“A importância de olhar para o jogo e entender estratégias em Botafogo 3×3 Flamengo”

Termina o jogo na Arena Botafogo e só se falam em duas coisas: as escolhas dos treinadores. De um lado, questiona-se porque Neílton e Canales não começaram jogando. No lado do Fla, questionou-se as trocas de Zé Ricardo, com a entrada de Canteros e Cuellar que “empurraram o time para trás”.

Esse é mais um clássico caso onde se analisa primeiro o resultado e depois o jogo. Entender as escolhas dos treinadores nessa partida passa por entender muito bem o que é modelo de jogo, estratégia e proposta. Depois, entender a partida e o que ela pedia. Só aí temos algo em que se pode trabalhar, não uma conclusão apressada e o simplista “errou” e “acertou” que o torcedor e imprensa tanto gostam.

Começando pelo Botafogo. Rodrigo Pimpão é um jogador rápido, que carrega a bola em velocidade e preenche a área no ataque. Sem a bola, o Bota precisava acompanhar Pará, um dos maiores passadores a Cirino. Pimpão entrou para “neutralizar” o camisa 7 do Fla e dar velocidade às jogadas de transição (quando o Bota roubava a bola e partia pro gol).

c78ce038-77a3-43fe-b74a-ce1af433b36f_bota-1[1]

Ou seja: você tem aí pelo menos 3 razões pelas quais Neílton não começou jogando. Quer falar de Canales? Ou Salguero? Também terá pelo menos 3 ou 4 razões para Ricardo Gomes ter escolhido Camilo e Sassá. Outras razões também pelo Bota ter jogado tão mal no 2º tempo: o comportamento dos laterais, que centralizavam e deixavam os lados do campo vazios, as poucas opções de passe que Camilo tinha, e por aí vai…

É lamentável e errado que se olhe para o resultado para falar do jogo. A ordem é inversa.

Agora o Flamengo. Os 3 gols do Fla saíram de erros individuais e bolas que “sobraram” na grande área. Os 15 minutos iniciais foram de grande intensidade, mas depois o Bota dominou e o Fla criou pouco. Com 3×1, a partida parecia confortável e era necessário garantir esse resultado.

Voltando um pouco, para o 1º gol do Bota, e analisando o lance, é possível ver um erro gigantesco de comportamento de Mancuello, Éverton e mais especificamente Cirino. O Bota está com a bola, atacando. Qual é a função de Cirino? Acompanhar o lateral até o fim. O que ele faz? Fica PARADO e prejudica toda a defesa ao dar um espaço que virou um gol.

014a9eb6-5d4e-4890-b6ed-b0a33c249c97_flamengo-2[1]

Zé Ricardo viu e, com um 3×1, precisava diminuir a chance desses erros. Canteros entrou no lugar de Cirino e o Fla passou ao 4-2-3-1, com Arão aberto na direita e Éverton na esquerda. Jogadores que podiam acompanhar melhor o adversário – Flamengo e Botafogo marcam por encaixes individuais, ou seja, cada um pega o seu até determinado ponto. Não existe ocupação de espaços inteligente, é apenas correria.

O que aconteceu? Canteros não acompanhou e Airton atraiu a marcação de Márcio Araújo, que teve que sair de perto da zaga. Numa fração de segundo, o camisa 8 lançou a bola e Éverton também não acompanhou, fazendo todo o sistema defensivo do Flamengo se desorganizar no 2º gol do Bota. Méritos do Bota e desorganização do Fla mais pela forma como atua do que pelos nomes em si.

a76e24fd-5dd3-4c4d-bd16-565c65efa1be_fla-3[1]

Os técnicos são julgados pelo que mostram em suas equipes ou pelo resultado? Culpa é diferente de responsabilidade. O que Zé Ricardo poderia fazer a não ser pensar em neutralizar mais o Bota? Deu errado? Deu. Mas deu errado por conta do jogo e dos comportamentos inadequados de quem jogou. Não por ele.

