‘Com a Band em crise, monopólio da TV Globo aumenta e overdose de Corinthians e Fla está garantida’, afirma jornalista

De forma discreta, sem quase ninguém perceber, a Globo conseguiu o que parecia impossível. Aumentou o monopólio sobre o futebol brasileiro. Escravizará ainda mais o torcedor.

Dados oficiais, de hoje, 15 de janeiro de 2016, ao meio-dia. O Brasil tem exatos 19.479.896 pontos de assinaturas de tevê a cabo. Privilégio de 29% dos brasileiros. O restante, 71%, possui apenas tevê aberta. Somos um país pobre, de Terceiro Mundo.

O Brasil está mergulhado na recessão. Os reflexos são inúmeros. Na televisão brasileira aberta atingiu em cheio o futebol. E a Globo será a grande beneficiada com o atual cortes de gastos da sua principal ‘parceira’.

Nas décadas de 80 e 90, quando não existia tevê a cabo. A Bandeirantes copiou a fórmula de canais esportivos norte-americanos. E aos domingos transmitia de manhã até a noite vôlei, basquete, boxe, futebol, corridas automobilísticas, ginástica e até sinuca. Era o famoso Show do Esporte.

Os apresentadores Elia Junior e Simone Mello ficavam horas e horas no ar. Na época, tudo beirava o amadorismo. O direito de transmissão era muito barato.

O projeto foi minguando com a chegada da tevê por assinatura no país. A concorrência pela transmissão encareceu o produto. Mostrar os esportes se tornou caro. E o projeto terminou.

Enquanto isso, a Globo seguiu desfrutando do monopólio do futebol brasileiro. O adquiriu graças à Ditadura Militar. Tem a agradecer também a João Havelange, que comandava a então CBD, futura CBF, com mão de ferro.

A emissora carioca estabeleceu seu domínio com o governo, com a entidade que comanda o futebol no país e com os clubes. Sempre contou com a fidelidade desse triunvirato para seguir com o domínio total do principal esporte do País. Logo esticou seu poder para a Seleção Brasileira. E Comnebol, no controle das competições sul-americanas. Lógico, também a Fifa.

Foi ameaçada em algumas esporádicas vezes. Como, por exemplo, em 1992, perdeu a Libertadores para a rede OM (atual CNT). A rede paranaense desfrutou do São Paulo campeão da América. A Globo deu o troco recuperando o torneio e o seu principal narrador.

Para diminuir custos, a Globo decidiu que nos principais torneios nacionais – Campeonato Paulista, Copa do Brasil e Brasileiro -, repassaria o direito a uma emissora. Mas nos seus termos. Oferecia um contrato draconiano.

Pelo hábito de décadas, pelo talento de seus profissionais, por entrevistas privilegiadas, executivos globais sempre souberam. Se uma partida no Brasil é transmitida pela Globo e por qualquer outra emissora, o massacre na audiência é garantido.

O que decidiram? Desde a década de 90, busca uma ‘parceira’. E, desde que ela banque entre 25% e 20% dos gastos, tem o direito de transmitir também futebol no Brasil. Só que o mesmo jogo mostrado pela Globo.

Em São Paulo, a Record aceitou a fórmula até 2006. Quando se rebelou. Quis mostrar partidas diferentes. Por exemplo, se a Globo mostrasse o Corinthians, transmitiria o Palmeiras, o São Paulo ou o Santos. Mas não houve acordo. A emissora carioca exigiu. Ou mostrava o mesmo jogo ou nada.

Houve o rompimento. A nova ‘parceira’ passou a ser a Band. A emissora se submeteu a ser massacrada na audiência, todos os domingos e quarta-feiras.

A Record decidiu comprar o Campeonato Brasileiro em 2011. Até então, os principais clubes brasileiros vendiam em bloco único a transmissão. A emissora que pagasse mais, levava. A Globo não era incomodada. Pagava quanto queria. Só que naquele ano, sabia que teria concorrência pesada. Poderia perder o torneio nacional.

O que a emissora fez? Aliada ao então presidente da CBF, Ricardo Teixeira, incentivou o então presidente do Corinthians, Andrés Sanchez, a implodir o Clube dos 13. O clube mais popular de São Paulo deixou a entidade e avisou que negociaria sozinho a transmissão de seus jogos. E arrastou o Flamengo. Ambos fecharam com a Globo. Foram seguidos pelos principais clubes do país. Eles tinham de ser fiéis a quem, por anos, deu adiantamentos que salvaram suas vidas econômicas. E que prometia seguir a mesma filosofia.

