Potencial da torcida pode ser mais explorado em 2015.

Não é segredo pra ninguém que o Mais Querido tem a maior torcida do país, tendo representantes em todo território nacional. Sendo assim, tem uma grande responsabilidade a cada ano no Campeonato Brasileiro: manter-se em primeiro lugar em média de público.

Talvez a diretoria precise manter um padrão no preço dos ingressos para que aquele torcedor mais humilde volte ao estádio com sua família. Em 2014, o rubro-negro ficou na quarta colocação em média de público. Mas teve diversos fatores que contribuíram para que isso acontecesse.

O primeiro é: antes da Copa do Mundo começar, o Fla jogou 6 jogos. Destes, apenas 2 jogos no Maracanã e um no Mané Garrincha, sendo que nos três o preço dos ingressos estava elevado. Resultado? Menos de 20 mil pagantes. Nos outros 3 jogos, o Fla não passou de 10 mil pagantes, pois jogou em estádios diferentes, como o Morumbi.

Segundo: na reta final da competição, o time já não brigava por mais nada. Sendo assim, a diretoria fez um ótimo negócio vendendo os jogos para Estados em que o clube tinha grande concentração de torcida. 

Deu certo. Torcedores de São Luís e Manaus lotaram os estádios. Mas além de terem ingressos caros, em Manaus o mando de campo era do Botafogo e no Maranhão a capacidade do estádio era menor.

Vale lembrar que o Flamengo é o time com mais ‘títulos’ no quesito média de público. A última vez que liderou foi em 2009, com média de 40 mil por jogo. O cenário era favorável, pois tinha ídolos de renome como Pet e Adriano.

Temos também que mencionar um fator importante nessa transição: o rubro-negro além de ídolos, tinha um maracanã com maior capacidade.

O estádio naquele ano lotou de tal maneira que poucos esperavam. O torcedor acreditou até o fim, já a imprensa (quero novidade) não acreditava no título do clube.

A MUDANÇA

Apesar de atualmente não ter um ídolo à altura, o Flamengo tem tudo para repetir os mesmos resultados de 2009. Basta fazer um planejamento, e ver o que está sendo mal feito. E não precisa usar tanto a ‘cuca’ pra saber o que estão fazendo de errado.

Para mudar esse cenário, talvez o Fla precise fidelizar seu torcedor desde o início do campeonato, tendo um preço fixo e mais em conta nos ingressos e mandar jogos não só no ‘Maior do Mundo’, como também em locais onde tem grande concentração de torcida. Manaus e Brasília são ótimas opções (com ingresso mais barato, lógico).

A questão é: se o Flamengo teve a quarta maior média de público (passando clubes como Internacional e Atlético-MG que brigavam por uma vaga na Libertadores desde o início da competição) num ano em que estava em último colocado e sem grandes jogadores, imagine agora com um bom time brigando por algo mais no campeonato?

Consequentemente iria atrair mais sócios e as receitas seriam maiores. Basta a diretoria usar inteligência e saber ganhar na quantidade. Se isso acontecer, é bem provável que o potencial da torcida seja mais explorado em 2015.

Saudações!

Thiago Araujo – @WholsThiago