André Rocha: “Alguém ainda acredita em moleza ou “grupo da morte” em Libertadores?”

Flamengo e Grêmio foram os brasileiros que mais chamaram atenção no sorteio da nova Libertadores. O primeiro por enfrentar no Grupo 4 o San Lorenzo, campeão de 2014, o Universidad Católica e, possivelmente o Atlético Paranaense. O segundo caiu na chave de Guarani do Paraguai, Zamora e Iquique.

Pronto. ”Grupo da morte” para os rubro-negros, moleza para o tricolor gaúcho. De novo o pecado de analisar apenas os nomes dos clubes e seu histórico. Como se o Independiente del Valle não fosse o atual vice-campeão da Libertadores e o Nacional do Paraguai não tivesse alcançado o mesmo feito há dois anos.

No mesmo 2014, o Grêmio encarou Atlético Nacional, Newell’s Old Boys e o Nacional uruguaio. Tanto alarde para o grupo dificílimo na teoria e o time gaúcho sobrou fazendo a segunda melhor campanha geral. Para ser eliminado nas oitavas pelo San Lorenzo, segundo pior desempenho entre os classificados que arrancou para o título inédito.

Já o Flamengo entrou numa chave com León, Bolívar e Emelec. Considerada mais que acessível, apesar do trauma da eliminação para os equatorianos em 2012. Pois os dois favoritos terminaram nas últimas posições, fora do mata-mata e o time boliviano na liderança.

Alguém ainda acredita em ”carne assada”? Há como prever o momento dos times mais tradicionais ou a fase dos menos famosos quando começar a fase de grupos daqui a quase quatro meses? Como garantir sucesso dos brasileiros que não chegam à decisão desde 2013?

Sem contar o ”fator estadual”, que na reta final costuma desviar o foco por conta das rivalidades regionais e desta vez ficará mais sedutor pois não baterá mais com as oitavas do torneio continental. Um convite para o deslize.

É claro que o analista é chamado agora para opinar sobre algo que começa em março, depois de duas fases preliminares. Mas convém um pouco de cautela. Ou muita. O equilíbrio vem sendo a tônica das últimas edições. Nada é impossível ou muito fácil antes da bola rolar. Ao contrário da Liga dos Campeões, com os gigantes de quase sempre e pouquíssimas surpresas.

Colocar brasileiros como favoritos e incluir os argentinos e o Atlético Nacional por ser o atual campeão é um clichê perigoso e desconectado da realidade da competição. Na prática, o River Plate, campeão do ano passado, merece o mesmo respeito que o Carabobo, possível adversário do Palmeiras no Grupo 5.

Sem chute ou pretensão de bola de cristal. A Libertadores está cada vez mais imprevisível e isso é ótimo.

Fonte: André Rocha | UOL

  • Vc nota a diferença é grande de 2014 pra 2016,2017. O Flamengo agora é melhor, não sei se vai ganhar a libertadores, mas é melhor isso é.

    • Só lembrando que em 2010 o time era excelente, havia acabado de se sagrar campeão brasileiro com Adriano, Pet e cia…sufoco p passar p oitavas, ganhou cagado do corinthians e foi eliminado nas quartas pela La U (não lembro bem). 2012 foi mais uma tragédia com um time bom e um grupo meia boca. Hoje o grupo pode ser forte, mas a justificativa das “viagens”, por exemplo, não vai colar. Então, caso não se classifique, temos um grupo equilibrado onde qq um pode ficar pelo caminho.

  • 2014 a gente tinha o craque Elano e a grande revelação mundial, Lucas Mugni.

  • Fla sempre em grupo difícil, já times paulistas e gauchos sempre dão sorte.

    Agora com MA, Cirino e Gabriel vai ser difícil.

  • Grupo da morte: Márcio Araújo, Cirino e Gabriel.

    Matam qualquer torcedor de raiva.

  • O Flamengo que deve ser o time temido não os outros do grupo

  • Não existe facilidades numa libertadores…

  • Comparando o Fla de 2014 com o FLAMENGO atual dá pra ver uma diferença absurda pois estamos bem melhor agora

Comentários não são permitidos.