Flamengo não consegue se livrar de Mattheus.

O Flamengo começa a espalhar seus jogadores fora dos planos pelo país. Dos impressionantes 23 que não estão em Atibaia-SP para realização da pré-temporada, nove já têm o destino definido. Muralha e Erazo estão bem perto de serem os próximos a seguir seus rumos. Um dos mais badalados da lista, no entanto, ainda não tem a menor ideia do que será da sua carreira em 2015. Mattheus, promessa rubro-negra e com o peso nas costas de ser filho de um dos maiores craques do país, integra um quarteto que ainda sequer recebeu propostas.
Na companhia de Mattheus estão Darlan, Caio Quiroga e o goleiro João Paulo. Pesa contra o apoiador o fato dos três serem completamente desconhecidos do grande público, com raras passagens no profissional, e só seguirem no clube por terem contrato mesmo após estourarem idade de sub-20. Marcado pela torcida por conta da participação na eliminação da Copa do Brasil, diante do Atlético-MG, o jovem de 20 anos tem 20 jogos e nenhum gol no time de cima.
Desde as categorias de base, Mattheus era cercado de expectativas. Não somente por ser filho de Bebeto e por ter virado celebridade ao nascer, com a comemoração do gol sobre a Holanda nas quartas de final da Copa de 94. Com passagens pelas categorias de base da Seleção, sempre destoou pela qualidade técnica, visão de jogo e batida na bola. A estreia no profissional do Flamengo aconteceu pelas mãos de Jayme de Almeida, em 3 de fevereiro de 2012, diante do Olaria, no Estadual, com somente 17 anos.
Mattheus, por sua vez, nunca conseguiu mostrar o que dele se esperava. Sem uma sequência de jogos, não engrenou e passou a ser chamado de lento. Houve até quem o comparasse a Paulo Henrique Ganso, mas nem sempre com adjetivos positivos. No início de 2014, foi titular da equipe alternativa que começou o Carioca. Logo na estreia, diante do Audax, no Maracanã, foi substituído por Carlos Eduardo sob vaias. Parecia ser o prenúncio do que aconteceria ao término da temporada.
Com apenas quatro partidas no ano até então, o jovem foi o escolhido por Vanderlei Luxemburgo para substituir Eduardo da Silva no minuto seguinte ao gol da virada do Galo sobre o Flamengo, na semifinal da Copa do Brasil, no Mineirão. O jovem não errou nenhum lance capital, mas, com o time perdido, praticamente não participou do jogo e foi eleito o vilão pela torcida. Em entrevista ao GloboEsporte.com na época, revelou o desejo de dar a volta por cima na Gávea:
– A cobrança é natural por estar no maior clube do Brasil. Tenho que trabalhar. Mais e mais. Erguer a cabeça. E comer pão com raiva como diz o professor.
Ainda nas férias, o meia recebeu a informação de que não fazia parte dos planos de Vanderlei Luxemburgo para a temporada. De acordo com a MFD, grupo que gere a carreira do atleta, a ausência de proposta é encarada com naturalidade:
– Ainda não procuramos clubes para o Mattheus. Estamos avaliando o que é melhor para carreira dele – revelou o empresário Gerson Sá.
Mattheus tem contrato com o Flamengo até o fim de maio de 2016. A renovação aconteceu em 2013 após uma polêmica negociação que poderia levá-lo para o Juventus, da Itália. Na ocasião, o jogador teria aberto mão da transação porque os italianos queriam que assinasse um pré-contrato que o permitiria sair de graça da Gávea, algo que não o agradou. Recentemente, jornais espanhóis o colocaram na mira do La Coruña, clube onde seu pai brilhou, mas nenhuma proposta foi realizada.
Enquanto aguarda uma definição do futuro, Mattheus segue treinando normalmente no Ninho do Urubu, ao lado de Felipe, Muralha, Fernando, Sartori, Recife, Renato Santos, Élton, Digão, Val, Darlan, Quiroga e João Paulo. Vai ter que comer pão com raiva em outro lugar se quiser voltar ao Flamengo.

Fonte: GE