fbpx

Mauro Cezar aponta desafios do próximo presidente do Flamengo

FOTO: DIVULGAÇÃO / FLAMENGO

O Flamengo saberá, neste sábado (08), quem irá comandar o clube no próximo triênio, de 2019 a 2021. Nos últimos seis anos, o Fla foi dirigido por Eduardo Bandeira de Mello, que, entre acertos e erros, finaliza o seu período no Rubro-Negro com um saldo positivo administrativamente. Como nem tudo são flores, alguns equívocos aconteceram, e Mauro Cezar Pereira, da ESPN, apontou alguns desafios para quem for vencedor na eleição que está acontecendo na Gávea.


Compre capinhas oficiais do Mengão para seu celular. São diversos modelos para você escolher o que mais combina contigo. CLIQUE AQUI para conferir!


Concorrem ao cargo mais importante do clube: Ricardo Lomba, da Chapa Rosa, que representa a situação, e os opositores Rodolfo Landim, da Chapa Roxa, José Carlos Peruano, da Chapa Amarela, e Marcelo Vargas, da Chapa Branca. Em entrevista ao jornal O Dia, Mauro Cezar comentou sobre a mudança de postura que terá que ter o novo presidente, cobrando os atletas, para que o futebol do Fla se torne vencedor novamente, ganhando títulos de expressão, o que não acontece desde 2013, quando o Mais Querido conquistou a Copa do Brasil.

É preciso acabar com o paternalismo que foi instituído no futebol do clube, com uma relação muitas vezes protetora com o elenco — isso chegou a ser dito publicamente pelo presidente. Os jogadores, inúmeras vezes, mostraram não se abalar com a derrota. Essa mentalidade tem que ser chutada de departamento de futebol e isso vai envolver a saída de alguns jogadores. Todo elenco tem uma liderança. E, certamente, algumas lideranças são símbolos dessa postura acomodada, acostumada com a derrota, que não fica indignada. Isso é mas importante que qualquer contratação. Para mudar essa mentalidade, as pessoas que vão gerir o futebol têm que ser muito firmes, claras e rigorosas —, disse o jornalista sobre cobrança, complementando sobre mudança de postura.

É preciso estabelecer uma nova ordem, uma nova forma de trabalhar e lidar com os resultados. Mas isso não é só culpa dos jogadores. Essa mentalidade foi instituída de cima para baixo. O Flamengo acumulou fracassos sempre com muita tolerância, muita paciência, achando que as coisas mudariam de uma hora para outra. O resultado foi que, em seis anos de gestão, foram apenas três títulos — dois Estaduais e uma Copa do Brasil inesperada, improvável  — e quatro vices —, falou o repórter.

Embora o Flamengo tenha conquistado apenas dois campeonatos cariocas (2014 e 2017) nos últimos cinco anos, Mauro Cezar Pereira não vê o elenco de jogadores de forma negativa, referindo-se à qualidade. Entretanto, o jornalista ainda acredita que há carências em alguns setores: “O elenco tem bons valores. Não é perfeito, tem algumas carências, mas é muito acima da média para o futebol brasileiro“.

O Flamengo é apontado como um dos clubes brasileiros mais bem administrados. Não à toa, venceu alguns prêmios desde que Eduardo Bandeira de Mello tornou-se presidente do clube. Porém, Mauro Cezar vê alguns erros pontuais na gestão Bandeira. Dentre elas, o repórter aponta o estádio da Ilha do Urubu, que foram gastos milhões de reais e ficou aberto durante poucos meses, devido a queda de torres no campo após forte tempestade, além do caso Conca, que foi contratado e atuou em apenas poucos minutos com o Manto Sagrado.

A Ilha do Urubu custou mais de 20 milhões de reais e foi pouco utilizada. Era uma ideia interessante, mas deu quase tudo errado. Preços exorbitantes afastaram o torcedor, caíram as torres de iluminação, o Flamengo abandona sem mais nem menos… Foi dinheiro jogado fora. Teve também o episódio Conca, que foi uma negociação até interessante. Era só não escalar o jogador sem condições físicas adequadas, mas escalaram, e isso gerou um custo pro Flamengo. Aí você gasta três milhões aqui, vinte ali… Botando na ponta do lápis, o clube gastou um dinheiro que daria para contratar um bom reforço —, afirmou Mauro.

Por fim, Mauro Cezar Pereira falou sobre o favoritos que concorrem ao pleito, que são Ricardo Lomba, Chapa Rosa, e Rodolfo Landim, Chapa Roxa. O jornalista não acredita em uma mudança na forma de gerir o clube administrativamente, embora veja alterações na conduta do novo presidente na forma de lidar com o futebol rubro-negro, que tem sido criticado por parte da torcida e da imprensa.

Os principais candidatos são dois: o Ricardo Lomba, atual vice de futebol e da situação, obviamente, não é o cara que vai mudar a política que tem sido feita ao longo desses anos, e o Rodolfo Landim, que é da oposição, na verdade, é mais antigo nessa história que o próprio Bandeira. Faz parte do grupo original que se reuniu para tirar o grupo que estava há muito tempo no poder e mudar o Flamengo. Então, as coisas não devem mudar muito nas finanças. O Flamengo deve continuar acertando mais do que errando —, finalizou.

2 Comentários

  • Muito obrigado EBM por recolocar o Flamengo no caminho do estrelato….vc plantou e não consiguiu colher porque a terra q vc pegou estava arrasada ..mas é hora de mudar….e o Landim vai dar prosseguimento a seu trabalho..

  • EBM teve seus méritos, não há como negar. Uma reestruturação importante. Gosto do Mauro, apesar de as vezes extrapolar em algumas críticas, mas acredito que por vezes deixa o lado torcedor falar mais alto, afinal qual flamenguista (E ele é) não se revolta com os insucessos. Obrigado EBM, mas precisamos oxigenar a turma, alçar novos vôos. Uma nova direção, com ambições de títulos e sem comprometer o financeiro.

  • Criação de sites e aplicativos para celular