Após 1º tempo “inexistente”, Dorival Jr. chama atenção para “jogaço”

Fonte: Gazeta Esportiva

Independente do time de coração, o amante do futebol que pôde assistir ao duelo entre Flamengo e Santos, neste domingo à tarde, foi presenteado com um grande jogo. O Peixe sucumbiu à pressão rubro-negra diante de mais de 60 mil pessoas no Maracanã, no primeiro tempo, mas encontrou forças para reagir e empatar a partida na etapa final. Os últimos 10 minutos do confronto foram emocionantes, com as duas equipes chegando perto da vitória. E, para Dorival Jr, técnico da equipe paulista, esse é o ponto a se destacar.

“Nós voltamos a ver, no Campeonato Brasileiro, grandes jogos. Acho que é isso que queremos ver. Tivemos um São Paulo e Atlético-MG, o Palmeiras, o Grêmio fazendo bons jogos. O futebol tem que ser novamente acreditável e é isso que nós queremos fazer, recuperar um pouco desse terreno perdido”, disse o técnico, também analisando o desempenho de seu time, durante a entrevista coletiva no estádio carioca.

“O Flamengo também teve um primeiro tempo e o segundo um pouco diferente. O que fica é que foi um grande jogo. É isso que temos que avaliar. O time que sai com 2 a 0, ele fica mais confortável no jogo, mas o Santos foi valente. No primeiro tempo, ele (o Santos) inexistiu. O segundo tempo foi completamente diferente. O Santos começou a ter mais a posse da bola, chegar ao ataque. Poderia ter feito o terceiro (gol), como também poderia ter tomado o terceiro”, completou.

A mexida de Dorival no intervalo da partida foi fundamental para a mudança de rumo do jogo. O treinador mandou Marquinhos Gabriel a campo no lugar de Paulo Ricardo. Deixou o Peixe mais exposto, mas mostrou que não havia jogado a toalha em busca de ao menos um empate. Nem por isso, demonstrou irritação com seus comandados pelo péssimo primeiro tempo.

“Eu não vejo problema tático, porque o que nós trabalhamos foi uma marcação agressiva, diferente do que existiu. O Flamengo criou um volume muito grande. Pecamos muito por não segurarmos a bola e darmos tempo para que a nossa defesa pudesse estar mais compacta, no campo adversário”, explicou, lembrando a dificuldade de manter o mesmo nível durante toda a partida, que chegou perto de 100 minutos, em função dos acréscimos.

“É muito difícil, porque do outro lado você sempre vai ter um adversário que também está buscando as mesmas situações. Quisera eu pudéssemos buscar os 90 minutos dessa forma”, afirmou.

Por fim, Dorival não escondeu sua satisfação pessoal com o empate por 2 a 2, fora da casa. Apesar do Peixe seguir sem vencer longe da Vila Belmiro neste Campeonato Brasileiro, já são três vitórias (uma pela Copa do Brasil), uma derrota e um empate desde que o treinador assumiu o comando da equipe.

“Enfrentamos um adversário de alto nível, com uma torcida que muito forte, mais de 60 mil torcedores, uma pressão muito grande. Acho que ficaram muito mais coisas positivas do que negativas, ainda que eu entenda que a equipe tenha inexistido no primeiro tempo”, finalizou.

Veja também