Para entender mais futebol é preciso esquecer as palavras “ousadia”, “coragem”, “retranca” e “cautela”. Focar em analisar com responsabilidade de conhecimento, não apenas cópia de quem sabe. De que adianta efetivar o “moderno” Zé Ricardo e dar tempo de trabalho a Ricardo Gomes se aqui de fora não sabemos analisar seus trabalhos?

Fonte: Painel tático / GE

Veja também

  • Um texto desse que recorda a total diferença de visão da pessoa que está lidando com o assunto de forma profissional e da maioria de nós torcedores e jornalistas também. Gosto de ler as colunas do André Rocha tb.
    Dito isso, continuo com a mesma opinião de ontem, porém mais fundamentado ainda por este próprio texto.
    O Flamengo havia acabado de fazer 2×1. Não estava difícil. Mesmo com nosso time não rendendo bem (em parte por mérito do Botafogo em dificultar nosso jogo), o deles errava bastante. Zé Ricardo resolveu colocar o Canteros no lugar do nulo Marcelo Cirino. Isso foi aos 13 min do segundo tempo. Na teoria foi uma substituição acertada. Cadenciar mais a partida e manter a bola mais tempo no meio de campo e conosco. Só que o histórico mostra que o Flamengo renuncia atacar ao fazer substituições similares, sendo que ainda estava cedo. Fizemos 3×1 e voltamos a mania de recuar e dar a bola ao adversário. É sempre assim. A culpa é do técnico, ao meu ver. Só que a culpa tb é dos jogadores. Tá faltando mais gana de vencer. Não sabem o que é ser Flamengo. Jogam bem, mas agem cm se jogassem por qualquer um time. Aqui no Flamengo é diferente. Entrega é o mínimo. Está faltando ser rubro negro. Isso vale até para o Zé Ricardo, pois se “empunhasse” o Manto Sagrado já teria acabado com essa de recuar. Cadenciar a partida é diferente de recuar. Exemplo: o empolgante jogo que fizemos contra o Internacional. Não recuamos, apenas mudou o estilo de jogo. Ainda sim, pq não ir p cima os 90 min se temos um banco que pode ser perfeitamente titular?
    Arão não estava bem na partida. Poderia ter saído p entrada do Cuéllar. Pq tirar Everton e mostrar ao Botafogo que seu time abdicou de vez de contra golpear?

    Finalizo perguntando: Pq atacar apenas quando estamos perdendo ou empatando? Time que tem a bola e busca ser objetivo não toma gol.

  • Texto excelente!

    Alguém da coluna poderia fazer análises táticas após os jogos, movimentação do sistema de jogo, com e sem a bola, analise do panorama após as substituições.

    Ou que abram a oportunidade para que alguém assíduo do site os faça.

    Tem muita gente boa que sempre aparece por aqui. Melhor que as notícias repetidas sobre o mesmo tema.

    Abraços!

  • Texto prolixo. Resumindo: justificou a escolha do Gomes pelo Pimpão e detalha os erros individuais do Flamengo nos gols do Bota, pra aliviar a barra do Zé por querer fechar o time depois de abrir dois gols de vantagem. Não é problema fechar o time com uma vantagem dessas, o problema foi que ele o fez muito cedo, e com os jogadores errados. O texto também que não podemos olhar para o resultado pra falar do jogo. Ou seja, foda-se os 3 pontos.

    O Zé foi péssimo nas escolhas dos jogadores e na estratégia de jogo. O time teve uma semana para se preparar e apresentou um futebol pífio, claramente piorando em relação aos outros jogos. O Bota joga do mesmo jeito desde o Carioca!

  • UFA! Até que enfim uma coluna mais analítica e menos superficial, ontem TENTEI sem sucesso esclarecer isso, que a culpa da derrota não foi toda do Zé e chegaram a me xingar; mas entendo, faz parte da ignorância brasileira, até por que a cabeça da torcida estava quente, após o time ceder o empate. O Cirino pra mim (e para a maioria da torcida) já deu, acho que é hora de colocar outro na posição, ou variar o esquema, se for o caso.