Tudo continuou na mesma. Só o Clube dos 13 não existe mais.

A Globo tem o monopólio não só da tevê aberta, como da tevê a cabo e pela Internet das principais competições nacionais. A Turner, dona da Esporte Interativo, tenta tomar o Brasileiro na tevê fechada. Mas a emissora nacional está usando todas as armas, principalmente o comprometimento dos clubes. Está revertendo a ameaça de perder o torneio, a partir de 2019.

Na tevê aberta, a Globo segue poderosa. E terá este ano ainda mais o monopólio do futebol. A Band vive uma profunda crise financeira. E tomou uma decisão importante.

611 Em crise, Band desiste da Copa do Brasil e do Campeonato Carioca. O monopólio escravizador da TV Globo aumenta. 70% da população brasileira não tem tevê a cabo. Overdose de Corinthians e Flamengo garantida...

Não será mais parceira da Globo no Campeonato Carioca e na Copa do Brasil. Não quer dar mais um tostão para mostrar estas competições. Usa a mesma desculpa de 2014. Naquele ano foi a Copa do Mundo. Agora é a Olimpíada. Na verdade, a obrigatoriedade de mostrar os mesmos jogos que a concorrente é um desestímulo e que garante o prejuízo.

A audiência do futebol na tevê aberta caiu 22% nos últimos dez anos. Os patrocinadores sabem muito bem destes números. A decadência nas transmissões fica claro nesta matéria publicada no ano passado pela colunista especializada em tevê, Keila Jimenez, ainda na Folha de São Paulo.

“Time que arrebanha a maior audiência no futebol exibido pela TV Globo, o Corinthians perdeu cerca de 26% de ibope nos jogos transmitidos pela emissora nos últimos quatro anos. O clube, que em 2010 obteve média de 23,8 pontos de audiência em suas partidas, encerrou 2014 com média de 17,5 pontos. Cada ponto equivale a 67 mil domicílios na Grande São Paulo.

“A mesma porcentagem de queda atinge o principal campeonato de futebol do país, o Brasileirão. Em 2010, a competição registrou média de 20,9 pontos de ibope. No ano passado, marcou 16,8 pontos de média. Nos últimos quatro anos, o Campeonato Paulista perdeu cerca de 23% de sua audiência. Já a Copa do Brasil, caiu 32%.”

“Com perdas anuais de audiência nos principais torneios da modalidade, a TV Globo pode diminuir a exibição de jogos de futebol em sua programação até 2017. Esse é um dos planos em estudo na rede a médio prazo, defendido por diretores que acreditam que o futuro do futebol está na TV por assinatura e nos serviços de pay-per-view.”

A Band e seus patrocinadores também tiveram acessos a esses números. E a prática. Na final da Copa do Brasil de 2015, entre Palmeiras e Santos, a Globo marcou 26 pontos em média. Recorde no ano. E a ‘parceira’ teve de se contentar com 5,3%. No Campeonato Carioca, dificilmente a Band passava dos dois pontos de audiência.

Mostrando jogos da Champions League, a Band chega 8, 7 pontos de audiência. E apenas retransmite dos seus estúdios. É muito barato. A economia e o retorno financeiro são garantidos.

Por enquanto, a emissora paulista seguirá com o Brasileiro e alguns estaduais. Paulista, do Goianiense e do Paranaense. Talvez, se a Globo repassar muito barato, jogos da Primeira Liga. Talvez.

Mas se a crise persistir, poderá abrir mão de mais transmissões em 2017.

Dentro deste quadro caótico, cerca de 70% da população brasileira, sem canal a cabo, não terá outra opção, em 2016. Se quiser ver a Copa do Brasil e o Campeonato Carioca, deverá ser obrigatório assistir a TV Globo.

E a emissora tem assumidamente a preferência por mostrar Corinthians e Flamengo.

Situação recorrente desde a implosão do Clube dos 13.

Corintianos e flamenguistas, comemorem.

Os demais, sem dinheiro para a tevê por assinatura, que se virem.

Estas são as entranhas do país do futebol…

36 Em crise, Band desiste da Copa do Brasil e do Campeonato Carioca. O monopólio escravizador da TV Globo aumenta. 70% da população brasileira não tem tevê a cabo. Overdose de Corinthians e Flamengo garantida...

