GE: “Fla precisa de apenas 15 minutos de bom futebol para ter jogo na mão, mas abusa dos erros e sofre castigo merecido em BH”

FOTO: REPRODUÇÃO/TV GLOBO

Quinze minutos de bom futebol, uma sucessão de erros, e mais um tropeço de um time que insiste em atrapalhar a si mesmo.

O Flamengo que entrou em campo no Independência na tarde de domingo tanto fez, tanto “insistiu“, que conseguiu ser castigado com o empate por 2 a 2 que o impediu de assumir a vice-liderança e permitiu que o São Paulo abrisse quatro pontos no topo do Brasileirão.


Compre capinhas oficiais do Mengão para seu celular. São diversos modelos para você escolher o que mais combina contigo. CLIQUE AQUI para conferir!


Não foram poucos os erros individuais e coletivos do Rubro-Negro no Horto. Marcação baixa e falta de criatividade no primeiro tempo; preciosismo nas finalizações, substituições contestáveis e desatenção no segundo. E, apesar de tudo isso, bastaram 15 minutos para que a vitória estivesse nas mãos. Daí, o erro crucial: a falta precipitada que resultou na expulsão de Cuéllar, aos 19 da etapa final:

Fez uma escolha errada naquele momento. Não precisava. A bola estava indo na diagonal. Poderia ter deixado o adversário passar e pegar o atalho para confrontá-lo mais na frente – resumiu o ídolo Júnior, comentarista da TV Globo.

O cartão vermelho (terceiro do colombiano no Brasileirão) desencadeou uma série de tomadas de decisões que permitiu que o América-MG retomasse as rédeas da partida até contar com a sorte da cobrança de falta de Marquinhos tocar na trave e sobrar para Gerson Magrão escorar para o gol vazio. Sorte e justiça para um time que, apesar das limitações, foi muito mais regular durante os 90 minutos.

O Flamengo voltou a mostrar no Independência a inconstância que virou marca no tão falado mês de agosto. A troca de passes envolvente da partida contra o Vitória deu lugar a um time de marcação baixa, até certo ponto preguiçoso, que dava muitos espaços para o Coelho no campo de ataque.

Estatísticas: América-MG x Flamengo

  • Posse de bola: 48% x 52%
  • Finalizações: 12 x 12
  • Chances reais: 6 x 6
  • Passes errados: 25 x 23
  • Passes certos: 330 x 339
  • Faltas cometidas: 10 x 9

Nos dez primeiros minutos, o goleiro João Ricardo sequer foi testado e passou a maior parte do tempo como na foto abaixo, fora da área, observando sua equipe trocar passes. Quando se aventurou ao ataque, o Flamengo não precisou inventar muito para abrir o placar. As jogadas invariavelmente caíam para o lado esquerdo, e foi dali que surgiu o primeiro gol.

Renê cruzou na cabeça de Everton Ribeiro, que mergulhou para fazer um 1 a 0 até certo ponto injusto. Refém de bolas alçadas na área, o Flamengo não repetia a intensidade da etapa inicial do meio de semana e não só não tinha a bola como permitia que o América-MG trocasse passes com liberdade. Não demorou muito para pagar a conta.

A vantagem durou somente oito minutos, até Wesley receber com toda liberdade para dominar, levantar a cabeça e encontrar Rafael Moura nas costas de Léo Duarte. Finalização simples e certeira do He-Man, maior carrasco rubro-negro no Século, com 11 gols por seis clubes.

Ficou de bom tamanho para um primeiro tempo equilibrado em posse de bola (53% x 47% para o Fla), finalizações (5 x 5) e passes errados (13 x 12 para os cariocas).

Na volta do intervalo, os tais 15 minutos de bom futebol, que indicavam um domínio tranquilo do Flamengo até a expulsão de Cuéllar. Em um 4-1-4-1 cada vez mais bem definido, Diego, Everton Ribeiro, Paquetá e Vitinho passaram a se aproximar e se procurar com mais objetividade.

Logo no primeiro minuto, Diego serviu Everton, que tocou para Vitinho, que tabelou com Paquetá até ser desarmado dentro da área. O Flamengo acordava.

Muito recuado, Diego chegou a dar opção a Diego Alves na saída de bola e demonstrava fôlego para ligar defesa e ataque. Disparado o melhor rubro-negro em campo, Everton Ribeiro não se privava das jogadas individuais pela direita e foi premiado com linda assistência para Paquetá, aos 15: 2 a 1.

O espaçado Flamengo do primeiro tempo viu na aproximação a solução para dominar a partida. Se aproximou tanto, que deu campo na defesa. Foi quando Cuéllar não soube enxergar o “atalho” dito por Júnior, segurou Robinho e foi expulso.

Maurício Barbieri começou a fechar o time. Trocou Dourado por Piris da Motta, Vitinho por Arão, e o América se mandou ao ataque. Everton Ribeiro e Paquetá ainda criaram boas chances, mas o camisa 11 pecou pelo preciosismo na hora de finalizar. Foi quando entrou em cena o “filosofo” Muricy Ramalho: “A bola pune“.

Se o Flamengo dava brechas, o América-MG ia para o tudo ou nada. Barbieri trocou ainda Diego (que fez grande partida na marcação e distribuição na saída de bola) por Rhodolfo e foi castigado três minutos depois.

Léo Duarte fez falta boba em Robinho, Marquinhos acertou cobrança improvável na trave, e Gerson Magrão escorou sozinho para o gol vazio. Nem com dois volantes e três zagueiros em campo o Flamengo impediu que a lei do ex prevalecesse no empate: 2 a 2.

Resultado ruim, mas não injusto para um time que não precisou fazer muito para tomar as rédeas do jogo (15 minutos de bom futebol e tudo parecia sob controle), mas abusou dos vacilos. Só 1/6 do tempo é muito pouco para garantir os três pontos e não adianta buscar culpado.

Seja pelo recuo excessivo no primeiro tempo, pela expulsão infantil de Cuéllar, pelas cavadinhas repetitivas de Paquetá ou pelas substituições que não deram certo de Barbieri, o Flamengo não mereceu vencer no Horto. Que sirva de lição.

Se há o clichê de que pontos corridos é campeonato de regularidade, o Flamengo rodada sim, rodada não, deixa claro o motivo que o tirou da liderança. Faltando 17 jogos, é preciso aprender a matar os adversários. E no Independência só 15 minutinhos pareciam ser suficientes. Pareciam.

Reprodução: Globoesporte.com

Veja também

  • Vergonha vê esse time jogar. Não tem alma rubro negra.

Comentários não são permitidos.