Uma bola que viaja pela eternidade

Foi ali, com os joelhos no concreto e os olhos vidrados numa bola que o tempo parou pela primeira vez na minha vida. Ela viajou por uma eternidade, passando até hoje em frente aos meus olhos. Foi a primeira vez que senti a eternidade de perto, até que aqueles segundos infinitos terminassem em uma explosão sem igual.
Sem qualquer exagero, o rival do outro lado tinha um dos melhores times do mundo à época. Nós, aos remendos, com problemas internos, externos e com nossos principais astros se detestando no vestiário e fora de campo. A vantagem toda deles, assim como a vontade que tinham em não permitir mais um vice.
Tínhamos a camisa, a torcida, um Velho Lobo no comando e tínhamos alguns nomes, é verdade. Não tínhamos exatamente um time, mas era Flamengo. Tínhamos a raça e a raiva, a motivação dada por declarações de um gângster do futebol que garantiu o chopp e cantou a vitória antes do tempo. Tínhamos brio mesmo sem salário e tínhamos raça, mesmo sem ter muito compromisso.
Nos interessando apenas a vitória, o rival atacava, parando em uma das atuações históricas do maior goleiro que vi vestir nosso Manto. Julio Cesar foi herói, foi milagreiro, foi gigante. Beto deu fluidez a um meio de campo, guerreando e saindo, querendo mais. Edilson, com seu gol de pênalti e voando sozinho para fazer o segundo em centro perfeito de seu desafeto, foi indomável.
Atormentados pelo travessão e pelo filho do vento, o 2 a 1 não bastava, o tempo parecia voar como cada pique do Euller. Leandro Ávila e Juan sofriam com um cara que tinha asas nos pés, mas bastava Julio Cesar.
Em uma falta muito distante, em um dia não tão inspirado e, como a gente costuma dizer, na bacia das almas, Pet toma pra si uma cobrança que não lhe caberia dentro das condições normais de um jogo. Poderia parar por aqui e dizer que o resto foi feito pela camisa 10 em vermelho e preto, mas foi Pet.
Foi ele, naquele 27 de maio de 2001, fez o tempo parar enquanto a bola viaja para o único lugar em que seria indefensável. Naquele instante eterno, o Maior do Mundo viveu um século. Ali, naquela arquibancada, vimos a história ser feita. Enquanto a bola viajava pelo infinito, as mãos aflitas se agitavam, ou rezavam, como Alessandro no banco de reservas.
E assim, quando o tempo parou de parar, a Nação explodiu em festa e o Maracanã se tornou palco do nosso espetáculo mais uma vez.
Eu era um garoto de 13 anos e ali foi o palco do meu primeiro porre de felicidade.
Thigu Soares
Twitter: @thigusoares

Veja também

  • eu não ouso comentar aquele instante do gol de Dom Pet,
    pois não tem explicação, não tem palavras ,
    só deu pra sentir… tudo!

    • Boa!

  • O meu foi em 1968. Flamengo x Vasco, Maracanã lotado, eu e meu pai espremidos na arquibancada. Falta a favor do Flamengo, e o zagueiro Onça vai bater. Com categoria, lança a bola por cima da barreira, e ela entra mansa, no ângulo direito. Eu lembro do grito da torcida, olhei pro lado e vi aquela massa de gente, como se uma mão invisível estivesse sacudindo o Maracanã. Senti um arrepio…e uma alegria que nunca havia sentido…sem saber como e nem porque, de uma forma absolutamente irresistível, comecei a pular, junto com meu pai, o mais rubronegro dos rubronegros que conheci. Mais até do que eu. Ali, o Flamengo ganhava mais um torcedor…

    • Incrível, Fernandel! Incrível! SRN!

      • Meu querido Thigu, foi a sua bela matéria que fez surgir essa lembrança antiga. Foi uma emoção tão forte e tão verdadeira que dura até hoje…eu tbm tinha 13 anos, quando aconteceu.
        Uma vez Flamengo, Flamengo até morrer!
        SRN

  • Foi o GOLAÇO de falta de PET, não foi??? Petkovick um ídolo eterno. Isso é flamengo, isso é saudade gostosa…

    • Exato.
      O gol ficou conhecido como “O Milagre de Petkovic”.

      Fiz a sugestão da postagem mais cedo.

Comentários não são permitidos.