Médico do Flamengo explica segunda lesão de Rodrigo Caio: “Estava na transição, foi uma fatalidade”

FOTO: REPRODUÇÃO/FLAMENGO

Nesta sexta-feira (27), o chefe do departamento médico do Flamengo, Dr Márcio Tannure concedeu entrevista no CT Ninho do Urubu, e vários temas foram abordados, como a situação de Rodrigo Caio, por exemplo. Sobre tal assunto, Tannure garantiu que não houve erro do clube no trabalho de transição do jogador e tratou a lesão do defensor como “fatalidade”.

Rodrigo Caio estava na transição e se machucou novamente, não dá pra julgar se teve erro na carga. Como outros atletas tiveram lesões e não estavam na transição, foi uma fatalidade. Temos esse cuidado, conseguimos acompanhar de maneira gradual com GPS, para que tenhamos segurança de colocar ele em campo. Infelizmente ele teve uma lesão muscular, mas agora que aconteceu, vamos tratar com excelência e não tenho dúvida de que estamos no caminho certo.

Lembrando que o zagueiro vem de problemas sucessivos e, por isso não atua há um bom tempo pelo Rubro-Negro. Primeiro, testou positivo para o novo coronavírus, depois foi convocado para a seleção brasileira e se reapresentou ao Flamengo com um edema ósseo no joelho direito. Na fase final do tratamento, sofreu nova lesão, desta vez na panturrilha direita. Diante de tal cenário, Rodrigo Caio acabou desfalcando o Mais Querido em 19 jogos. Ainda assim, o defensor tem presença incerta para o duelo diante do Racing, na próxima terça-feira (01).

ASSISTA À COLETIVA NA ÍNTEGRA


Flamengo e Racing se enfrentam às 21h30 (horário de Brasília) de terça, no Maracanã, pelo jogo de volta das oitavas de final da Copa Libertadores. Após o 1 a 1 na Argentina, o Rubro-Negro tem a vantagem de empatar sem gols em casa. O Coluna do Fla, como de costume, acompanhará o duelo com a transmissão mais pé quente e rubro-negra da internet, via YouTube.

Veja também

Participe da conversa

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • Quer encontrar uma mulher para uma noite? Bem – vindo ao — S︆︆e︆︆xc︆︆o︆︆n︆︆t︆︆.︆︆C︆︆o︆︆m