Jornalista detalha como será a ’empresa Fla-Flu’ que vai administrar o Maracanã

FOTO: DIVULGAÇÃO / FLAMENGO

Não é segredo que o Flamengo tenta há anos assumir o controle da administração do Maracanã, visando, principalmente, ter menos prejuízo/despesas em suas receitas no estádio. O Rubro-Negro, em conjunto com o Fluminense, fez uma proposta ao governo do Rio de Janeiro, que foi aceita. Com isso, o Fla, junto com o Flu, assumiu o controle da praça esportiva. O jornalista Rodrigo Mattos, do site Uol Esporte, escreveu sobre o assunto.

Em seu blog no site, Rodrigo Mattos detalhou minuciosamente como os dois clubes farão para administrar o Maracanã nesses próximos seis meses que terão o controle do local. Uma “empresa Fla-Flu” será criada, sendo responsável por cuidar das finanças do estádio, como despesas, receitas, manutenção, dentre outras coisas.

Leia os tópicos:

1) A proposta de Flamengo e Fluminense aceita pelo governo envolve o pagamento de todas as despesas de operação e manutenção do estádio por seis meses, mais um repasse mensal de R$ 230 mil para o governo do Estado (R$ 167 mil para custear equipamentos esportivos, e R$ 64 mil referente à visitação). A permissão é por seis meses, renováveis por seis meses.

2) A previsão é os clubes assinarem o contrato na próxima sexta-feira. Na ocasião, terão de dar uma garantia bancária no valor de R$ 700 mil. Isso representa 5% da avaliação patrimonial do Maracanã.

3) Com a gestão do estádio, Flamengo e Fluminense criarão uma empresa para gerir o estádios. As rendas dessa empresa virão dos aluguéis para jogos, pagos inclusive pelos dois, de shows e visitação do Maracanã, entre outras receitas que venham a ser criadas. Receitas e custos serão divididos meio a meio entre os dois. A estimativa é de que o custo do estádio é de R$ 28 milhões por ano, fora as operações de jogos. Por seis meses, os dois devem ter de investir em torno de R$ 16 milhões a R$ 17 milhões para manter o estádio.

4) As bilheterias dos clubes e vendas de bebidas e comidas nos jogos são receitas próprias de cada clube, separadas, e não vão para a conta da empresa. Cada clube pagará aluguel de R$ 90 mil por jogo, R$ 30 mil a menos do que com a Odebrecht, e Botafogo e Vasco terão as mesmas condições. As despesas de operações de jogos, segurança, limpeza, luz e água, continuam a ser pagas pelos clubes no borderô.

5) A vantagem para os clubes é que a expectativa é de que queda das despesas de jogos assim como do aluguel. Por exemplo, o Flamengo teve renda de R$ 2,5 milhões do jogo com o Peñarol e teve de pagar um aluguel bem mais alto do que os R$ 90 mil. Sem o intermediário que prevê lucro, sobra mais da bilheteria.

6) A expectativa de Flamengo e Fluminense é que a empresa gestora fique no zero a zero, ou seja, empate receitas e despesas. Ou que tenha uma perda pequena. Assim, o ganho vem nas suas rendas de jogo.

7) Fla-Flu dividem igualmente as decisões sobre o estádio como calendário de jogos, expansão de eventos para aumentar receitas, etc.

8) Ao assumir o estádio por seis meses, com possibilidade de mais seis meses, a dupla Fla-Flu terá condições de conhecer plenamente o custo real do estádio, assim como possibilidades de aumento de receitas. O Flamengo já tem conhecimento em parte dessa conta, mas com a gestão vai poder avançar bastante neste aspecto. Assim, os dois clubes esperam estar mais preparados para a licitação que o governo fará para uma Parceria Público-Privada.

Veja também

  • Onde que construir um estádio custa 750 mi conversa fiada do landim

  • O Maracanã já era! Flamengo precisa de um estádio próprio, nem que seja em Niterói.

  • Eu quero saber depois qual vai ser o lucro com o estádio cheio,vamos ver mais pra frente .

  • Caramba! Quem pensa que o Flamengo tenha que despender cerca de R$ 750 milhões para fazer um estádio para dizer ser seu é loucura.
    primeiro – Não há local melhor do que onde se encontra o Maracanã para se ter um estádio que se dê lucro no Rio.
    Segundo – Veja o caso do Engenhão, um estádio bom, bonito em um local que mesmo tendo bom fluxos de carros e trens no local o mesmo não consegue encher e não falo do Botafogo e sim do próprio Flamengo que inúmeras vezes lá jogou e não conseguia lota-lo a não ser em uma final.
    Terceiro – Os clubes além das rendas terão vendas de bebidas e comidas nos jogos, onde serão receitas próprias do clube e não aparecerão no borderô.
    Quarta – Então com a criação da empresa Fla x Flu para gerenciar o Maracanã veremos que o estádio não dá prejuízo, pois esses prejuízos era simplesmente usado pela empreiteira para forçar o Estado a ceder na construção de um estacionamento e um Shopping nas dependência onde se encontra o estádio Julio Delamari.

  • Será excelente esse prazo pra entender de uma vez por todas que o Maracanã é uma “arena” inviável.
    Os Romanos já fizeram esse estudo e largaram o Coliseu tem 1500!
    O Flamengo tem que partir para uma arena própria, simples, confortável e enxuta…

    • MUIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIIITO BOA!!!!

    • MUIIIIIIIIIIIIIIIIIIITO BOA ESSA!!!!!!!!

  • Melhor ter uma parceria com Fluminense do que com Vasco ou Botafogo (apoiadores e simpatizantes da FERJ)

Comentários não são permitidos.