VP pivô de discussão entre diretores minimiza confusão

O Vice-Presidente Geral do Flamengo, Maurício Gomes de Mattos, um dos pivôs da discussão envolvendo o presidente Eduardo Bandeira de Mello e o VP de Finanças, Cláudio Pracownik, resolveu colocar “panos quentes” na história. Em áudio divulgado pelo WhatsApp, pede para que o grupo diretivo se mantenha unido. Segundo o dirigente, foi apenas uma “divergência de opinião”.

“Não é hora de a gente fazer movimento de crise. É hora de dar as mãos, e o Flamengo, unido, se torna imbatível. O Claudio é uma pessoa de bem. Não houve absolutamente nada comigo e com o Claudio. Só divergência de opinião, algo normal de reunião do conselho-diretor. Eu estou minimizando, não vale a pena para ninguém. Temos de honrar o presidente Eduardo Bandeira de Mello, que é o presidente do Flamengo. Eu sou o vice-geral. Isso é bom para a imprensa e não para o Flamengo. Peço para os senhores minimizarem o problema, para os senhores estarem unidos tentando mostrar para todo mundo que o Flamengo unido é imbatível. E na desunião todos nós perdemos, tá (sic)? Me desculpem aí com esse assunto que me envergonha, mas tinha de passar isso a vocês, pedir calma, seriedade e união de todos do Flamengo, para a gente sair desses momentos que são momentos tristes, de ver meu nome no jornal, ver meu nome linkado a eleição. É muito cedo para falar de eleição. Não começou nada. Vamos aguardar isso aí. Eleição é só final do ano que vem. Tem muito tempo e a gente tem de trabalhar pelo Flamengo, afirmou em áudio de 1m24s.

Da esquerda para direita: Cláudio Pracownik, Eduardo Bandeira de Mello e Maurício Gomes de Mattos

Entenda a confusão

Na última segunda-feira (16), dirigentes do Flamengo se reuniram na Gávea e durante a discussão de um dos temas, o Vice-Presidente Geral, Maurício de Mattos e vice de finanças Claudio Pracownik acabaram se desentendendo.

De acordo com matéria do Globo Esporte, o motivo da divergência entre os cartolas foi a proposta de reformulação do departamento médico na sede da Gávea, da qual Maurício é contra.

Pracownik afirmou que a decisão em relação às mudanças propostas não podiam ser reflexo das eleições do próximo ano, dando a entender que o vice-geral pretende ‘tomar as rédeas’ do Clube. Mauricio respondeu, questionando se Pracownik não tinha

Durante a discussão, Eduardo Bandeira de Mello acabou derrubando um copo de água na mesa, na direção de Mattos, que – irritado – abandonou a reunião.

A reportagem do GE tentou contato com a assessoria de imprensa do Flamengo, que não quis comentar o assunto. Assim como nenhum dos envolvidos no caso.

Tanto Maurício quanto Pracownik são possíveis candidatos à presidência do Flamengo no próximo ano, sendo que o segundo conta com o apoio de Bandeira e o grupo “SóFla” (do grupo “Sócios pelo Fla”).

Veja também

  • Cara de bobão, esse cara.

  • Citaram pivô e eu pensei que fosse o Guerrero.

Comentários não são permitidos.