O profexô…

Está certíssimo Vanderlei Luxemburgo quando fala sobre montagem de elencos e preparação dos times visando temporadas inteiras e não apenas esta ou aquela competição.

O clube que se preocupa em qualificar seu elenco com um ou dois jogadores de nível indiscutível a cada seis meses, em um ano e meio será capaz de ter um time forte e suficiente para estar entre os melhores do país.
Principalmente se tiver no comando um treinador bom o suficiente para saber trabalhar na transformação de um grupo de jogadores de futebol em uma equipe competitiva.
E isso Vanderlei sabe.
Talvez por isso seja ele o técnico com maior número de títulos brasileiros conquistados, embora já não o festeje há dez anos _ por culpa, muito provavelmente, da soma de fatores extracampo que não convém agora discutirmos.
DIFERENÇA.
Por trabalhar com planejamento, por fazer questão de se envolver direta e perigosamente com a engrenagem do departamento e por ser um bom estrategista, o atual treinador do Flamengo bem que merecia nomenclatura mais pomposa para o cargo que ocupa.
Se atuasse num clube europeu ou até mesmo num grande rival do Continente, seria chamado de diretor-técnico.
Mas, como Vanderlei jamais soube cuidar de sua própria carreira, ao contrário do que ele próprio imagina, mantemos sempre um pé atrás.
UMA PENA!
No fundo, no fundo, apesar de toda empáfia, do insuportável tom professoral, do destempero descabido e até mesmo da arrogância descabida, dá gosto vê-lo falando da elaboração de uma equipe de futebol.
Nos dias de hoje, é dos poucos a saber realmente o que diz…

Fonte: Blog do Gilmar Ferreira