GE: “Trio erra muito em noite de recorde de cruzamentos e solução aérea no Fla”

O bloqueio defensivo do Junior Barranquilla tem sua parcela de “culpa”. Mas a análise da virada emocionante do Flamengo sobre o time colombiano passa pela jogada que o time conseguiu ser mais eficiente nas últimas partidas: a jogada aérea. Foi pelo alto que Arão empatou para classificar o Fla nas quartas contra o Flu. E também pelo alto que Arão ajeitou para o golaço de Vizeu contra os colombianos.

Diego se mexeu bastante, como de hábito, mas teve pouco brilho se desdobrando também na marcação (Foto: Reprodução)

Éverton Ribeiro pouco saiu do lado direito e foi quem mais errou passes no jogo: foram 11 falhas ao tocar a bola (Foto: Reprodução)

Mancuello fez bom primeiro tempo e finalizou com perigo duas vezes na primeira etapa. Jogador tentou sair da esquerda (Foto: Reprodução)

Arão teve mais cuidados defensivos, mas apareceu na área para ajudar no gol de Vizeu (Foto: Reprodução)

Com atuação apenas razoável dos principais articuladores do time – Diego e Éverton Ribeiro – e finalizações boas de Mancuello no primeiro tempo, o Flamengo atingiu recorde de jogadas aéreas na Sul-Americana: foram 41 bolas levantadas – de acordo com levantamento do site Footstats.

Compacto, o time colombiano conseguia pressionar o Flamengo no meio de campo. Foram 52 passes errados pelo time de Rueda. A solução, mais uma vez, parecia vir pelo alto. Foi assim que Réver quase empatou no início da segunda etapa e Juan marcou aos 30 minutos. No primeiro tempo, Vizeu perdeu chance em cruzamento de Pará da intermediária de ataque rubro-negro.

Na partida que mais cruzou na Sula, foram 28 tentativas frustradas e 13 corretas. Em duas delas, Juan e Vizeu viraram o jogo (Foto: Reprodução)

Diego, Éverton Ribeiro e Arão, que tentava surpreender o Junior saindo de trás, erraram bastante na partida. O trio errou 23 passes (Ribeiro, 11, Diego e Arão seis cada um) – o que representa quase metade (44%) do Flamengo na partida – 52 ao todo. Os gols saíram em dois lances isolados de Trauco. Primeiro num escanteio. Depois, em outro lançamento da intermediária.

Em toda a temporada, o gol de Juan foi o de número 27 de cabeça. O que significa pouco mais de 20% dos 129 no ano.

Fonte: globoesporte.com

Veja também

  • Terceira matéria com o mesmo tema do GE. E nenhuma cita a desorganização e o espaçamento da equipe depois de ficar atrás no placar. O desempenho ontem foi muito influenciado pelo lado emocional, tanto positiva quanto negativamente. Quando o time mostrou equilíbrio, lembrou a equipe do primeiro tempo contra o Corinthians.

  • Nem mesmo a raça e determinação do Diego o exime do baixo aproveitamento. Aarão, sabe como é, uma “moça fria com ataques de pânico quando o bicho pega. E Éverton Ribeiro…ah… Éverton Ribeiro…pode ser a falta de uma pré-temporada, algum desconforto físico ou tático ou mesmo a má fase característica a qualquer atleta do esporte mas, convenhamos: num tá jogando nada a criança.

Comentários não são permitidos.