    SRN #IssoaquiéFlamengo

  • O plantel do FLAMENGO e, ainda mais agora com a contratação do DIEGO está se transformando em comparação com automóveis, em uma verdadeira FERRARI, aí a diretoria coloca um motoqueiro para pilotá-lo, não pode dar certo NUNCA isso!!!!!!!

    “Enquanto isso…….O grande destaque alvinegro estava no banco e de calça comprida. Ricardo Gomes, percebendo o domínio rubro-negro na etapa final, lançou o time ao ataque e os substitutos que escolheu, Neílton e Salgueiro, acabaram marcando os gols que tiraram uma vitória que parecia certa do FLAMENGO”.

  • Douglas Galvão / Giulia Vargas • 3 dias atrás
    Não consigo aprovar um treinador que mantem um inútil como o MA de titular; que coloca o “chutinho de moça”(e nem todas!) no time no 2º tempo; que deixa Mancuello e Cuellar no banco; que coloca todo mundo pra trás depois que faz um golzinho; entre outras “amadorices” e, inseguranças de estagiário, infelizmente!!!!!!!

  • GE show na análise tática. Mostra q vários jornalistas esportivos não passa de um bando de meros torcedores. Acho sim q o Zé errou na saída do Everton q foi o melhor em campo p a entrada do Cuella, mas acertou tirando Cirino e colocando Canteros. O problema foi q Canteros tbm não foi bem. Alias todo o meio de campo não foi bem neste jogo.

  • Parabéns. Excelente análise tática.
    Principalmente as grandes redes de televisão tem investido em comentaristas boçais que baseiam suas análises a partir dos resultados das partidas, transformando tudo em uma imensa mesa de buteco.
    Reclamamos diariamente sobre a falta de capacidade dos técnicosbrasileiros e a defasagem deles em relação aos sulamericanos e europeus mas, quando temos técnicos no mesmo nível, os taxamos de covardes.
    Nunca vi nenhum jornalista chamar Bauza, Bianchi ou Simeone de covarde. Talvez, se fossem brasileiros teriam o mesmo destino do Vadão.

  • Enquanto o pensamento da nossa torcida não mudar, mesmo com grandes elencos o nosso time vai oscilar muito, torcida cancerigena, enquanto não passarmos a acreditar no trabalho a longo prazo dos técnicos e continuar xingando após uma derrota nada vai mudar. Eles ainda chamam os outros de “modinhas”, não percebem que esse é o verdadeiro modismo

  • Pergunta básica: O Corinthians “achou” 2×0 contra o Flamengo e colocou 5 cabeça de área para sair no contra-ataque ou enfiou mais 2 e fechou 4×0 ???

    • Exato!
      A questão aqui é que ficam criticando quem tem uma opinião contrária
      O time ta melhor ? Ta!
      Mas mesmo quando ganha leva sufoco pela mania de recuar o time.
      Zé Ricardo continua com erros que ele ja deveria ter caído na real.
      Escolhas de jogadores,substituicao.
      Cirino,fernandinho..MA ontem so fez cagada.

      Ele nao escala os melhores ele escala quem está com ele

    • A resposta foi dada na própria matéria. O estilo de jogo do Fla é diferente e jogadores contestados querendo mostrar serviço por estarem na reserva, se preocuparam mais em ter chances no ataque do que em fechar de verdade para não dar chance ao adversário. Se for ver direito, vai perceber que o Bota não veio com tudo, como seria o caso se o Fla estivesse mesmo com os jogadores recuados e fechado na defesa. Ao contrário, o 3o. gol foi em contra-ataque que chegou nas costas dos volantes sem precisar driblá-los

      • Nas frases : “Mas deu errado por conta do jogo e dos comportamentos inadequados de quem jogou. Não por ele.” A pergunta continua valendo: Quem escala o time ? Quem escalou o Cirino que ficou olhando o lateral passar ? Quem não treina o jogadores para jogar compactados e “mordendo” o tempo todo ? Quem em sã consciência coloca o massaraujo no lugar do Cuellar ????

Comentários não são permitidos.