Uol: “Sem Damião e atrás de Guerrero, Inter prepara reciclagem do ataque”

Em comparação ao início do ano, o Internacional está reciclando seu ataque. Sem certeza sobre Leandro Damião, que passará por tratamento na cervical, e atrás de Paolo Guerrero, o clube está prestes a mudar totalmente a linha de frente faltando pouco mais de quatro meses para terminar a temporada.

Quando abriu 2018, o Colorado acreditava ter resolvido o problema. Tinha Damião vindo de um ótimo aproveitamento na Série B, eleito inclusive como pilar do retorno à elite, e contratou Roger, que se recuperava do tratamento de um tumor mas tinha feito boa temporada antes do diagnóstico pelo Botafogo.

Além disso viu surgir o jovem Brenner na Copa São Paulo e não tardou a colocá-lo no elenco. Nico López ou mesmo William Pottker eram alternativas e vez por outra também apareciam ali.

Mas o Inter mal sabia o que estava por vir. Primeiro Damião não conseguiu se manter. Ficou dois meses afastado no princípio da temporada por conta de uma contratura na cervical. Voltou, jogou, mas viu o problema se repetir e agora consultou um especialista para iniciar tratamento. Não tem previsão de volta.

Ainda viu Roger ir mal nas oportunidades que teve e pedir para ser negociado com o Corinthians após se recuperar totalmente. A solicitação causou revolta e descontentamento interno no clube, que não pensou duas vezes em liberar o jogador. Brenner, por sua vez, teve poucas oportunidades e ainda é considerado insuficiente para partidas mais duras. Segue no banco de reservas.

Há aproximadamente 20 dias, o clube anunciou a contratação de Jonatan Alvez, que chegava para ser alternativa e agora é praticamente a única opção na frente. O uruguaio já fez dois jogos e marcou um gol.

Paolo Guerrero é desejo antigo da direção vermelha. Enquanto observa o desfecho de seu contrato no Flamengo, o Colorado se reúne nesta quarta-feira com membros da empresa DIS para apresentar um projeto de parceria na contratação dele.

A meta do clube gaúcho é firmar um contrato de três anos, com vencimentos entre R$ 500 e R$ 650 mil de salários. Desta forma, trocaria titular e reserva do ataque antes do fim do ano e completando a reciclagem forçada no setor.

Reprodução: Uol Esporte

Veja também

  • RECICLAGEM?????KKKKKKKKKKKKKK

Comentários não são permitidos.