Comentarista detona Renato Gaúcho após vexame na Copa do Brasil: “É frouxo, não sustenta a marra que tem”

Na noite da última quarta-feira (27), o Flamengo foi eliminado pelo Athletico-PR, em pleno Maracanã lotado, e deu adeus à Copa do Brasil. Para a torcida, um dos grandes responsáveis pelo péssimo resultado é o treinador Renato Gaúcho. Após a derrota, o comandante chegou a pedir demissão, ainda no vestiário, mas a diretoria do Mengo o convenceu a continuar. Comentarista do Coluna do Fla, Paula Mattos detonou o técnico, e afirmou que essas atitudes fazem dele um “frouxo”.

A torcida não é idiota. E o Renato, toda marra de durão que ele coloca, ele perdeu em um jogo que ele tomou pressão da torcida. Porque o Renato sentiu muito o golpe ontem. Tanto que colocou o cargo à disposição. A diretoria que não aceitou que ele fosse embora. No primeiro jogo em que ele tomou pressão, afinou. O Renato é frouxo, ele não sustenta a marra que tem -, garantiu, antes de completar:


Camisas do Flamengo, acessórios e muito mais: compre e ganhe brindes na melhor loja online do Mengão!


O que mais doeu no Renato foi a torcida gritar pro Jorge Jesus. Quando o Jesus estava aqui, o Renato cansou de falar que com time de R$200 milhões era fácil, que qualquer um fazia. E agora ele tem um time que custa mais do que isso e ele não consegue fazer nada. O time do Renato é um deserto, é uma bagunça – finalizou.

Eliminado da Copa do Brasil, resta ao Flamengo agora a final da Libertadores, que ocorre no dia 27 de novembro, e o Brasileirão. Neste último, inclusive, o Mengo entra em campo já no sábado (30), pela 29ª rodada da competição, para encarar o líder Atlético-MG, às 19h (horário de Brasília), no Maracanã.

VEJA A OPINIÃO COMPLETA:

Veja também

Participe da conversa

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • Já podemos começar a pensar em 2022. Esperança sempre temos. Torcer sempre. Mas é visível que os jogadores já não acreditam mais no trabalho dele. Dentro de campo é cada um por si, tentando resolver o jogo a seu modo, e se tornar o salvador de um time mal treinado e muito mal preparado física e psicologicamente. O individualismo ficou evidenciado nesses últimos jogos, não por egoísmo, mas por precipitação e decisões erradas.