O amador autoritário.

Em tempos de luta a favor da liberdade de expressão, direito de manifestar livremente opiniões, ideias e pensamentos, sem a prática de qualquer crime que possa pôr em causa o direito de outro, a Federação de Futebol do Estado do Rio de Janeiro – FFERJ, apresentou uma novidade no regulamento para o Campeonato Carioca de 2015. De acordo com o artigo 133, os clubes do Rio de Janeiro poderão ser multados em até R$ 50 mil caso algum profissional (jogadores, integrantes da comissão técnica e dirigentes) fale mal da competição publicamente.  
Ao se posicionar desta forma, a Federação se assemelha a um governo autoritário, caracterizado pela obediência absoluta ou cega à autoridade, oposição a liberdade individual e expectativa de obediência inquestionável da população. Toda e qualquer tentativa de mordaça não é bem-vinda em pleno século XXI, além da censura, num contexto democrático, não ter apoio moral. 
Como não criticar um campeonato falido e fora de conjuntura, onde os grandes clubes do Rio de Janeiro são praticamente obrigados a sustentar os demais? Impossível. Campeonato no qual os números dos borderôs dos anos anteriores confirmam os buracos nas arquibancadas. Nem as ótimas e caras câmeras 4K das TVs conseguem mais disfarçar. O Campeonato Carioca, de 10 anos pra cá, infelizmente, se tornou uma espécie de filme fracassado em crítica e público. 
Torcedor, enquanto consumidor, não é bobo, não se deixa enganar pelas inúmeras tentativas de venda de um show que já existiu, mas com todo o amadorismo envolvido, jamais voltará. Campeonatos inchados e tabelas confusas são constantes. Esse papo de gato por lebre não cola mais e a exigência por qualidade é gritante. O eterno regime do profissionalismo não deixa o futebol carioca caminhar, pelo contrário, asfixia sem que seja percebido. 
Na atual situação, é praticamente impossível não criticar a competição. Muito menos elogiar. O campeonato não será valorizado amordaçando seus participantes, por mais que todos os 16 clubes tenham concordado e votado à favor desta aberração. Se valoriza com formato inteligente, atrativo e vantajoso para o torcedor. 
Que nós, imprensa e torcida, não deixemos que o amadorismo acabe com o que mais amamos, o futebol. Temos voz pra isso e não seremos multados, até que votemos a favor.
David Tavares

Fonte: o Fluminense