Fábio Monken: A falácia do “futebol de resultado”

Salve, Salve, Nação Mais Linda do Mundo!

 Mais uma jogo na tarde de ontem, e mais uma retranca fenomenal ao estilo Abelão de jogar. Nosso Mengão foi escalado com três volantes e postou-se defensivamente em quase a totalidade da partida, para ira da Magnética e deleite da pseudoimprensa esportiva nacional.

Quanto à partida, achamos um gol numa das poucas jogadas lúcidas de nosso ataque/meio-campo e fechamos, literalmente, a casinha. No final, mesmo o empate podendo ser considerado um bom resultado, devido a termos atuado com os reservas, pudemos ter a sensação que poderíamos ter saído do Morumbi com uma vitória a um adversário direto.

 Essa é a leitura que faço do jogo de ontem. A análise é superficial pois não é esse o assunto concernente à coluna de hoje. Reparem que nosso elenco, mesmo sendo muito desequilibrado precipuamente nas laterais, fez frente ao time titular do São Paulo na casa deles. Recheado de crias da base, fomos pragmáticos e colhemos, ao menos, um empate.

 Falando sobre o título da coluna considero, indiscutivelmente, que o futebol de resultado é de uma falácia sem precedentes. Acredito piamente que as pessoas intelectualmente fracas ou aqueles com dificuldades cognitivas sintomáticas se apoiem nesse quesito para tentar mascarar ou criar narrativas mendazes tencionando justificar o injustificável.

 É de uma leniência tacanha afirmar que o tipo de futebol que traz as taças não faça diferença. Dizer que o pragmatismo é caminho certo para a chegada dos títulos, quando eles chegam, é de uma atrocidade gigantesca, beira à sandice, à parvoíce.

 Essa forma de atuação ridícula, utilizando-se da entrega da bola ao adversário, jogando de forma reativa só consegue, ainda, ganhar títulos por aqui, em “terras brasilis”, porque os grandes clubes brasileiros de maior investimento ainda não se atentaram ao fato de que a excelência na gestão esportiva é tão ou mais importante do que ter um elenco qualificado e com peças de reposição à altura.

 O futebol jogado na Europa é diferente demais, DEMAIS! A posse de bola é valorizada, as jogadas de linha de fundo com as triangulações são costumeiramente realizadas, a compactação de linhas das equipes e a marcação alta são percebidas até em times de menor investimento.

 Isso é claro como a luz que nos ilumina, mas a parte podre da mídia esportiva brasileira, que pode ser considerada protecionista, mal-intencionada e acéfala taticamente jura de pés juntos que o estilo do futebol praticado pelos times montados pelo Abelão e pelo Felipão (para citar dois medalhões ultrapassados) é o ideal para que os títulos sejam conquistados por aqui. Não é. Nunca foi! Nunca será!

 Essa é a bandeira maltrapilha e esfarrapada desses comentaristas de melhores momentos. Os caras não assistem aos jogos, não é possível! A coisa é tão absurda que beira o irracional, o nefasto. O pior são os comentários desconexos e inconsistentes. Ao comentarem de um jeito o futebol europeu e de outro, completamente inverso, o praticado no Brasil, eles praticam a autocontradição dispensando a necessidade de outras contestações.

 Eles se esquecem que seus telespectadores são muito mais inteligentes do que já foram num passado recente. Nós, da audiência esportiva, atualmente sabemos tanto ou ainda mais do que os comentaristas esportivos por um simples motivo: nós assistimos a TODO o jogo. Par você traçar comentários justos sobre uma partida você tem que, no mínimo, assisti-la na íntegra. E todos sabemos que isso não acontece nas grandes emissoras do país.

 Voltando a falar de Flamengo, estou na torcida por um bom resultado na quarta-feira, pela Libertadores. Apesar do Abel! Repito: apesar do Abel! Continuo e continuarei batendo na tecla do pragmatismo, do retrocesso e da falta de atualização que permeia o futebol praticado pela equipe do distribuidor de coletes. Não dá mais.

 Precisamos, urgentemente, livrarmo-nos do amadorismo e do nepotismo no Clube de Regatas do Flamengo. Essa situação está periclitantemente escancarada e ninguém toma uma atitude para coibi-la. A crítica ferina sobre esse “modus operandi” foi o mote da campanha roxa. Agora a pedra se tornou vidraça.

 Devemos montar um departamento de futebol, a partir do VP, de excelência. Para isso é necessário que nos livremos, de uma vez por todas, dos néscios e dos pródigos. Atualização contínua, excelência em todas as áreas para que nos tornemos hegemônicos o quanto antes. O caminho é esse. Reto, seguro, bem pavimentado!

