Atitude de Jorginho ao substituir Nixon gera mal-estar no Flamengo

A opção de Jorginho ao substituir Nixon nos minutos finais do primeiro tempo contra o Audax gerou mal-estar no Flamengo. Ninguém no clube entendeu a atitude do treinador, embora como técnico tenha direito e autoridade máxima em campo.
Os jogadores consideraram a substituição desnecessária e em circunstâncias desfavoráveis, afinal o time perdia por 1 a 0 e não faria diferença alguma trocar o atleta no intervalo, dois minutos mais tarde.
Nixon é considerado o xodó de Paulo Pelaipe, diretor de futebol.
O ex-técnico, Dorival Júnior, teve que se explicar quando barrou Nixon após o jogador voltar de contusão.
Por sinal, duas semanas se passaram desde a demissão de Dorival Júnior. E o que mudou de lá pra cá ?
Rigorosamente nada, pelo contrário, as coisas pioraram.
Sob comando de Jorginho, o Flamengo fez 3 jogos. Empatou com Boavista, venceu o Bangu e perdeu para o Audax.
15 dias, esquema de jogo ruim, indefinição dos titulares e insegurança.
Ingênuos são aqueles que acreditam que Dorival saiu por questões financeiras. Óbvio que não. A diretoria achou a desculpa certa no momento mais apropriado.
Como pode esse elenco, basicamente com os mesmos jogadores, ser líder na Taça Guanabara, invicto e empolgar até a semifinal contra o Botafogo ? Era assim com Dorival ou não?
Não existe diferença técnica entre Madureira, Volta Redonda, Olaria, Boavista, Macaé, Audax ou Bangu. Ou existe ?
O que se viu contra o Audax foi algo vergonhoso que não condiz com a história o Flamengo. Perder de virada para o Resende idem.
Dorival e Jorginho são responsáveis, mas é evidente a necessidade de reforços.
Paulo Pelaipe fala bonito, continua com o discurso de priorizar o lado financeiro do clube, mas sem time e sem vitórias não terá paz. A contratação de Carlos Eduardo é injustificável. Jogador fraco, sem condição física e em decadência.
Rafinha, Adrian e Rodolfo, jovens promissores, alternam altos e baixos.
Ultimamente apenas Rodolfo se salva. Rafinha não é nem sombra daquele atacante rápido e envolvente do primeiro turno.
Jorginho admite que a classificação é quase impossível.
A estreia na Copa do Brasil contra o Remo pode ganhar ares decisivos para o futuro do treinador. Pelo regulamento, apenas o Flamengo pode sair classificado no primeiro jogo. Menos mal.
Independente do resultado, o time terá o jogo da volta.
Fonte: Blog do Bruno Voloch


E aí Nação, o que vocês acharam? Comentem! Siga-nos também no Facebook!

Veja também