Vice-presidência de Embaixadas e Consulados apresentará novidades sobre o projeto na FlaTV

IMAGEM: REPRODUÇÃO

Por Tulio Rodrigues

A pasta da vice-presidência de Embaixadas e Consulados da Nação, comandada por Maurício Gomes de Mattos, prepara o lançamento de muitas novidades para o projeto que agrega centenas de grupos de torcedores off-rio. Um programa especial com todas as informações será exibido na Fla TV, canal oficial do Flamengo no Youtube, neste sábado (20), a partir das 14 horas (horário de Brasília).


Saiba como se dar bem duplamente com vitórias do Flamengo!


O assunto vem gerando enorme expectativa entre os Embaixadores e Cônsules. Milhares de membros do programa também estão ansiosos. A reportagem do Coluna do Fla conseguiu apurar até agora é que as novidades se devem à execução de demandas necessárias do projeto e que só não foram executadas antes por conta da pandemia do coronavírus.

INÍCIO E EVOLUÇÃO DO PROJETO DE EMBAIXADAS E CONSULADOS DESDE A SUA FUNDAÇÃO

O projeto, inicialmente chamado de “Embaixadas da Nação Rubro-Negra”, foi fundado no dia 24 de abril de 2008, na gestão Márcio Braga.

— Eu ficava encantado com o número de rubro-negros nos estados brasileiros e me perguntava: “esses caras devem se reunir em algum lugar”. Aí começamos a pesquisar em cima disso e descobrimos vários grupos. Aí bolamos o que chamamos de “Embaixadas da Nação Rubro-Negra”, que seriam movimentos espontâneos, que nós tentaríamos institucionalizar, ou seja, dar um apoio formal do clube para eles —, disse Mário Cruz, um dos fundadores do projeto, em entrevista ao Blog Ser Flamengo.

As embaixadas Fla-Brusque, Fla-Lages, Fla-Sampa, Fla-BH e Fla-Paraná foram as primeiras a serem oficializadas no programa, em evento realizado no Maracanã. O clube criou o encontro das Embaixadas, que ocorria sempre no aniversário do Flamengo e passou também a incentivar que os membros, torcedores comuns, virassem sócios da categoria Off-Rio. Além de dar poder a frequentar a sede da Gávea 30 vezes durante o ano, também dá o direito de votar para presidente.

No fim de 2009, já eram 34 embaixadas e mais 100 candidatas a fazerem parte. Na gestão de Patrícia Amorim, entre os anos de 2010 e 2012, o projeto foi tocado por Mauro Chaves e Rodrigo Saboia, mas sem muito protagonismo. Foi somente no ano de 2016, início da segunda gestão de Eduardo Bandeira de Mello, que houve uma revolução. Vice-presidente geral na época, Maurício Gomes de Mattos abraçou o programa e o reformulou por inteiro. Em evento, anunciou que também seria criado os consulados e todos teriam um mínimo para fazer com que seus membros se tornassem sócios-torcedores, realizassem ações sociais e até mesmo indicação de atletas para as categorias de base do Flamengo. A partir dali seria chamado de “Embaixadas e Consulados da Nação”.

Maurício contratou um coordenador para tocar o projeto, Eduardo Barbosa, que toca o programa até hoje junto com outros funcionários. Centenas de embaixadas e até as do exterior, que sempre tiveram dificuldades de serem “oficiais” por conta de cadastros e burocracias, foram oficializadas. Hoje já são em torno de 420 espalhadas pelo Brasil e pelo mundo. Só a Fla-Campos, localizada no Norte do estado do Rio de Janeiro, já cadastrou em torno de 700 sócios-torcedores.

Em 2019, já com Rodolfo Landim como presidente, foi criada a vice-presidência exclusiva, que tem como competência, segundo o estatuto: “promover todas as atividades e práticas relacionadas aos consulados e embaixadas do Flamengo, criadas fora da região metropolitana do Rio de Janeiro, sem prejuízo das já criadas, com o objetivo de aprimorar o relacionamento e a comunicação do Clube com essas entidades”. A pasta conta também com um centro de custo e funcionários que são os braços a tocar um projeto gigantesco, que abrange torcedores de todos os rincões do Brasil e do mundo.

Veja também

Participe da conversa

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  • A atual diretoria enfraqueceu esse projeto das embaixadas e consulados ao matar o programa sócio off- Rio. Seus membros não sabem que há mais torcedores rubro-negros fora do estado do Rio de Janeiro do que dentro porque o Mais Querido é o único clube verdadeiramente de alcance nacional, um fenômeno que começou na virada dos anos 30 para os anos 40 do século passado, quando o grande Leônidas da Silva( auxiliado por Domingos da Guia e por Fausto, a Maravilha Negra) tornou o Mais Querido a principal atração futebolística do país, propagada tanto pelas ondas Rádio Nacional do Rio de Janeiro quanto pelas excursões que o clube fazia por todo o território nacional.