CPF na nota? Bruno Henrique decide, e Flamengo bate o Vasco em São Januário

FOTO: MARCELO CORTES/FLAMENGO

Por: Paula Mattos

Flamengo e Vasco entraram em campo neste sábado (10), em partida válida pela décima quinta rodada do Campeonato Brasileiro. O confronto foi disputado em São Januário, às 17h (horário de Brasília), e o Mais Querido buscava uma vitória para garantir mais três pontos na tabela de classificação.

Com a ausência de alguns titulares devido às convocações para as seleções, o Flamengo, com Domènec Torrent entrou em campo com Hugo (Neneca), Matheuzinho, Gustavo Henrique, Léo Pereira e Filipe Luís; Thiago Maia, Arão, Diego e Gerson; Bruno Henrique e Pedro.

O primeiro tempo foi de um Flamengo com mais posse de bola, no entanto, muito lento, sem movimentação e criação de jogadas. Em um erro de Bruno Henrique e, também, da defesa rubro-negra, o Vasco aproveitou a oportunidade para balançar as redes e abrir o marcador. Fim da primeira etapa com Flamengo 0 x 1 Vasco. No segundo tempo, o Flamengo voltou melhor, conseguiu criar jogadas e virou o placar, mas deixou o Cruzmaltino empatar aos 40. No entanto, o gol foi anulado e o Mengão garantiu a invencibilidade no confronto. Fim de papo em São Januário: Mengo 2 x 1 Vasco.


Saiba como se dar bem duplamente com vitórias do Flamengo!


O JOGO

O primeiro tempo começou com as duas equipes buscando o jogando e, logo aos quatro minutos, o Flamengo teve uma boa chance com Gerson, que invadiu a área, driblou todo mundo e, na hora do chute foi travado.

Aos nove minutos, com erro de passe de Bruno Henrique, que deu uma verdadeira assistência para Cayo Tenório, que tocou para Talles Magno balançar as redes e abrir o placar em São Januário. Gol do Cruzmaltino.

Como vem acontecendo com certa frequência, o Flamengo não iniciou bem o primeiro tempo. Os jogadores tentavam atacar, mas tinham pouca mobilidade e paravam na marcação do Vasco, não conseguindo criar jogadas.

Aos 31 minutos, o Vasco teve uma falta da intermediária e uma boa chance de ampliar o marcador. Neneca deu um leve toque na bola e conseguiu evitar o segundo gol adversário. No lance seguinte, o Flamengo tentou responder com Diego, que chutou de longe, mas a bola parou nas mãos de Fernando Miguel.

Nos minutos finais de um Flamengo lento e sem criação, o Mais Querido teve uma boa chance com Diego, de falta, mas a bola desviou na barreira. Fim da primeira etapa: Flamengo 0 x 1 Vasco.

Os dois times voltaram para o segundo tempo sem alterações e, logo aos dois minutos, o Flamengo deixou tudo igual no marcador. Diego cobrou pênalti e Léo Pereira, de cabeça, empatou. Mengo 1 x 1 Vasco.

Aos 13, o Flamengo teve uma excelente chance de ampliar. Diego recebeu de Gerson e cruzou para Pedro, que foi antecipado pelo adversário e não conseguiu chutar, deixando a bola nas mãos de Fernando Miguel.

Logo depois, o Vasco conseguiu chegar e, sozinho, Carlinhos chutou para o gol. German Cano, que estava na jogada, deu uma de zagueiro e salvou o Mais Querido.

Aos 22, primeira alteração de Domènec Torrent: saiu Diego para a entrada de Michael. Na jogada seguinte, o Rei dos Clássicos ampliou o marcador. Thiago Maia deu uma assistência ABSURDA, Bruno Henrique ganhou de Fernando Miguel e chutou. A bola beijou a trave e entrou. Mengo 2 x 1 Vasco.

Na segunda etapa, o Flamengo foi mais consistente, conseguiu ajustar os passes, fez a bola circular mais rápido e pressionou o adversário, que praticamente só se defendeu.

Nos minutos finais, o Mais Querido precisava apenas administrar a vantagem do placar e garantir mais três pontos na tabela, mas deixou o Vasco chegar e, aos 40, viu o Cruzmaltino empatar. Todavia, o gol foi anulado por impedimento e garantiu a invencibilidade rubro-negra.

Aos 45, Vitinho entrou no lugar de Gerson, fez duas faltas e tomou cartão amarelo. Sem mais surpresas, fim de papo em São Januário: Mengo 2 x 1 Vasco.

 

Veja também

Participe da conversa

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • Quer encontrar uma mulher para uma noite? Bem – vindo ao — S︆︆e︆︆xc︆︆o︆︆n︆︆t︆︆.︆︆C︆︆o︆︆m