rodinei e Vinicius Jr) com outro que o apoie na triangulação. Esse novo posicionamento melhorou os rendimentos dos laterais que vinham mal no ano. Sem ir ao fundo, Renê cresceu como defensor e avançando pelo meio, pois não tem muita velocidade na ponta. Uma saída de Vinicius Jr. prejudicará bem este sistema, pois é o jogador que se destaca no um contra um.

Zaga mais rápida

O modelo de jogo do Flamengo necessita de zagueiros rápidos para cobrir espaços deixados pelo meio-campo e laterais. Neste cenário, as contusões de Juan e Rever acabaram proporcionando uma nova zaga com Léo Duarte e Rhodolfo que é mais veloz. O zagueiro vindo da base vive uma fase especialmente boa, tendo acumulado algumas boas atuações.

Redução dos cruzamentos na área

Um problema recorrente no Flamengo, nas gestões de Zé Ricardo, Rueda e Carpegiani, era o excesso de cruzamentos na área pelo alto, meio sem objetivo. Era também fruto de pegar o time adversário armado, e de o rubro-negro ser mais previsível por se movimentar pouco. Como a bola agora em geral sai pelo chão, e não há Guerrero para fazer pivô, o time carioca agora tenta jogadas de triangulação. Ou sai em velocidade no contra-ataque para pegar o rival desarmado, ou gira a bola bastante até achar espaço.

Reprodução: Rodrigo Mattos/UOL

Veja também

  • 4 anos seguidos eliminado na fase de grupos… dai digamos que o Fla passa pelo cruzeiro e é eliminado pelo Boca na Argentina. O Fla tem que lutar pra vencer sempre, mas perde para o Boca na Argentina eu não acho um resultado absurdo. Pra mim tem que ser tudo bem analisado em questão do desempenho do Barbieri e do time. A questão é que realmente essa gestão é 10 nas finanças e administração do patrimonio, mas muito fraca (um 3 de nota) quando se trata de futebol. Fla tem que aproveitar muito essa parada da copa pra descansar um pouco, repor algumas peça e trabalhar ainda mais a base. Testa o Lincoln no time titular ou variações com ele entrando durante o jogos; Observa o Vitor Gabriel nos treinos; Thiago Santos voltou, testa ele no lugar do Vinicius. Paqueta pode sair tbm, observa um time com o Jean Lucas no lugar. Trabalha o fortalecimento dele igual trabalhou o do VJr. Hoje o Fla necessita de atacantes na qual ele possa mexer e jogar de duas maneiras.
    O principal problema hoje pra resolver é o centro avante. Dourado não dá mais, destoa diante do restante do time. Fla precisa de um cara com um minimo de qualidade pra saber tocar numa bola. Realmente a bola não chega pra ele, mas quando chega o cara não aproveita. E quanto mais ele tenta ajudar recuando… pior fica. Ta igual merda, se mexer fede ainda mais.

  • Pegou o time arrumado por Carpegiani e só mudou o posicionamento do Paquetá. Vinícius Jr substituiu o ídolo de alguns Éverton bip-bip.
    Muita calma nessa hora.
    O cara se mostra bom treinador, mas tem que passar por provas de fogo. A Copa do Brasil e a Libertadores serão seu laboratório. Se ficar no caminho manda vazar pra não incorrer na mesma imbecilidade que fizeram mantendo o péssimo Zé ruela Ricardo.

    • Por você, pelo jeito, o Fla já deveria ter dispensado o Leo Duarte, o ER, o Diego, o Diego Alves, etc, pois na primeira falha já nao servem mais… O Fla perdeu UMA partida com o time principal no ano e nego ainda vem reclamar e dizer que se perder tem que mandar embora. Depois reclama que não tem sequencia. Pela primeira vez em anos, o Fla mostra consistência defensiva, ofensiva, jogadas ensaiadas, transição, etc. Tem o melhor ataque e só nao tem a melhor defesa porque levou 3 da Chape num jogo atípico, com time reserva – e com pênalti inexistente. Todo mundo elogiando.
      Precisamos sim nos reforçar, substituir os que saíram e os que venham a sair no meio do ano…
      Mas o Fla precisa aprender a ganhar dinheiro com as saídas dos que não são prata da casa, como foi o caso do Everton… Casos de Arão e Rômulo, eventualmente… E a propósito, com exceção do Santos, por necessidade financeira, nao vejo nenhum outro time usando a base como o Fla. SRN

  • melhorou sim. vamos mengão

  • Engraçado falar dos zagueiros, pois eles só saíram do time porque se contundiram senão tavam aí até agora.

