Flamengo é um dos clubes mais afetados por pirataria; prática causou R$ 2 bilhões de prejuízo ao futebol

Estudo do Fórum Nacional contra a Pirataria e Ilegalidade (FNCP) apontou perda bilionária com a comercialização de uniformes não-oficiais em 2020

A pirataria é uma prática mais do que normal no Brasil e no mundo, com inúmeros prejuízos causados pela comercialização não oficial de itens. Um dos principais exemplos está relacionado às camisas de futebol, visto que a falsificação gera prejuízo de R$ 2 bilhões aos clubes. No país, Flamengo é um dos maiores afetados.

Segundo o presidente do Fórum Nacional contra Pirataria e Ilegalidade (FNCP), Edson Vismona, os times carioca e paulista são donos dos itens mais vendidos entre clubes brasileiros. O mandatário da associação conversou com o UOL, e explicou um pouco sobre os prejuízos causados pela falsificação.

As camisas de times brasileiros mais vendidas são de Flamengo e Corinthians. As duas juntas somam 3,7 milhões de camisas no mercado mundial. O Bayern (ALE) vende sozinho 3,2 milhões. É evidente que nosso potencial de arrecadação com clubes é muito grande. Estamos falando de uma evasão de 40% a 50% de produtos falsos, que, portanto, que não geram arrecadação para os clubes. Há um potencial enorme de crescimento, de financiamento dos clubes via material esportivo”, disse Edson Vismona.


Camisas do Flamengo, acessórios e muito mais: compre e ganhe brindes na melhor loja online do Mengão!


O levantamento feito pelo Fórum Nacional contra Pirataria e Ilegalidade (FNCP) mostra que, quatro a cada dez camisas de futebol comercializadas são falsificadas. Em 2020, a prática ilegal gerou um prejuízo de 2 bilhões de reais aos cofres dos clubes – em âmbito mundial. O mandatário da associação também destrinchou a prática e dividiu a responsabilidade entre os “culpados”.

“O consumidor é movido pelo preço. Várias pesquisas perguntam: você compra produto pirata? 66% afirma que sim. E a segunda pergunta é: por quê? Porque é mais barato. E por que é mais barato? Porque não paga imposto. É uma sequência de culpados. O imposto é alto [chega a representar até 40% do custo na cadeia de produção], onera o fabricante, a indústria, e é embutido no preço. Fica caro”.

Veja também