Resumão: cochilo da zaga, Diego caçado e Gabriel em 45 minutos

Compartilhe com os amigos

A exibição não foi das melhores, mas com um gol aos 44 minutos da etapa final, o Flamengo se manteve no cangote do Palmeiras na briga pela liderança do Campeonato Brasileiro ao vencer a Ponte Preta por 2 a 1 no Kleber Andrade. Com Diego um pouco apagado, quem se destacou foi Gabriel, que só foi parado por um mal estar sentido no intervalo. A pressão do ataque em cima do goleiro rival e um cochilo da defesa também fizeram parte do duelo. Confira os vídeos.

FERNANDINHO TALISMÃ

Assim como na última semana, quando decidiu diante do Figueirense na Copa Sul-Americana, o atacante entrou para definir o resultado contra a Ponte Preta. Aos 44 minutos, pegou rebote após bicicleta de Diego e chutou para o gol vazio.

GABRIEL EM 45 MINUTOS

A participação do camisa 17 limitou-se ao primeiro tempo por conta de um mal estar sentido no vestiário durante o intervalo, mas Gabriel soube aproveitar os momentos em campo. Um chute perigoso de pé esquerdo, o gol de cabeça que abriu o placar e um ótimo passe para Everton resumem a boa atuação. No scout: duas finalizações, duas faltas cometidas e três recebidas, um desarme e três passes errados.

COCHILO DA ZAGA

O sistema defensivo apenas olhou a bola que saiu dos pés do goleiro Aranha e foi parar em William Pottker na entrada da área rubro-negra. Réver, Rafael Vaz e Pará correram, mas não conseguiram impedir o chute cruzado que foi parar no cantinho do gol de Alex Muralha.

DIEGO CAÇADO

O camisa 35 pouco criou e teve sua pior atuação com a camisa rubro-negra, mas a forte marcação adversária também ajuda a explicar a noite apagada. Com quatro faltas sofridas, Diego foi quem mais apanhou durante a partida.

PRESSÃO EM ARANHA

Dois lances no primeiro tempo resumiram a vontade dos atacante do Flamengo em roubar a bola do goleiro da Ponte. No primeiro, Leandro Damião acabou usando força excessiva e cometendo falta. Depois, Everton chegou perto e o próprio Aranha se complicou sozinho.

Fonte: GE

Compartilhe com os amigos

Veja também

  • Gabriel não consegue segurar a bola no ataque, erra muitos passes, dando o contragolpe ao adversário, além de não ser eficiente na recomposição e não conseguir executar contrataques, que é fundamental. O cara é muito peladeiro.

  • Diego sentiu a parte física, mas estava faltando um “cérebro” para jogar com ele, e com a entrada de Mancuello ele subiu de produção. Fato. Para mim esta claro quem deve jogar com ele. Mancuello é inteligente além de muito técnico. Dá certinho.

    • Além disso, o Mancuello divide a marcação. Sempre que o Diego recebia tinham pelo menos 2 ou 3 cercando.

Comentários não são permitidos.