Flamengo mantém parceria com Amazon e divulga nova produção da plataforma

FOTO: REPRODUÇÃO

No mês passado, o Flamengo fechou uma parceria com a Amazon Prime Video, especificamente para a Supercopa do Brasil. Na ocasião, a empresa estampou sua marca nas costas do uniforme rubro-negro, que estava sem patrocínio fixo. No entanto, ainda que o acordo entre as partes tenha sido pontual, parece que o namoro ainda não foi finalizado.

Mesmo após anunciar o patrocínio com o Mercado Livre, e-commerce que assumiu as costas do uniforme, o Flamengo, nesta sexta-feira (30), através das redes sociais, divulgou a nova produção da Amazon Prime Video, e mostrou que a parceria entre as partes está vivíssima, diferente do que era imaginado pela torcida.

“Alô, Nação Rubro-Negra! Que eu gosto de uma ação vocês já sabem, né?! Pra aumentar as expectativas geral fica ligado no novo lançamento imperdível do Prime Video Br. Sem Remorso, estrelando o Michael B Jordan. Bora já dar o play! #FlamazonPrimeVideo”.


Aproveite a boa fase do Flamengo para lucrar!


Sem Remorso é a nova produção da plataforma, e já está disponível para assinantes. O roteiro, que aborda a Guerra Fria, mostra a oposição entre EUA e Russia, em uma trama que pode ocasionar a Terceira Guerra Mundial. Repleto de ação, reação, vingança e reviravolta, a obra conta a história de John Kelly, e poderá concorrer a uma das melhores produções do gênero no ano.

Veja também

Participe da conversa

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • Para os próximos anos, o Flamengo poderá usar a plataforma de streaming da Amazon para mostrar seus jogos via Flatv. Quem conhece o sucesso de iniciativas como a Benfica TV, que mostra os jogos dos encarnados portugueses nas competições de Portugal, consegue vislumbrar como o Mais Querido pode crescer nos próximos anos e, finalmente, ter dinheiro para manter seus craques no elenco, como Arrascaeta, Gérson, Pedro e Gabigol. No ramo do futebol profissional dos clubes gigantes, como o Mengão, não há o espaço para o saudosismo ao acreditar que o modelo antigo de negócios em que uma em conglomerado de comunicação monopolista detém a exclusividade dos direitos de transmissão de um campeonato e paga o quanto ela quer aos clubes, como acontecia no Cariocão até 2019.