Marcus Souza: “Romário passou por aqui”

FOTO: DIVULGAÇÃO

Por Marcus Souza

O ano era 1995, o centenário do Clube de Regatas do Flamengo, e após meses de negociação com o Barcelona, auxiliadas pelo próprio Romário, o baixinho chegou à Gávea.

Um desembarque que, para época, poderia ser comparado a um dos recentes “AeroFla“, feitos pela torcida. Desfile com caminhão de bombeiros e multidões nas ruas acompanhavam a chegada do campeão da Copa de 94, o sentimento era de que o Flamengo em fim retomava seu protagonismo com um poderoso elenco que estava sendo montado.


Aproveite a boa fase do Flamengo para lucrar!


Ainda em janeiro daquele ano, Romário de tornou o primeiro jogador fora da Europa, e o único até hoje, a ser premiado como o melhor jogador do mundo, jogando fora do velho continente. Claro que o prêmio foi concebido pela temporada anterior com o título da Copa de 94 e a temporada excepcional pelo Barcelona, mas o fato é que o craque já havia até mesmo estreado pelo Mais Querido quando ocorreu a grande premiação, méritos dele, momento histórico de orgulho nosso.

O campeonato daquele ano prometia, levamos a Guanabara com três gols do baixinho sobre o Botafogo, mas ainda durante o carioca as primeiras turbulências surgiram, após um desentendimento entre Romário e Vanderlei Luxemburgo, então treinador, o rendimento da equipe caiu. A artilharia do campeonato escapou e ficou nos pés de Túlio Maravilha, do Botafogo, bem como o título estadual que foi parar nas mãos dos tricolores no lamentável, porém também histórico, gol de barriga de Renato Gaúcho.

Após a decepção do estadual, o clube buscou dar a volta por cima no brasileiro, contratando Edmundo, consagrado em clubes rivais, e montando agora o “melhor ataque do mundo”, com Romário, Sávio e Edmundo. O elenco ainda contava com Branco e Ronaldão, também tetracampeões em 94, além de outros jogadores consagrados como Djair e Luiz Carlos Vinick.

Romário estava servido de uma seleção para ajudá-lo a levar o Flamengo ao topo daquele ano, mas o extra campo já não vinha bem, de músicas de rap gravadas em estúdio a brigas com Edmundo pelos holofotes, o futebol ficou pelo caminho, um péssimo desempenho no brasileirão e um quase título de Supercopa Libertadores que escapou mesmo vencendo por 1 a 0 em casa com gol de Romário, a partida de ida havia sido 2 a 0 para os argentinos do Independiente.

Ali escapara a última chance de um título no centenário.

Ainda assim, Romário ficou em quarto no prêmio de melhor do mundo da FIFA, o que novamente foi um feito histórico tendo em vista que desta vez, toda sua temporada foi jogada no Brasil.

1996 começou diferente, um carioca de forma invicta e a artilharia de Romário denotavam um novo tom para a temporada, depois veio o título da Copa Ouro Sulamericana, mas Romário não ficou para a disputa do brasileiro e voltou para Europa, a essa altura, os patrocinadores que ajudaram a trazê-lo já não se interessavam tanto pelo investimento, então Bebeto chegou e o Romário saiu por empréstimo ao Valência.

Ainda naquele ano, Romário voltaria ao Mais Querido, disputou duas decisões, uma Rio-São Paulo, contra o Santos, e uma Copa do Brasil, contra o Grêmio, mas em ambas não obtivemos sucesso e amargamos a segunda colocação.

Em 1997, o craque se despediu pela segunda vez do Rubro-Negro e voltou ao Valência, para jogar apenas aquele ano, pois em dezembro, ele já acertava seu terceiro e último contrato com o Flamengo.

1998 foi um ano sem brilho por parte do elenco, sendo eliminado em todos os campeonatos. Mas com uma memorável partida contra o Corinthians pelo torneio Rio-São Paulo, Romário dribla Amaral e marca um gol digno do melhor do mundo de 1994, o Flamengo vencia por 3 a 0 e a torcida adversária aplaudia a genialidade de Romário.

O fim da linha chegou em 1999, após vencer o Carioca e chegar à final da Copa Mercosul, Romário festeja junto a outros jogadores do elenco em uma boate, mas somente ele é punido e tem seu contrato rescindido pelo então presidente do clube, Edmundo dos Santos Silva. O Flamengo se sagrou campeão contra o Palmeiras, mesmo sem a presença do baixinho.

Após 3 passagens pelo Flamengo, Romário encerrou sua carreira com o Manto Sagrado, tendo se tornado:

O melhor do mundo de 1994 e quarto melhor de 1995.

O quarto maior artilheiro do clube com 204 gols em 240 jogos.

Atingindo a marca de 600 gols em um 2 a 2 contra o São Paulo.

Artilheiro de 8 competições em 5 anos de clube.

Além de conquistar 8 títulos oficiais e outros 4 não oficiais.

E aí, deixou saudades?

Veja também

Participe da conversa

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • Romário malandro! Ainda tá dando show,joga fácil.

  • Não é verdade que Romário teve uma seleção a seu dispor, nem em 95, nem nos anos subsequentes! O time do Flamengo de 95 era mediano, craques só o trio Romário, Sávio e Edmundo, sem contar os técnicos fraquissimos da época, incluindo o pofexo e o papai Joel! Colocar tudo nos ombros do Romário é injusto, ele jogou muito bem no Flamengo e fez muitos gols!

  • Não ganhou nada relevante.

  • Agora imagina o Romário jogando nesse time de hoje.
    Seria três gols a cada jogo.
    Sempre será um ídolo pra mim.
    Pena que era somente ele o craque da época não podia fazer nada sozinho.
    Pra mim nunca teve atacante melhor no Flamengo do que ele.
    ROMÁRIO sempre será relíquia.

  • Quer encontrar uma mulher para uma noite? Bem – vindo ao — S︆︆e︆︆xc︆︆o︆︆n︆︆t︆︆.︆︆C︆︆o︆︆m

  • Flamengo ganhou a Mercosul contra o Palmeiras…. nada de Peñarol