“Pedro é excepcional, mas o Fla funciona melhor com Gabigol”, opina jornalista

FOTO: ALEXANDRE VIDAL/ FLAMENGO

Desde que o Flamengo se reforçou no setor ofensivo, em 2020, há um debate sobre o apelo pela titularidade de Pedro. O grande questionamento é como fazê-lo funcionar ao lado de Gabigol – e que ainda não parece fazer parte dos planos de Ceni. Para o jornalista Rodrigo Mattos, o esquema Rubro-Negro faz com que o camisa 21 seja necessário apenas em situações específicas.

A solução para o Pedro é fazer terapia porque ele vai ter que entender que ele é um jogador excepcional, talvez o melhor centroavante brasileiro, depois do Gabigol, mas ele vai ter que aceitar que não é o jogador principal do Flamengo. O Flamengo funciona melhor com o Gabigol, o Pedro serve para circunstâncias específicas. A lógica do time é melhor com Gabigol, que é menos fixo.


Aproveite a boa fase do Flamengo para lucrar!


O Pedro tem feito gols muito bonitos, como nessas duas últimas semanas. Acho que ele vai ter muita oportunidade de jogar, o Flamengo vai precisar muito dele e foi uma contratação muito acertada, vale o que foi pago. É jovem, ainda vai ter possibilidades além. Me parece, visto de fora, que ele tem aceitado bem a situação.

Entre Libertadores e Campeonato Carioca, Pedro foi utilizado em sete partidas nesta temporada. Ao todo, esteve em campo por 354 minutos e marcou sete gols. Seu companheiro de posição, Gabigol, participou de nove jogos e manteve a média de um tento por jogo – cinco no torneio continental, três no Estadual e um pela Supercopa.

Pedro, por sua vez, marcou seis vezes no Campeonato Carioca e uma na Libertadores da América, foi o responsável pelo quarto tento na goleada por 4 a 1 sobre o Unión La Calera, no Maracanã. O camisa 21 deve ir a campo no próximo sábado (08), pela decisão da semifinal do Estadual, contra o Volta Redonda, às 21h05 (horário de Brasília).

Veja também

Participe da conversa

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • Discordo. O Pedro se encaixaria com perfeição em um 4-4-2 tradicional, com ele fixo (segurando os zagueiros) e um segundo-atacante mais solto para lhe fazer companhia. O problema é que “convencionaram” de que o Flamengo só funciona com este esquema atual, no qual privilegia o Gabigol…