VP Geral do Fla se reúne com clubes sul-americanos para troca de ideias e experiências

A semana tem sido movimentada para o vice-presidente geral do Flamengo, Maurício Gomes de Mattos. Depois de se reunir com representantes do Boca Juniors, o que acabou gerando rumores sobre uma possível transferência de Paolo Guerrero (clique aqui para ler a matéria), o VP, ainda em Buenos Aires, se reuniu com Gustavo Silikovich, gerente geral do River Plate. O próprio Maurício publicou em sua conta no Twitter sobre as visitas aos clubes argentinos:

Grande aprendizado nesse fim de semana em Buenos Aires! Conheci também o Gerente Geral do @carpoficial, Gustavo Silikovich, River Plate! Mais troca de informações e experiências sobre o futebol na América e no mundo. ¡Muchas Gracias! E até breve!!! #Flamengo #Fla #riverplate“.

Mauricio Gomes de Mattos trocou experiências com o vice-presidente Geral do Los Millonarios para trocar experiências no futebol Sul-Americano, e aproveitou para conhecer o Estádio Monumental de Núñez.

Vale lembrar que Flamengo e River Plate se enfrentam no dia 28 de fevereiro, no Maracanã. A partida será válida pela primeira rodada da fase de grupos da Libertadores. Por conta das brigas na final da Copa Sul-Americana, os portões estarão fechados ao público.

Veja também

  • Acho que essa libertadores vai ser a mais chata nos últimos anos mas se quer ser campeão é passar em 1° nesse grupo.

  • Tem que aprender mesmo, tem cada time bosta que chega nas fases finais da libertadores e nosso time absurdamente superior a eles toma porrada na fase de grupos. Até o Botafogo, Jorge Wilstermann, Independiente del Valle, Guaraní do Paraguai e outros times tão indo bem mais longe.

    • Sim, isso acontece muito. Na minha opinião é por falta de um bom treinador, o Flamengo só não se acertou até agora porque não teve um grande treinador, se um Tite da vida pega um time bem administrado e bem financeiramente igual o Flamengo o cara cria uma hegemonia, mas a diretoria tem que dar carta branca. Só pegar o exemplo do Manchester City que foi atrás do Guardiola e ta gastando dinheiro comprando todo mundo que ele pede, coisa que o Bayern não fez, o corinthians só ganhou o brasileiro por causa do Carille que aprendeu com o Tite.

  • Veja se além de ideias e experiências eles não querem trocar tbm o Vaz em algum jogo de camisas.

    • kkkkkkk sem possibilidade de devolução

  • isso é muito importante parabéns

  • Parabens!

  • Importante essa busca de conhecimento, ver o que é feito nos nossos maiores rivais da América. Sei que integrantes da diretoria do Flamengo também visitaram grandes clubes europeus, nosso CT é inspirado no do Chelsea se não me engano, isso é muito bom pro Flamengo e pro futebol brasileiro.

    • Sim, eles estão de parabéns nisso, porém ainda acho que falta eles prestarem atenção na parte tática do time, fazer mais ou menos oque a Alemanha fez a partir de 2002, reconhecer que ta jogando de maneira errada e tentar entrar no caminho certo quanto ao modelo de jogo. Na minhã opinião esse é o motivo do corinthians ter ganhado tantos títulos nos últimos anos, porque além do Tite e seus discípulos (Carille) serem muito bons, os times do brasil estão atrasados quanto a isso e em terra de cego quem tem um olho é rei.

      • Tática quem muda é treinador, não dirigente. O que fazem é buscar treinador com determinado perfil, mas no Brasil é difícil, três derrotas e tão pedindo a cabeça.
        Quem pediu o Rueda foi a própria torcida, a diretoria não é a única culpada, mas pelo que parece vão mudar essa postura, mais pra frente o Carpegiani fica de coordenador técnico e vão apostar num treinador jovem que tenha qualidade.
        O Grêmio jogou maior parte de 2017 num 4-3-3 disfarçado, com um meia com liberdade pra atacar pela direita e um atacante pela esquerda e foi campeão da Libertadores, o que nos atrapalhou ano passado não foi o esquema, mas as peças. Muralha entregou o que pôde, Vaz e Márcio Araújo foram titulares na Libertadores, Diego se machucou, demorou a voltar e quando voltou não jogou do mesmo nível, Matheus Sávio que pouco vinha jogando entrou no jogo mais importante do ano, Pará caiu muito no segundo semestre, Trauco não sabe marcar, Everton Ribeiro e Geovanio vieram totalmente fora de forma e ritmo, Guerrero quase não entrou em campo no segundo semestre. Isso tudo e mais um pouco nos atrapalhou mais que o 4-3-3.
        Esse ano com a base do time formada desde o início, com o treinador desde o início da pré temporada, com os perebas saindo, tem tudo pra ser um ano bom, seja no 4-3-3 ou no 4-1-4-1.

        • Sim, disso mesmo que tô falando, que a diretoria tem que definir um estilo de jogo que quer pro time e só investir em treinadores nesse estilo, pra evitar grandes mudanças quando trocar de treinador. Além disso, eu acho que o maior problema não é so esquema de jogo e peças mas também a maneira como os jogadores se comportam, até hoje os jogadores não marcam o espaço direito (no momento defensivo), fica saindo pra dar combate toda hora. Não jogam simples, dando sempre opção de passe, não prendendo muito a bola quando tem alguem pra receber e escolhendo sempre as opções que são mais possíveis de sair gol. Repara o Corinthians jogando pra você ver, eles treinam as opções mais fáceis de sair gol, é produtividade alta, não tem essa de ficar perdendo gol se tinha uma opção melhor, isso já tá trabalhando na cabeça dos jogadores. Acho que isso tem que ser cobrado, produtividade, não apenas ter um jogador porque ele faz alguma jogada bonita mas sim pelo tanto de assistências e gols ( dando exemplo de um jogador de meio campo/ataque).

          • Sim, concordo. Vejo os jogadores do Flamengo muito individualistas, isso é falta de comando. Vamos ver como o time vai ser comportar com o Carpegiani ao longo da temporada.

          • Sim, espero que ele alinhe o time e os façam jogar como um só, sem individualismo e fazendo uma maneira de jogar coletiva e forte, para que quando tirar uma peça e colocar outra essa que entrar já saber oque fazer e assim diminuir ao máximo o impacto da troca.

          • Sim, por isso que gostei da entrevista do Paquetá, em que disse que o Carpegiani sempre diz que o que importa é a função em campo e não o jogador.

  • Temos que destruir eles.

Comentários não são permitidos.