Matheus Brum: “A vitória do título”

Olá, companheiros e companheiras do Coluna do Fla. Que vitória ontem, hein? Pois é… os três pontos conquistados no Maracanã, ao meu ver, sacramentam o hepta do Mais Querido. A vantagem para o Palmeiras, vice-líder, aumentou para 10 pontos. E, até o fim do Campeonato Brasileiro, faltam seis jogos – 18 pontos. Apenas uma hecatombe, nunca antes vista na história do futebol mundial, tiraria o título do rubro-negro.


Abra sua conta GRATUITAMENTE, não pague mais tarifa bancária e de quebra, ajude o Mengão a se tornar mais forte!


Falar em título não é prepotência. E sim, olhar para a realidade. Além disso, com a vantagem construída, podemos pensar no objetivo maior da temporada: a conquista da América.

Ao meu ver, a estratégia do Mengão deveria ser a seguinte: jogar com time titular contra o Vasco para conseguir uma boa vitória. Depois, poupar contra o Grêmio para ter uma semana e meia de treinamento para a final da Libertadores, em Lima, no Peru.

Não acho necessário ir com força máxima no Rio Grande do Sul. O Grêmio vai atuar “mordido” e pilhado por causa da derrota na competição sul-americana. Para eles partirem para um jogo mais físico, correndo o risco de lesão, não custa.

Além disso, o Flamengo está começando a ter mais dificuldade que o habitual para conseguir as vitórias. E isso se dá pelo fato dos adversários já começarem a entender os pontos fracos dos comandados de JJ.

O português escala o time para atuar com o quarteto de ataque flutuante – ou seja, sem posição definida – e com os jogadores se movimentando entre as linhas defensivas dos adversários. Pois bem, para poder evitar o poderio do ataque rubro-negro – de 130 gols na temporada – os times estão atuando com um jogador entre as linhas, ou com elas bem compactas, dificultando a troca de passes na intermediária ofensiva.

Entretanto, como nossa diferença técnica e tática é tão grande em relação à maioria dos times brasileiros, temos conquistado as vitórias, mesmo com algumas dificuldades. A minha preocupação, no entanto, fica para a partida contra o River. O time argentino vai aumentar o sarrafo em relação ao nível dos nossos oponentes neste ano. Por isso, defendo que nesta semana e meia – entre o jogo contra o Vasco e a final em Lima – os titulares descansem e possam treinar.

Nesta maratona de dois jogos por semana, JJ não tem tido tempo para treinar a equipe. Neste tempo, mesmo curto, pode-se aproveitar para aprimorar este modelo de jogo que temos desde a chegada do português, se preparar para encarar o River e também pensar em novas jogadas para surpreender na finalíssima.

De qualquer maneira, o Brasileiro é nosso, com muito mérito. Agora, é se preparar para conquistar a América e, quem sabe, o mundo!!

Matheus Brum
Jornalista
Twitter: @MatheusTBrum


Gostou? Comente! Não gostou? Comente mais ainda! Mas, por favor, vamos manter o diálogo sem xingamentos ou palavras de baixo calão. O bom diálogo engrandece o homem e nos faz aprender, diariamente!

Veja também

  • Dizer que os adversários aprenderam como o Flamengo joga não sei dizer se é a causa da dificuldade dos últimos jogos. De fato, depois do jogo contra o Grêmio, o Fla caiu de produção (vitórias sofridas com Botafogo, CSA, empate com Goiás e um primeiro tempo lamentável contra o Bahia). Para mim tem a ver mais com acomodação e com escolhas erradas do JJ para escalar o time. ( Pq não o reinier no lugar do Vitinho ???)

  • Discordo totalmente de um ponto específico. O problema não é que os adversarios entenderam JJ. O problema é que desde que chegou ao Flamengo o JJ tem problemas com equipes que usam o contra ataque como única alternativa, vide Bahia e vide Atlético paranaense, ou seja, se o mundial fosse contra o real madrid, pai dos contra ataques, estariamos ferrados.

    Ele mesmo sabe de seu problema, por isso tirou gerson e botou pires da mota.

    Merito todo dele, mostra que conhece bem seus pontos fortes e fracos.

    Sobre poupar eu sinto muito.

    NAO VAI POUPAR NINGUÉM!

    É a filosofia dele…. fazer o quê? Tocer….

  • Matheus, aquele abraço!

  • O jogo com o Grêmio vai ser muito interessante.
    Renato pode ter muitos defeitos, mas parece-me uma pessoa de bom caráter e por isso não acredito que dê instruções pra fazer jogo violento contra o Flamengo, acho que vai jogar limpo e vai tentar tudo que é esportivamente licito para ganhar esse jogo.
    Jesus por sua vez acha que num jogo, qualquer que seja o adversário é pra ganhar. Jesus sabe que contra ao Grêmio com armamento ligeiro não consegue, vai precisar da artilharia pesada e vai convicto que Renato será um adversário leal e não vai dar instruções para lesionar os nossos craques, sabendo que eles, logo a seguir, terão o jogo da vida deles. Renato não fará isso, Renato foi jogador e sabe que o Brasil Esportivo não lhe perdoaria isso.

  • Caro Matheus Brum sua visão está correta e concordo plenamente. Com a vitória sobre o Vasco a equipe chegará aos 80 pontos, não há necessidade de o português ir com o time titular. Põe para enfrentar os gaúchos o tume totalmente reserva, exceto Diego Alves, os jogadores de linha todos reservas. O jogo contra o River Plate promete ser bastante difícil, mesmo o Flamengo sendo superior. O BR 2019 já é do mengão.

    Saudações rubro negras!

  • Gostei da análise, mas não sei se será assim, acho que Jesus vai continuar a “por a carne toda no assador”, é o estilo dele.
    Tenho a impressão que ele acha que jogador quando descansa perde sentido de entrosamento no time e sobretudo perde ritmo competitivo.
    Quanto a treino para o jogo da Liberta, tenho a certeza que Jesus anda a preparar esse jogo desde que passou pelo Grêmio e mais, ele vai para esse jogo com vários trunfos na manga, será algo que vai impressionar o mundo do futebol.
    Estou profundamente convicto disso.
    SRN

  • Concordo…
    Hepta na mão e vamos trabalhar para a Liberta nao fugir por lesão…
    SRN.

Comentários não são permitidos.