Sub-15 é campeão invicto da Nike Premier Cup e representará o Brasil no mundial da Áustria

Com campanha invicta e grandes atuações ao longo de toda a competição, a equipe Sub-15 do Flamengo sagrou-se campeã da Nike Premier Cup, importante torneio que reuniu as principais equipes do futebol brasileiro no CT da Red Bull Brasil em Janiru, interior de São Paulo. Com o título, conquistado após empate por 1×1 (Diego) contra o São Paulo no tempo normal e vitória por 3×2 na cobrança de pênaltis, os Garotos do Ninho não só garantiram o título nacional como estão classificados para a final mundial em agosto, na Áustria, quando defenderão as cores do Brasil contra os campeões nacionais de vários países de todos os continentes.
Atuando pelo sexto dia seguido sem descanso, Flamengo e São Paulo entraram em campo para a grande final nacional muito desgastados fisicamente. Com isso, o que se viu foi um jogo muito brigado e equilibrado, sem muitas chances de gol para os dois lados, porém com o Mais Querido melhor em campo. Após um primeiro tempo sem gols, o zagueiro Diego abriu o placar para o Rubro-Negro aos oito minutos da segunda etapa. João Pedro cobrou escanteio, Ryan ganhou a disputa de cabeça contra o goleiro são-paulino e Diego, muito bem posicionado, complementou para o fundo das redes. Aos 18 minutos, a arbitragem assinalou pênalti e a equipe paulista deixou tudo igual, levando a decisão do título para a disputa de penalidades.
Assim como na semifinal contra o Grêmio quando pegou uma cobrança, a estrela do goleiro rubro-negro Christian brilhou mais uma vez. Dessa vez, ele defendeu duas cobranças e ajudou os Garotos do Ninho a levantarem mais uma taça.
“Antes de virmos jogar essa competição, o Breno, nosso preparador de goleiros, conversou muito comigo sobre aas cobranças de pênaltis, me alertando para sempre esperar a decisão do cobrador até o último segundo. Tanto na semifinal contra o Grêmio quanto na final de hoje contra o São Paulo, me concentrei muito nas coisas que ele havia me passado e confiei demais nele e na minha explosão. Graças a Deus pude contribuir com três defesas e ajudar a equipe a se sagrar campeã”, disse Christian, que completou: “Conquistar um título vestindo o Manto Sagrado é uma emoção única. É indescritível. É minha segunda conquista pelo clube, e a emoção é ainda maior. O gosto é maravilhoso. Vamos comemorar muito e nos preparar ainda mais para que venham muitos outros ao longo dessa temporada”, finalizou o paredão rubro-negro.
“Fico muito feliz pela conquista de um título tão importante. Mas mais feliz e honrado ainda em ver o amadurecimento desses meninos fora do campo. Eles foram perfeitos ao longo de toda a competição, fizeram absolutamente tudo o que foi demandado pela comissão técnica e não tenho dúvidas de que, aliado à capacidade técnica deles, esse foi um fator fundamental para essa conquista”, disse o treinador Mario Jorge.
Ele também falou sobre o significado do título para o clube e a possibilidade de a categoria disputar mais uma competição de alto nível contra equipes estrangeiras: “Sem dúvidas que essa é uma conquista que trará um marco para a carreira desses meninos, que ainda estão em formação. É um título importante, inédito para o clube, e que nos dá a possibilidade única de competirmos em alto nível no exterior, vivendo novas culturas e aprendendo a enfrentar um sistema de jogo diferente do que o que estamos acostumados no Brasil. Só temos a ganhar”, finalizou Mario Jorge.
Na final, o Flamengo entrou em campo com Christian, Samuel, Kaiky, Diego, Jorge, Leo, Dudu, Daniel, Oliveira, Ryan e João Pedro. Treinador: Mario Jorge.
12 Comentários
  • Show! Estou esperançoso com Reinier do sub-16 (ou sub-17).
    Teremos um meia bastante ofensivo, com habilidade e agilidade para construir jogadas. Será tipo o nosso Luan, quando o Renato chegar em 2019 ou 2020.

  • Muito bom. A diretoria do Fla tem feito o dever de casa nesse aspecto e assegurado pra si, o maior percentual do passe do atleta, já que o CRF é o clube formador do jogador. Assim o Fla acaba com o império dos “agentes/empresários” que detinham a maior parte dos direitos dos atletas que ao serem vendidos recebiam o filet mignon e o Fla ficava com os trocados. Isso acabou e o Flamengo não aceita mais, promover ninguém a não ser que tenha pelo menos 80% dos direitos federativos.
    Parabens ao Bandeira e à sua diretoria, especialmente por termos visto no passado, inúmeros craques de seleção do Fla, vendidos por altos valores sendo que e o Clube, ficava com o cascalho e a parte do leão ia para os agentes/empresários.

  • Com certeza EBM fez o melhor para a base. Trabalho top. Já o time titular foi apenas razoável nos seis anos do mandato. Financeiramente melhoramos muito, mas desperdiçamos grana ao gastar 158 milhões com jogadores que dão pouco retorno. A chance agora, se há justiça, pertence aos azuis originais que apoiaram EBM, mas não foram aproveitados corretamente pelo EBM.

  • Criação de sites e aplicativos para celular