Com permanência no Flamengo acertada, Bernadinho explica ideia de se dividir com trabalho na França

FOTO: PAULA REIS/FLAMENGO

Uma notícia nesta segunda (12), pegou muitos amantes do vôlei Rubro-Negro de surpresa: o técnico Bernardinho havia acertado para comandar a seleção masculina da França. Envolvido com o projeto Sesc Flamengo, o treinador vai se dividir entre Rio de Janeiro e Paris. Ele falou sobre o desafio em entrevista.


Saiba como se dar bem duplamente com vitórias do Flamengo!


Vou passar alguns meses na França, muitos meses aqui no Brasil. Essa é a minha terra, esse é o meu país, a minha família vai estar sempre aqui.

Eu nunca havia pensado na possibilidade de sair do Brasil. O desafio, que é algo que sempre me moveu, a vontade de sair dessa zona de conforto, de poder evoluir, crescer, aprender um pouco mais. E retornar, daqui a três anos e pouco, para o meu país, para as cores que eu sempre defendi. Mas, nesse momento, eu penso que é um momento de aprendizado, realmente de evolução, certamente de muito desconforto. Não vai ser fácil encarar o projeto e é o que eu estava sentindo muita falta —, disse em entrevista ao GE.

Bernardinho tem o desafio de levar a França ao ouro nas Olímpiadas de 2024. Nesse meio tempo, irá tocar o projeto Sesc Flamengo. As conversas para renovação do vínculo atual estão avançadas e deve ter um desfecho positivo a qualquer momento. O técnico é peça fundamental do planejamento que vem sendo traçado.

Um dos maiores treinadores brasileiros da história, Bernardinho comandou a equipe masculina do seu país em 2001, às vésperas da Liga Mundial daquele ano – da qual sairia campeão. Estreou no dia 4 de maio, contra a Noruega, em amistoso disputado em Portugal, como parte da preparação para o torneio. Em 15 anos, somou mais de 30 conquistas à frente da equipe. Foram dois ouros olímpicos (2004 e 2016), duas pratas (2008 e 2012) e três títulos mundiais (2002, 2006 e 2010), além de oito Ligas Mundiais. Antes, com a seleção feminina, conquistou dois bronzes olímpicos, nos Jogos de Atlanta, em 1996, e de Sydney, em 2000. Foram seis medalhas olímpicas em sequência.

Veja também

Participe da conversa

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *