Estrangeiros se impressionam com show da torcida do Flamengo: “Insano!”

No Twitter, espetáculo da torcida repercutiu em vários idiomas


O “inferno” proporcionado pela torcida do Flamengo na última quarta-feira (13) teve repercussão mundial. Páginas de outros países da América do Sul e até da Europa destacaram o show da Maior Torcida do Mundo nas redes sociais. O mosaico e as fumaças rubro-negras na entrada dos times em campo foram os principais destaques em comentários estrangeiros no Twitter, durante o jogo contra o Atlético-MG, na Copa do Brasil, pelas oitavas de final.


VEJA ALGUNS COMENTÁRIOS

Paraguai

“Bem-vindos ao inferno! Dizia um cartaz de um torcedor do Flamengo antes do jogo contra o Atlético-MG pela Copa do Brasil. Extraordinária a recepção dos torcedores do Mengão”.

https://twitter.com/pelota_tata/status/1547639285108465666?cxt=HHwWhICj1dzuqPoqAAAA

Argentina

“Jogam Flamengo e Atlético-MG e assim está o Maracanã. Loucura!”

https://twitter.com/sudanalytics_/status/1547394347573846017?cxt=HHwWgoCx6b29ufkqAAAA

 

Inglaterra

“Cenas insanas da torcida do Flamengo”

https://twitter.com/VBETnews/status/1547643871768719360?cxt=HHwWgMCt-dn5qvoqAAAA

 

Espanha

“Copa do Brasil, Flamengo x Atlético-MG, partida de volta. Na ida, venceu o Mineiro por 2 a 1. A torcida do Flamengo prepara isso. Resultado final, 2 a 0, e se classificam para a fase seguinte. Que barbaridade f…!”

https://twitter.com/SweetDreamsdnc/status/1547623705664032773?cxt=HHwWisCg4fDjofoqAAAA

 

O clima infernal foi provocado por Gabigol, no fim da partida de ida, no Mineirão, quando o Flamengo perdeu por 2 a 1. Em entrevista após o encerramento do jogo, o camisa 9 disse que o Maracanã estaria um inferno na revanche. A torcida comprou a briga do artilheiro e transformou o Maior do Mundo em um cenário pouco visto na história do futebol. Com a classificação, o ídolo rubro-negro repetiu um gesto muito famoso em anos anteriores: levantou a plaquinha. Dessa vez, mudança nos dizeres: saiu o famoso “hoje tem gol do Gabigol” e veio à tona o “bem-vindo ao inferno”.

— Estou muito feliz. Como eu falei, acho que eles entenderam o que eu falei. Realmente, hoje foi um inferno. Para a gente chegar, para o Atlético-MG chegar. Dentro de campo, foi lindo. Desde o aquecimento, o mosaico, os fogos, as cores vermelha e preta do Flamengo no Maracanã. Eu acho que foi uma noite inesquecível que vai ficar guardada para sempre e espero que a gente possa combinar mais infernos por aí – declarou Gabriel, na zona mista do estádio, na quarta-feira (13).

Como bem disse Gabigol, novos infernos são esperados nos futuros duelos. No final de julho, o Flamengo começa a disputa das quartas de final da Copa do Brasil, com adversário a ser definido na próxima terça-feira (19), em sorteio da CBF. Nas primeiras semanas de agosto, na mesma fase, só que agora na Libertadores da América, o Mengão encara o Corinthians, na luta por uma vaga nas semifinais. Enquanto os mata-matas não chegam, o Fla segue a caminhada no Campeonato Brasileiro, quando joga no sábado (16), contra o Coritiba, no Estádio Mané Garrincha.

 

Veja também

  • Ô Walter Nora, tá fazendo o quê aqui? Veio pra cá falar merda, né meu filho? Volta pro teu chiqueiro. E se eu não fosse educado, te mandaria tomar no fiofó com Beira-Rio e tudo, mas jamais faria isso. Antes que alguém mais radical leia o que escreveu, vaza daqui rapidinho!

  • Quem criou o clima de “inferno” não foi Gabigol. Fez uma declaração absolutamente normal. Quem falaria algo diferente, depois dos absurdos vistos em BH, com a polícia jogando cavalos em cima de casais de torcedores do Flamengo, cantos homofóbicos, xingamentos, etc…? Claro que no Rio a vida deles viraria um “inferno” até pior, mas tudo restrito ao jogo, às 4 linhas. Foi a diretoria de chorões do Atletico-MG que criou esse clima infernal, “interpretando” de forma estranha o que Gabigol disse, emitindo “notas de repúdio” pra tudo, acionando tribunais, parecendo um certo senador saltitante da República que por qualquer coisa corre pro colo do STF. Era óbvio que essa atitude iria inflamar a massa, que comprou a briga e abraçou o seu jogador. Queriam o que? Que tudo o que o Flamengo passou em BH fosse esquecido?
    A lamentar apenas a ação da bandidagem, quebrando vidro de ônibus e ameaçando a vida dos jogadores adversários, apesar de que alguns ali ainda têm muito a aprender sobre a vida. A torcida deles, porém, mereceu tudo o que teve no Rio. É fácil fazer coisa feia, quando se tem o apoio da maioria. O difícil é segurar a rabiola, quando vem o retorno.
    Portanto, não foi Gabigol quem inflamou a Magnética. Foi o próprio Atlético-MG, com sua torcida e sua diretoria. Que tudo o que passaram, inclusive a eliminação, tenha servido de lição. Não se brinca com coisa séria, e nada melhor do que um dia após o outro.

  • Já postamos bem vindos so inferno a muito tempo , show com fumaça vermelha e os cânticos imitados pela torcida do VARmengo há muito tempo , diferença que a mídia aqui não faz todo este barulho, mas pesquisem psra verem que esta festa ruas de fogo , nos ja fazemos há muito tempo , aqui eh S.C. Internacional o CAMPEAO DE TUDO FIFA🏆 , pesquisem ai….

  • Sou sócio torcedor desde 2017 sei quê cada jogo é um jogo mais um espetáculo igual a esse quê eu presenciei jamais esquecerei muito bonito.

  • Esse cenário apresentado pela torcida, pode ser uma nova marca que esta sendo construída que fará os times que enfrentarem o Flamengo de agora em diante, terem mais um motivo para “tremerem nas bases”. Um verdadeiro “caldeirão” onde os adversários sentirão o clima quente e extremamente “hostil” (no sentido de não ficarem à vontade). Além da postura do time em campo ter sido bastante agressiva, esse clima contribuiu para que o Galo ficasse mais retraído e suas raras tentativas de contra-ataque fossem logo frustradas. Agora é a torcida e o clube explorem essa nova temática, que será uma importante “arma” contra os adversários q forem enfrentar o Flame go.

Comentários não são permitidos.