Flamengo quer economia de 50% emprestando atletas.

Concentrada em Atibaia (SP) com o elenco principal para a realização da pré-temporada, a cúpula do futebol do Flamengo não tira os olhos do Rio de Janeiro para resolver outras questões do departamento. Além de avaliar o time que treina com o técnico Vanderlei Luxemburgo e possíveis reforços, a diretoria rubro-negra trata de dispensas do restante do grupo, que treina no CT Ninho do Urubu, no Rio de Janeiro.
A ideia  do clube é se livrar de alguns atletas que não serão aproveitados por Luxemburgo e conseguir uma redução de 50% nos gastos com estes atletas.
Após emprestar Negueba para o Coritiba e Rafinha para o Atlético-GO, a diretoria estuda as situações do meia Mattheus, do zagueiro Fernando, dos volantes Muralha e Recife, do goleiro João Paulo e dos atacantes Igor Sartori, Elton, Darlan e Caio Quiroga. Além destes, Erazo negocia sua ida para o Grêmio.
“Nosso projeto é reduzir em torno de 50% o custo que temos com esses atletas. Alguns conseguiremos fazer o empréstimo com o outro clube pagando o salário integral, mas outros não”, explicou o diretor executivo de futebol do Flamengo, Rodrigo Caetano.
“Vale ressaltar que não é apenas um projeto financeiro, mas também esportivo. Esses jogadores pertencem ao Flamengo e estarão sendo valorizados. Eles vão ganhar bagagem, experiência, tempo em campo. Voltarão mais maduros, prontos para defenderem o Flamengo ou serem negociados por um bom valor”, completou o dirigente.
Internamente, a ideia da cúpula é que a situação destes atletas estejam resolvidas até o início de fevereiro. Oficialmente, porém, os responsáveis pelo futebol rubro-negro evitam dar prazos.
Incluído no grupo dos “encostados”, o goleiro Felipe vive situação diferente e não deve ter seu futuro resolvido de maneira tão rápida.
Com quase R$ 5 milhões a receber do Flamengo, entre direitos de imagem atrasados e salários até o fim do contrato, o goleiro, que não está nos planos de comissão técnica e diretoria, não aceita procurar um novo clube antes de receber parte da dívida que cabe ao clube.
E enquanto não acerta a pendência, o ex-dono da camisa 1 segue treinando separado do grupo principal.
“É uma situação chata, mas tenho que aceitar esse posicionamento do clube. Estou triste, mas isso faz parte do futebol. Queria que eles também se posicionassem sobre o que me devem. Sei que não é fácil de se resolver, mas não vou abrir mão do que é meu por direito.  Estou indo para o décimo mês sem receber os direitos de imagem e tenho mais 13 meses de contrato e férias”, lamentou.

Fonte: UOL

Veja também