“Não há mais espaço para isso e não nos calarão”: Gabriel Batista se manifesta contra atos racistas em jogo contra Olimpia

FOTO: ALEXANDRE VIDAL / FLAMENGO

O Flamengo goleou o Olimpia por 4 a 1, fora de casa, na última quarta-feira (11), mas a noite de Libertadores, lamentavelmente, acabou manchada por injúria racial da torcida paraguaia. O goleiro reserva Gabriel Batista foi um dos atletas rubro-negros que relataram gritos de “macaco” vindos da arquibancada. Após a partida, o garoto desabafou nas redes sociais e condenou os atos racistas.

“Infelizmente alguns ignorantes da torcida adversária foram racistas comigo e com meus colegas. Pleno 2021 e ainda somos obrigados a passar por isso. É inacreditável e lamentável que ainda exista esse tipo de postura e pessoas ruins e fracas de espírito. Não há mais espaço para isso e não nos calarão”, escreveu Gabriel Batista em sua conta do Instagram.



Saiba como se dar bem duplamente com vitórias do Flamengo!


O goleiro não foi o único a se pronunciar sobre o caso após a partida. Em entrevista no desembarque no Rio de Janeiro, o craque do jogo, Gabigol, também relatou ofensas racistas da torcida do Olimpia: “Eu sofri também. Depois do jogo, tive que dar coletiva, atravessei o campo e discuti com o cara da Conmebol. Eles falaram que iam denunciar e não aconteceria mais. É muito ruim. Isso não existe mais. Ficamos tristes e não é a primeira vez. Aconteceram várias vezes comigo, com colegas e não gostamos”.

Além dos depoimentos, um vídeo que circulou nas redes sociais esclarece a situação. No momento de paralisação do jogo no primeiro tempo, a gravação de um torcedor na arquibancada flagra gritos de “macaco” direcionado para o goleiro do Flamengo, os quais podem ser escutados com bastante clareza.

VEJA O VÍDEO:

 

Veja também