Fla soberbo? Zico discorda: “Antes todo mundo sacaneava o clube, agora tem mais é que usufruir”

FOTO: REPRODUÇÃO

O Flamengo é um dos principais times sul-americanos. Com mais de 40 milhões de torcedores, o Rubro-Negro recebeu o apelido de “Mais Querido”. Porém, com os títulos conquistados e com algumas atitudes dos dirigentes, o Fla passou a ser bastante criticado na imprensa. Em entrevista à revista “Placar“, Zico foi questionado se o clube da Gávea passou a ficar soberbo. O ídolo discordou e lembrou da época que eram feitas piadinhas com a instituição.

É o ‘Mais Querido’ por causa da sua torcida. E ela pouco tem a ver com atitudes que dirigentes fazem. É bom a gente separar isso. Os dirigentes já tiveram o momento de ser o diabo. Quando o Flamengo estava lá por baixo, todo mundo não sacaneava? Falavam que o Flamengo não tinha bola para treinar, não pagava em dia, os jogadores não fingiam que jogavam? É fácil apontar o telhado de vidro, porque está ganhando tudo. O clube se organizou, coisas que os outros não fizeram. Então, o Flamengo tem mais é que usufruir disso. Sem pisar em ninguém, sem ultrapassar os limites dos regulamentos, da ética, do que diz o estatuto -, disse o ex-jogador.


Aproveite a boa fase do Flamengo para lucrar!


Recentemente, o Flamengo liderou o debate sobre o direito de transmissão após Jair Bolsonaro, presidente da República, assinar a Medida Provisória 984. O clube carioca foi bastante criticado naquela ocasião. Zico também reprovou a atitude dos dirigentes do Rubro-Negro. Na visão do ídolo, o Fla tinha que ir a Brasília representando os clubes, não só os interesses pessoais.

Acho que a falta de união dos clubes, e a falta de liderança nessa área, fez com que as pessoas tomassem decisões individuais. Esse é que é o problema. Julgar de fora é fácil. Mas quando não se vê uma liderança para uma situação calamitosa como foi a da pandemia, cada um tenta resolver à sua maneira os problemas que aparecem. É ruim. Se o presidente do Flamengo e o do Vasco estivessem lá em Brasília como representantes de um todo, a voz de todo mundo. Mas não foi o caso, cada um está puxando pelo seu lado. Não estou de acordo com isso -, encerrou.

Veja também

Participe da conversa

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *