CPF na nota? Flamengo domina o Corinthians na Neo Química Arena, vence fácil e sobe no Brasileirão

FOTO: ALEXANDRE VIDAL/FLAMENGO

Por: Paula Mattos

Flamengo e Corinthians entraram em campo na tarde deste domingo (01), às 16h (horário de Brasília), na Neo Química Arena, em jogo válido pela 14ª rodada do Campeonato Brasileiro. Com apenas uma baixa no time principal, a ausência de Rodrigo Caio, o Mengo foi com força máxima para o confronto. Sem tomar conhecimento do adversário, o Mengo deu um baile em São Paulo e venceu o Alvinegro por 3 a 1.

 O JOGO:

O jogo começou quente e o Flamengo não precisou de muito tempo para abrir o marcador na Neo Quimica Arena. Após roubada de bola de Willian Arão, Everton Ribeiro mandou uma bomba de fora da área e estufou as redes do goleiro Cássio logo aos seis minutos. GOLAÇO! Mengo 1 a 0. 

Os primeiros 15 minutos foram de um Flamengo extremamente dominante, que teve sua atuação muito elevada pelo bom estado do gramado da Neo Quimica Arena, um dos melhores do Brasil. Aos 17, quase o segundo. Bruno Henrique encontrou Arrascaeta, que invadiu a área e chutou no cantinho do gol de Cássio, mas o arqueiro estava atento e fez a defesa.

Na jogada seguinte, o Flamengo perdeu um gol incrível. Em erro de saída de bola, Gabigol deixou Arrascaeta na cara do gol, o camisa 14 driblou o goleiro Cássio e tentou cruzar. Gabigol bateu pro gol, mas a bola explodiu na defesa! Que chance!! Sem diminuir o ritmo, o Mais Querido conseguia criar as jogadas, mas perdia muitos gols.

Aos 37, Bruno Henrique recebeu de Gabigol, matou no peito e soltou o pé, mas viu a bola explodir no travessão. Sem tomar conhecimento do adversário, o Rubro-Negro passeava na Neo Quimica Arena, e ampliou o placar aos 39. Arrascaeta cruzou na pequena área, Gustavo Henrique subiu para cabecear e mandar pro fundo do gol. Mengo 2 a 0. 

A primeira etapa foi marcada por uma disparidade incrível de atuações, e os jogadores do Corinthians estavam perdidos em campo, assistindo o show do time de Renato Gaúcho, que fez mais um gol antes do intervalo. Aos 43, Gabigol cruzou na medida para Bruno Henrique, que subiu sozinho para ampliar o placar. Mengo 3 a 0.

O massacre do Flamengo sobre o Corinthians foi traduzido também nas estatísticas. O Mais Querido teve 65% de posse de bola, acertou 325 passes, finalizou em 12 oportunidades e teve quatro escanteios.


Qual será a próxima vítima do Flamengo? Saiba como lucrar com previsões esportivas!


O Flamengo voltou do intervalo sem alterações, e logo aos três minutos, voltou a estufar as redes do Corinthians. Dentro da área, Everton Ribeiro cruzou para Bruno Henrique, que mandou pro fundo do gol, mas a bola explodiu no braço do camisa 27 e o tento foi anulado pela arbitragem.

Assim como no primeiro tempo, os 45 minutos finais foram de ampla superioridade do Flamengo, que massacrava o Corinthians dentro da Neo Quimica. O adversário não oferecia nenhum tipo de perigo ao Mais Querido, que tinha tranquilidade para buscar ampliar o placar. Mesmo com 3 a 0 a favor, o Rubro-Negro não tirou o pé do acelerador, e continuou tentando aumentar a vantagem.

Empilhando chances, aos 17, Filipe Luís recebeu dentro da área e chutou na trave, mas a arbitragem assinalou impedimento. No lance seguinte, o Flamengo cobrou escanteio e, no rebote, Gabigol tentou marcar o dele, mas parou na defesa de Cássio.

Aos 28, substituição tripla no Flamengo. Renato Gaúcho tirou Arrascaeta, Everton Ribeiro e Bruno Henrique para as entradas de Vitinho, Michael e Pedro. Com o placar garantido, o Mengo diminuiu um pouco o ritmo, mas continuou sendo amplamente superior ao rival. Aos 36, Renato fez mais duas alterações: tirou Gustavo Henrique e Isla para as entradas de Bruno Viana e Matheuzinho.

Aos 43, o Corinthians diminuiu a diferença. Vitinho bateu de fora da área, a bola desviou na cabeça de Leo Pereira e matou Diego Alves, que nada pôde fazer. Nos acréscimos, Vital mandou uma bomba rumo à meta de Diego Alves e quase marcou o segundo do time paulista. Sem mais surpresas, fim de papo na Neo Quimica Arena. Mengo 3 a 1 Corinthians.

Veja também