Dirigente do Flamengo afirma não ter participado de escolha por Paulo Sousa

Bap se esquivou da responsabilidade de decisão e abordou o assunto publicamente

Na última semana, o Flamengo viveu uma verdadeira novela para a contratação do técnico. O Rubro-Negro nunca escondeu que a prioridade era Jorge Jesus. No entanto, sem possibilidade de acordo com Mister, o Fla seguiu a vida e acertou a vinda de Paulo Sousa. O presidente do Conselho de Administração, Luiz Eduardo Baptista, negou que tenha influenciado na decisão.

Saiba como se dar bem duplamente com vitórias do Flamengo!

Através de uma publicação na rede social, o dirigente rebateu as recentes notícias, e afirmou que a contratação do técnico foi conduzida apenas por quem estava em Portugal, ou seja, Marcos Braz e Bruno Spindel. Bap, inclusive, revela que aprovou apenas o ‘perfil’ dos candidatos.

“Sobre a contratação de nosso técnico, quero esclarecer que o processo de negociações foi conduzido por quem estava em Portugal tendo conversas pelo clube. Minha participação limitou-se à aprovação pelo Conselho do perfil dos candidatos. Qualquer coisa diferente disso é mentira“, escreveu no Twitter.

O desabafo de Bap acontece devido às informações divulgadas recentemente. Segundo o Correio Braziliense, o dirigente e o presidente Rodolfo Landim, mesmo do Brasil, deram ‘ultimato’ para que Braz e Spindel executassem logo a contratação de um treinador. Sendo assim, o Fla desiste de Jesus e acerta com Paulo Sousa.

Veja também

Participe da conversa

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • ESSE PALHAÇO DO BAP FOI O MESMO QUE PEDIU A CABEÇA DO JJ E NO FINAL DA LIBERTA TAVA PULANDO VAI SER A MESMA COISA O PAULO SOUSA VAI VIM SER CAMPEAO E ESSE RATO VAI TA LA PULANDO JUNTO COM AS VIUVAS DO JJ

  • Esse é um rato, foram reclamar no ouvido dele por causa do Jesus e já saiu tirando o dele da reta. A propósito, o Flamengo só trouxe o Dome por causa da guerra política do BAP com o Bráz, que cortou verbas pro treinador e influenciou no perfil de escolha. E depois só trouxe o Ceni porque era nome de consenso dos dois grupos, pra evitar novo conflito interno. No final das contas a decisão técnica ficou em segundo plano.