 Falta a coragem necessária para a mudança de curso. E essa mudança pode gerar cicatrizes profundas e rompimentos definitivos. Eu nunca disse que seria fácil, mas a bola está com a diretoria atual, infelizmente, pois se estivesse conosco nosso rumo já teria sido corrigido há bastante tempo. Vamos aguardar, que é só o que nos resta. Vai pra cima deles Mengo!!!

 O Flamengo simplesmente é!

Saudações rubro-negras a todos!

 Fabio Monken

Twitter: @fabio_monken

Gostou? Não gostou? Concorda, discorda? Ótimo!

O Debate sempre será salutar!

Deixe seus comentários e interaja conosco!

Pontos de vista divergentes são essenciais à evolução do homem.

Mas lembre-se: Somos todos Flamengo!

A intolerância e a falta de argumentos são os combustíveis para o fracasso!

13 Comentários
  • Parabéns pelo belo texto redigido. Concordo com vc e me dói ter crescido acreditando que nosso futebol arte seria consolidado em 82, quando a Europa só erguia bolas na área e se retrancava. Que pecado Paolo Rossi ter mudado a História e, que curioso, os europeus copiaram nosso futebol, e nós? Copiamos o deles, resultado: não somos mais potência no futebol e, ao que tudo parece, estamos a anos-luz de retomarmos nosso posto. Infelizmente estou pessimista, Abelossauro não tem o time nas mãos, oxalá BH, Gabigol e Arrasca consigam furar a defesa uruguaia, tomara que nossa defesa não falhe nas bolas aéreas e que nossos laterais sejam tenazes no combate, amém! SRN

    • O principal estão esquecendo de falar…..A “”LEI PELÉ “”….aonde Um clube investe na BASE, forma um JOGADOR DE QUALIDADE, e um CLUBE EUROPEU,com seus EUROS, levam os GAROTOS sem ao menos darem RETORNO TECNICO…..( TITULOS)…..Os MELHORES JOGADORES ATUAM NO “”VELHO CONTINENTE “”
      Quando voltam para o BRASIL já estão em declínio técnico ou por não terem se adptado por lá (A exemplo de GABIGOL)

  • Excelente texto. Penso da mesmo forma. De que adianta investir essa fortuna em jogadores e deixar um treinador retranqueiro que acha normal perder do inter e empatar com o sp. A falta de ousadia do treinador e da diretoria deve revirar os heróis Rubro-Negros que a partir de 1895 construíram essa nação. O Flamengo precisa se livrar dos covardes e abraçar o espírito de seus fundadores: vencer, vencer, vencer… e se não der (lógico, não se ganha sempre), que a sua Glória seja Lutar. SRN.

  • O que temos pra hoje é Gabigol, Bruno Henrique, E R7 e Arrascaeta. Jogadores que não sabem marcar alto, jogam pouco sem a bola. Então esquece esse negócio de Europa, olha as peças que temos. Um pouco de apoio não faz mal nesse momento decisivo.
    SRN

  • Ficou Claro nesse jogo contra o São paulo que o Cuellar é sobrecarregado na marcação. Quando o pessoal lá da frente resolve ajudar sobra cartão amarelo e alguns vermelhos. Só não vê quem é apaixonado pelo Barcelona…!!!
    Os caras nao sabem marcar.
    Aliás, Arão marca ninguém!!!!

  • Aos amantes do futebol europeu, sem esse comprometimento tático a defesa fica vulnerável. O Arrascaeta acompanhando lateral é sofrível, O Gabigol pela direita tb. ER 7 acompanha mas inúmeras vezes tomamos gol por deficiência dessa cobertura, engraçado que os amantes do Barcelona só colocam a culpa no Pará, mas nunca na cobertura. Falam que o problema está no miolo da zaga, mas nunca na origem da jogada que é a falta de cobertura dos laterais.
    Jogador que se encaixa bem ali nas pontas são Berrio direita e BH na esquerda. ER7 centralizado e Gabigol de 9. Aí sim o time fica equilibrado pra jogar com 1 volante…vlwww

