Ederson não é o único: Veja outros jogadores que tiveram câncer no testículo

Na manhã desta terça, o Flamengo divulgou em uma coletiva de imprensa que o meia Ederson foi diagnosticado com um câncer de testículo. O tumor foi descoberto após o atleta cair duas vezes no exames anti-doping, feitos em maio.

A chance de cura é de 97%, em especial quando descoberto rapidamente, como é o caso do meia. Ederson não é o primeiro atleta a ter esse tipo de tumor. O câncer de testículo é bem comum entre esportistas em geral. O pivô Nenê, o atacante Robben e o ciclista Lance Armstrong são alguns que já passaram por essa situação.

Nós listamos alguns nomes do futebol que tiveram esse câncer e se recuperaram, alguns voltando até a jogar futebol profissionalmente. Veja abaixo:

Cristiano Andujar/AGIF

O goleiro Douglas Friendrich, destaque do Avaí na temporada, foi diagnosticado com o mesmo câncer de Ederson aos 18 anos. No caso do goleiro, o câncer era maligno e ele voltou aos gramados um ano depois da cirurgia.

Marinho Saldanha/UOL

Magrão, ex-volante do Internacional, foi diagnosticado com a doença em 2012, quando jogava no Oriente Médio. Ele se recuperou, mas por conta do tratamento o ter feito cair no doping, se aposentou em 2016.

Stu Forster/Allsport/Getty Images

Carlos Roa, ex-goleiro da Argentina, descobriu a doença em 2003. Ele ficou afastado do futebol por um ano para se tratar através de quimioterapia – ainda não se sabe se Ederson terá que passar por isso.

Ian MacNicol/AFP Photo

O também argentino Jonás Gutierrez também enfrentou a doença. Ele sentiu dores nos testículos em maio de 2013, durante uma partida da equipe dele contra o Arsenal, na Inglaterra.  O jogador demorou a descobrir e voltou aos gramados em 2015.

Shaun Botterill/Getty Images

José Franciso Molina, do Deportivo La Coruña, descobriu o câncer em 2002 e ficou um ano afastado dos gramados para se curar.

Ben Radford/Allsport/Getty Images

O caso de Alan Stubbs é parecido com o de Ederson. Em 99, ele descobriu o tumor cedo porque caiu no anti-doping. Porém, no caso dele, o câncer se alastrou por outras áreas. Mesmo assim, o jogador teve uma recuperação rápida e 10 meses depois já estava em campo.

 

 

Veja também