Fonte: Cosme Rimoli

Veja também

  • também naõ vejo corinthians com essa bola toda . Brasil é vasco ou flamengo

  • Sinceramente prefiro mil vezes a globo do a BAND c uma porção de idiotas como Neto, Edmundo assassino e Denilson. Pelo menos a Globo põe gente q raciocina p comentar como Junior, Juninho Pernambucano, Casa Grande.

  • Gostei do comentário. Atualmente, sou Netflix e amante do saudoso rádio. Quanto aos jogos, quando não vou ao estádio é rádio mesmo, muito bom, com comentaristas descentes.

  • SERÁ QUE ISSO É JORNALISMO MESMO?

    O CARA CONFUNDE TUDO E MISTURA FATOS HISTÓRICOS

    PRA COMPROVAR UM TESE EM QUE NO FINAL DO TEXTO

    NÃO SE SUSTENTA…

    DEVE SER HUMOR!!!!

  • Finalmente esse canal de merda está falindo. A Bandeirantes é um canal com 90% dos comentaristas corintianos e outros 10% anti-flamengo, além do fato de ter um apresentador parcial e arrogante (Milton Neves). Se eles precisarem de grana, devem bater na porta do Corinthians.
    Cambada de FDP.

  • Impressionante como o brasileiro é 8 ou 80, é incapaz de fazer uma análise parcial e verdadeira da situação. Primeiro de tudo, ele estabelece a relação entre o baixo número de pessoas com TV a cabo com ‘país de terceiro mundo’, o mesmo país que, no fim do último mandato de Lula, era de primeiro e o único capaz de peitar os EUA. Não, nunca fomos de primeiro mundo, nem somos de terceiro, o certo é país emergente/em desenvolvimento, o que seria ‘de segundo mundo’. Poucos usam tevê a cabo porque uma das abertas, a Globo que está sendo criticada na reportagem, tem uma grade de extrema aceitação popular, e muitos preferem direcionar os gastos a outra coisa. Agora, o fim da Band não mudará muito a situação, já que apenas corinthianos gostam de ouvir aquela péssima narração, diga-se de passagem. Acontece que merecemos ganhar mais, temos mais torcedores, espalhados por todo país, e como a minoria tem acesso ao estádio, muitos acabam vendo os jogos apenas pela telinha. E nem venha falar de modelo Premiere League, a Inglaterra é bem diferente. Lá, a torcida de determinado time é, por grande parte, da própria cidade e o país, pequeno. Por isso lá todos recebem o mesmo, poucos torcedores não vão ao estádio, então fica balanceado a audiência na Inglaterra e, fora de lá, muitos gostam de acompanhar todos os jogos. Por fim, sempre foi assim: o que repercute mais, recebe mais.

    • Perfeito o post.

      Ué, nao entendi o post. Se a Band retransmitia jogos da Globo e quase não tinha audiência, qual a diferença? Por que mais jogos de Flamengo e Corinthians? O que uma coisa tem a ver com a outra? Misturou tudo só para parecer polêmico. Bobalhão, isso sim! Quando eu morava na Argentina até jogos da seleção argentina só passava na TV a cabo e agora querem criticar o canal que passa tudo de graça. Não defendo a Globo mas ela tem os direitos de transmissão, paga por isso, os times aceitam, então contrato que se cumpra.

  • Me compra globo!

  • Agora entendi pq a band puxa tanto saco do Corinthians. É pra ver se tem audiência. Chega a ser nojento, os programas todos, tudo é Corinthians.

  • A bandeirantes era apenas uma marionete da Globo, oque a Globo mandava, ela tinha que aceitar, ou seja só comia o resto, eu não assisto nada naquela emissora, créio que muitos flamenguistas e torcedores de times carioca também não, Band emissora bairrista, que só da importância pros times de São Paulo, especialmente o Corinthians, além de também pelarem o saco do Barcelona e Neymar, único que salva é o Téo José, o resto são apenas pseudos jornalistas bairristas e clubistas.

    • Concordo. Quem tem o Neto de comentarista, só pode entrar em crise mesmo… São totalmente parciais com o futebol paulista, menosprezam demais os outros estados…

      • Neto é o pior de Todos, a Larissa erthal que salva defendendo o Rio, aquele Milton neves, outro nojento.

        • Mas a Globo tem o pior narrador de longe: Escobar é sacanagem!

          • Kkkkkkkkkkkkk
            Volta ao que era antes Escobar

          • kkkk. Milton Neves, Neto, Ronaldo e cia vão para a PQP. Canal podre.

          • Rapaz vou te dizer o Escobar e ruim,ruim,mas ruim mesmo

  • Isso é um texto ou um jornal?

Comentários não são permitidos.