MP marca reunião com o Flamengo para discutir avanços e melhorias na estrutura do Ninho

O Flamengo conseguiu a liberação de maneira parcial do Ninho do Urubu para as categorias de base na última terça feira (16). Em paralelo ao caso de realocação dos jovens, o Ministério Público do Trabalho do Rio de Janeiro marcou uma reunião com o Rubro-Negro para a próxima semana, com o objetivo de discutir os avanços e melhorias na estrutura do CT. A informação foi dada inicialmente pelo GloboEsporte.com.

Ainda segundo a matéria publicada no veículo, o MPT pretende propor parâmetros a serem colocados em novo Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) para resolver a situação do Ninho. O caso do Fla, inclusive, foi tema do seminário “Entrando em campo com as categorias de base do futebol na cidade do Rio de Janeiro“, na sede do Tribunal Regional do Trabalho, no centro do Rio. A proposta era mostrar os diversos problemas de funcionamentos nas instalações para as categorias de base dentre os clubes brasileiros.

Presente no debate, a procuradora do Trabalho Daniela Cramer apontou que a audiência pública realizada na semana passada, em Brasília, “desviou o foco” da discussão da Câmara dos Deputados. Sem questionar o representante do clube na sessão, o dirigente Bruno Spindel, Daniela Cramer fez referência à foto tirada pelo diretor geral de marketing, Aleksander Santos, junto aos deputados Fabio Reis (MDB-SE) e Helio Lopes (PSL-RJ), em que ambos foram presenteados com uma camisa do Fla.

– O que se viu lá nessa audiência pública, destinada originalmente a discutir o caso do Flamengo, as causas e os caminhos para se evitar novos acidentes como esse, foi tietagem explícita ao clube. Os deputados flamenguistas ganhando camisa autografada do time e elogiando o Flamengo. Transformando o clube em vítima dessa tragédia. Era oportunidade extremamente rica que foi jogada fora por esse desvio de foco -, lamentou a procuradora.

(Foto: Carla Araújo / Coluna do Fla)

Veja também

  • Esse ministério público quer é Ibope. Querem ficar famosos.

    • Ou querem outra coisa, bem mais “valiosa”.

Comentários não são permitidos.