Rodrigo Coli: “Que a justiça seja feita”

FOTO: ALEXANDRE VIDAL/FLAMENGO

Renê, ainda que não chegue aos pés dos grandes laterais esquerdos que já consagraram o nosso manto, tem cumprido bem o seu papel. Sua evolução – acompanhada da sobrevida de Trauco – foi reconhecida pela diretoria, que já abortou a ideia de arcar com novos investimentos para o setor. Eleito o melhor da posição no último Brasileirão, o piauiense se destaca pela primazia defensiva, com boa marcação e bons desarmes, e tem driblado suas deficiências técnicas com jogadas mais simples e objetivas quando no ataque. Mostrou inclusive melhora em seus cruzamentos, quesito outrora bastante criticado pela torcida rubro-negra.

Seu crescimento vem desde meados da temporada passada, mas é o início de 2019 que traz mais consistência para sua boa forma. Explica-se: a chegada de Abel Braga reacendeu as esperanças de Miguel Trauco de lograr sucesso com a camisa do Flamengo. O peruano, que começou o ano praticamente negociado, acabou mantido e recebeu oportunidades muito bem aproveitadas, mantendo seu excelente desempenho com assistências e jogadas técnicas, apesar dos fracos adversários não terem efetivamente testado suas limitações defensivas. Ainda assim, Abel segure priorizando a titularidade de Renê e não deu sequer indícios de que tem dúvidas no setor, passando bastante confiança em seu futebol.

Muitos se recordam dos altos e baixos vividos pela dupla na temporada passada. O curioso, entretanto, é que Renê começou a dar resposta em campo justamente após o episódio em que o comentarista Juninho Pernambucano acusou a torcida do Flamengo de criticá-lo por ser, nas palavras do ex-jogador, “feio e nordestino”. Confesso que até me surpreendi, na época, com as palavras do ex-jogador, que pareceu se esquecer de Ronaldo Angelim, Júnior e demais ídolos. Mas isso é outro papo.

Ontem, no extasiante Fla-Flu, Renê talvez tenha feito seu melhor jogo com a camisa rubro-negra. Diferentemente do que é praxe, participou muito bem de jogadas ofensivas, criou oportunidades e marcou um golaço de fora da área, em um tiro digno de Renato Abreu. Merece o título de melhor em campo, mas seu principal mérito vai ser seguir com a boa forma.

Valeu, Renê! Estamos na torcida pelo seu futebol!
SRN!
Rodrigo Coli
4 Comentários
    • Não é e nunca pretendeu ser um craque, até por causa de suas limitações. Ele tem mostrado vontade, tem um bom cruzamento, não inventa com a bola nos pés (ele sabe de suas limitações), tem puxado contra-ataques e é raçudo… Pronto! Taí um clássico jogador do Mengão.

  • Criação de sites e aplicativos para celular