  • FABIO MONKEM ja discordei de voce algumas vezes aqui na coluna, no entanto, prezado Fabio, dessa vez vou concordar com voce integralmente quando aduz o seguinte:
    O futebol jogado na Europa é diferente demais, DEMAIS! A posse de bola é valorizada, as jogadas de linha de fundo com as triangulações são costumeiramente realizadas, a compactação de linhas das equipes e a marcação alta são percebidas até em times de menor investimento.
    Nao sei se voce ja assistiu jogos fora do Brasil ja assisti, nao so de futebol, como tambem de basquete da NBA, e acredite, ja assisti tantos que hoje sou cadastrado pelo Golden State Warrior, sempre que comeca a temporada me mandam pro email o calendario dele e convite para os jogos da temporada regular. Agora, talvez por assistir jogos fora e acompanhar as noticias exportivas, tenho discordado tanto de voce. VOCE ESTA ABSOLUTAMENTE CERTO, O FUTEBOL LA FORA E DIFERENTE DEMAIS, COMECA PELOS ESTADIOS, PELO RESPEITO AOS LUGARES DOS OUTROS, PELA LIMPEZA DOS BANHEIROS, PELO PRECO, (os ingressos sao caros), PELA QUALIDADE DOS GRAMADOS, (o gramado do time de Orlando da de 10 a zero no maraca longe), OS TIMES, FABIO MONKEN, JOGAM UM FUTEBOL DE TOQUES RAPIDOS, VIA DE REGRA ERRAM POUCO, EM SINTESE, OS TIMES TEM CONJUNTO, DEVE SER DITO TAMBEM, QUE NA ESPANHA, POR EXEMPLO JOGOS NO SANTIAGO BARNABEU SAO UMA FESTA, O TOUR PELO MUSEU DO REAL MADRID VALE O INGRESSO. Voce tem razao em tudo isso, MAS TUDO PREZADO FABIO MONKEM TEM UM PRECO, TUDO CUSTA ALGO, vou te contar uma coisa E SE VOCE NAO ACREDITA VIAJE E ASSISTA JOGOS LA NA EUROPA, VOCE VAI DESCOBRIR QUE NA EUROPA VOCE JAMAIS IRA ASSISTIR UMA CAMPANHA PARA DEMITIR TREINADOR CO QUATRO MESES DE CARGO, VOCE NUNCA IRA ASSISTIR UM CLUBE GRANDE DEMITINDO TREINADOR COM QUATRO MESES DE CARGO, E VOCE JAMAIS VIU OU OUVIU (E ISSO EU DESAFIO VOCE OU QUALQUER UM ME PROVAR O CONTRARIO), “UMA COLUNA QUE LEVE O NOME DE UM CLUBE” tipo essa aqui COLUNA DO FLAMENGO, fazer uma campanha junto a torcida para demitir um treinador com quatro meses de trabalho e com uma conquista no primeiro titulo que disputou, se acredita no contrario pesquisa o tempo de contrato de Pep com o manchester, e os demais treinadores United, Liverpool Chelsea, na Inglaterra, Barcelona Real, Atletico de Madrid, na espanha, os italianos Juventus Internazionale Milan na Italia, procura na Franca, Portugal, Alemanha prezado FABIO MONKEN PROCURA SABER SOBRE UMA COISA QUE ELES CULTUAM, ISSO QUER DIZER A CULTURA DA EUROPA, treinador tem tempo de treinar os times, aqui eu encerro, voce esta certo, quando analisa o futebol europeu, O QUE FALTA FABIO MONKEM ? DESCOBRIR AS CAUSAS, OS MOTIVOS DO BELO FUTEBOL JOGADO EM PAISES ONDE NAO EXISTE MUITO ESPACO PARA OS JOVENS JOGAREM BOLA, ALIAS NAO APARECEM REVELACOES NO FUTEEBOL COMO POR EXEMPLO APARECEM NO BRASIL, ah mas tem uma coisa que eles fazem e fazem muito bem, CONTRATAM UM TREINADOR COM CURRICULO, FAZEM UM PLANEJAMENTO, INICIAM O TRABALHO, VAO DESCOBRINDO AS CARENCIAS DO ELENCO VAO TRAZENDO PECAS DA AFRICA, DO BRASIL DE TUDO QUANTO E LUGAR, DAO CONJUNTO AO TIME E FAZEM O ESPETACULO QUE VOCE E GOSTAMOS, o duro FABIO MONKEM sera fazer tudo isso com base na sua filosofia NAO GOSTO DO TREINADOR DO FLAMENGO, MANDA EMBORA, A DIRETORIA NAO QUER MANDAR EMBORA ENTAO VOU CRIAR UMA CAMPANHA PARA DEMITIR O ABEL, POUCO IMPORTA SE O CARA TEM CURRICULO, POUCO IMPORTA SE GANHOU O PRIMEIRO TITULO, POUCO IMPORTA SE VOU LANCAR O CLUBE NAQUELE VELHA ONDA, PERDEU UM JOGO RUA, o que realmente importa, MANDAR ABEL EMBORA

  • Concordo em tudo que vc disse. O Mengão tem que fazer essa correção de rumos pra ontem! Não temos mais tempo, porque Abel já se provou incapaz pra comandar a equipe. Não preciso enumerar aqui os motivos, porque os mesmos já foram debatidos em várias oportunidades! SRN

  • Criação de sites e aplicativos para celular