    O número de cruzamentos continua alto e continuam errando a maioria deles, só pegar a estatística do jogo de ontem.

    A marcação melhorou sobretudo nas laterais, porém Rodnei deu uma queda enquanto Renê vem subindo de produção. No meio não podemos ficar sem Cuellar e Jonas pode se tornar um 12° jogador.

    No ataque, a característica dos jogadores de frente(ER e Vinicius) é que proporciona a bola mais no chão e tabelas, muito habilidosos e com visão de jogo. Coisa que não acontecia antes por causa dos pontas burros(Éverton, Geuvânio) que só sabiam correr com a bola sem levantar a cabeça.

    Barbieri ainda tem muito que aprender principalmente nas substituições, não precisa esperar até mais da metade do segundo tempo pra fazer alterações óbvias.

  • Só acho que não deve ser efetivado ainda. Parece melhor que o eterno estagiário da panela. Por isso pode cair na armadilha da acomodação. Devido a estabilidade.

  • por aí mesmo, léo duarte ou thuler precisam seguir de titulares, deram outra dinâmica para zaga

  • Coé Dourado sem kaô nmrl, botar o Jobim da rua aq ele honra mais o manto do que vc. Agora papo reto sem neurose, sem kaô, compra um lateral que preste. Mengão tem estilo ofensivo, DNA do Zico.

  • Triste é ver esse Dourado em campo envergando o manto sagrado. O cara faz a torcida sentir falta de Josiel – esse Dourado é um bonde…

  • Já tinha dito isso antes que o Diego estava fora de posição. Quando ele chegou jogava com mais liberdade na frente e Arão e MA que tinham mais funções defensivas. Pra encaixar o 4-1-4-1 o Carpegiani recuou o Diego pra segundo volante praticamente e com isso ele vinha buscar a bola na intermediária de defesa.

  • Critiquei não nego,agora venho reconhecendo que o cara está trabalhando bem,mais vou manter meus pés no chão,sem me iludir,pois ainda tem muita coisa pela frente!!

  • O time está muito interessante, faltando apenas o 9 encaixar nesse esquema.

    • neste esquema nem seria 9, mas um falso 9…paquetá poderia jogar ali, só precisa de outro cara para ajudar o cuellar com mesma qualidade

      • Desfazer um ponto que está funcionando para tentar arrumar outro é temerário, cara. Deixemos o Paquetá onde ele está. Não vale a pena arriscar isso. Além do mais, quem substituiria o Paquetá à altura?

        • Jean Lucas

          • Sério ? Já viu o Jean Lucas dar um drible ?

      • Concordo com a necessidade de um falso 9. Atacantes “pesados” não caem bem nesse esquema, precisamos de um atacante veloz e finalizador que consiga atuar no centro do ataque, participar das triangulações do time, se posicionar entre a linha de zagueiros e sem a bola ajudar na marcação. Quanto ao meio campo eu não mexeria… Porém já pensaria nas provaveis saídas de Paquetá, Vini e Cuellar, acho que o Flamengo deve perder esses três jogadores a qualquer momento. E precisa ir preparando substitutos para que não sofra tanto no ano que vem.

        • esse falso 9 pode ser o berrio, q volta agora……sei nao hein?

          • Ou trabalhar o Marlos nessa posiçao…

    • Esse 9 já está no elenco, mas está um pouco “verde”… É o Lincoln!!!
      Pra 2019 essa 9 será dele!!!

  • Barbieri tem segurado as pontas até agora, mas vamos ver como ele vai se sair ao comandar o time na Copa do Brasil e Libertadores, simultaneamente com o Brasileiro. Teremos adversários complicados..

    • Agosto, mês do cachorro louco…. Tem de tudo, se passar por agosto vai até o mundial..

      • O planejamento do Flamengo deve-se ser baseado na ocorrência destes tipos de jogos, pra poder bater de frente com todo mundo nas 3 competições

Comentários não são permitidos.