Fla mantém isolamento em relação à empresa que pode herdar o Maracanã

A iminente compra da concessão do Maracanã pela francesa Lagardère ligou o alerta no Flamengo. Após reiterar que não negocia com a empresa para voltar ao estádio, a diretoria está atenta às movimentações para a aprovação do Luso-Brasileiro, na Ilha do Governador, que ainda depende de laudos e liberações de órgãos do Governo do Estado. O presidente Eduardo Bandeira de Mello falou grosso mais uma vez ao ser questionado se o Flamengo voltaria atrás na postura.

Ele não afirmou, mas os principais motivos são: a participação de um dos sócios da empresa BWA na venda de patrocínios para o futuro consórcio – o Flamengo não negocia com a empresa, por discordar da política de venda de ingressos. Outra razão é a proximidade do grupo com a Federação de Futebol do Rio de Janeiro. Por fim, mas não menos importante, a desconfiança de que a Lagardère não cumprirá o prometido, já que o clube tem informações que a empresa não honra seus compromissos nos estádios que administra no Brasil.

– O Flamengo jamais teria condições de firmar uma parceria a longo prazo com uma empresa em que não confiamos. O clube demorou para recuperar a credibilidade, e não podemos colocar isso em risco. Tenho sofrido pressões e questionamentos. Mas é uma decisão definitiva – avisou Bandeira.

A certeza de que o assunto não tem volta é a procura de dirigentes por patrocinadores prospectados pela Lagardère dizendo que foram informados que o Flamengo estará no negócio. A movimentação leva o bastidor político interno a se movimentar. Há quem diga que os franceses estarão ligados a candidatos na eleição presidencial do ano que vem. Até lá, porém, a postura da atual direção é buscar a construção de um estádio próprio, tão logo a Lagardère seja confirmada como herdeira da concessão.

O grupo que administra o clube entende que investirá melhor o dinheiro em um projeto a longo prazo do gênero do que se aliando aos candidatos favoráveis ao Maracanã. No próximo dia 12 de abril, o jogo contra o Atlético-PR ganha ares de despedida do estádio. O palco pode voltar em negociação individual com a Odebrecht, mas dificilmente isso acontecerá com a passagem de bastão aos franceses. Depois de conversar com o Flamengo, a Lagardère teria ido diretamente ao Governo do Estado, o que o clube viu como uma volta. E preferiu ficar sozinho. Assim está.

Fonte: O Globo

Veja também

  • Tenho receio de que o grupo do Bap assuma e feche contrato com a Lagardére. Por isso é essencial o grupo do Bandeira ganhar títulos neste fim de mandato para reforçar a candidatura próxima.

    • Se isso acontecer, pode ser que o conselho deliberativo derrube a decisão.

  • Futuros candidatos a presidência do fla, provavelmente já estão acertados com a Lagardere , que deve vir prometendo mundos e fundos e contratações de peso. Tomara que a torcida mantenha o apoio ao EDM e CIA

Comentários não são permitidos.